11 de Setembro de 2001: onde estávamos?

In Geral, Mundo

Walace Ávila

Ano após ano, a data 11 de setembro de 2001 é lembrada com peso amargo. Ela ficou cravada na história norte-americana. Na manhã de terça-feira, às 08h46, o primeiro de quatro aviões sequestrados por terroristas da Al- Qaeda colidiu contra a Torre Norte do World Trade Center, em Nova York, dando início a um ataque terrorista. Na contagem oficial, 2.977 pessoas morreram pelas mãos de 19 sequestradores. Muitos foram pegos de surpresa pelos noticiários.

Em 2019, completam-se 18 anos do atentado. Fatos como este, que marcam a história da humanidade de maneira geral, são fáceis de serem lembrados. Presentes em matérias jornalísticas especiais, aulas pedagógicas, documentários e filmes, a história é relembrada e perpetuada em nossas memórias. Mas, e quando tentamos lembrar o que estávamos fazendo quando isso aconteceu? Será que você consegue se recordar onde estava e o que fazia no dia 11 de setembro de 2001?

Você podia ser pequeno na época e não lembrar quase nada, como a Lisa. Em 2001, ela tinha apenas três anos e morava com seus pais em Boston, Massachussetts. Sua mãe Rose Correa, de 56 anos, se recorda bem. Na época, Rose deixou Eric – seu filho mais velho – na escola, e estava ao encontro da babá para deixar Lisa. Ao chegar ao trabalho, ligou o noticiário e viu o vídeo do primeiro avião colidido na torre. “De repente, veio o segundo avião, mas agora todo mundo já estava em pânico e eles (noticiários) falavam que os dois aviões estavam vindo de Boston”, frisa. A mãe, desesperada e temendo pela vida dos filhos, ressalta como “todo mundo estava em pânico pois nem a mídia sabia o que estava acontecendo”.

Um ano mais velha que Lisa, Bruna Stencel, com apenas quatro anos em 2001, se recorda muito bem do que aconteceu e como ela estava no dia, pois reside exatamente na cidade do acontecido, Nova York: “Lembro que no dia eu estava me arrumando para ir para a aula logo de manhã, porém, ao ligar a TV, entramos em choque. Foi avisado a todos para que ficassem em suas casas”. Bruna ressalta que o desespero das pessoas – jamais visto da mesma maneira por ela – foi o que mais a marcou. Sempre quando chega a data, ela chora por relembrar as tristes emoções.

Infelizmente, ocorridos trágicos na história marcam mais do que outros acontecimentos. Relembrar o lugar onde estávamos e como enfrentamos tais ocorridos é um pequeno exercício de viagem no tempo que nos insere novamente no contexto de tristes lembranças, mas que podem nos ajudar a vislumbrar um futuro de possíveis esperanças. Como disse Edmund Burke, “as pessoas não serão capazes de olhar para a posteridade, se não tiverem em consideração a experiência dos seus antepassados”.

You may also read!

Dia dos Pais é comemorado neste fim de semana

Dia dos Pais: 8 ideias para você comemorar com o seu paizão

Saiba como celebrar com seu pai nesse dia especial Lucas Pazzaglini O Dia dos Pais está chegando e talvez

Read More...
Dependentes de Nicotina recebem ajuda do SUS

SUS proporciona campanha de tratamento para dependentes de nicotina

Promovido pelo Ministério da Saúde e Instituto Nacional do Câncer, o projeto visa auxiliar a comunidade dependente por meio

Read More...
Rodada do paulista de Flag Football foi no UNASP

UNASP recebe rodada do Campeonato Paulista de Flag

As partidas de Flag contaram com 16 times no total, nas categorias  masculinas e femininas, movimentando torcedores das equipes

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu