A renascença psicodélica

In Ciência e Tecnologia, Geral

Pesquisas experimentais e clínicas com drogas alucinógenas foram restabelecidas por grupos de pesquisa na Suíça, Brasil, Estados Unidos e Reino Unido, e encontraram resultados preliminares, porém promissores

Adalie Pritchard

 

Para alguns, o uso de alucinógenos é uma experiência espiritual. Joel Trumble, um ex-usuário, relata que utilizava diversas drogas para fugir da sua realidade. “O LSD é muito diferente de outras drogas. É um estado de sonho, pode ser agradável ou seu pior pesadelo. Me fez questionar a vida”, destaca.  Trumble viajou para Amsterdam, uma cidade onde os cogumelos psicodélicos são vendidos legalmente. Ele confessa que estava passando por um momento difícil e impulsivamente comprou uma sacola. “Dizia ‘duas doses’… comi a sacola inteira. Achei que estava indo para o meu quarto de hotel, andando por ruas repletas de canais, barcos e edifícios de pedra milenares que sobreviveram guerras”, acrescenta e diz que o terror o atingiu. “Percebi que estava perdido. Olhei para o meu mapa em holandês e os nomes estrangeiros eram indecifráveis. Estava perdendo contato com o mundo”, lamenta. 

Passou a noite inteira olhando uma pintura de Rembrandt deitado em uma posição fetal. “Senti puro terror, chorei. Lutei com Deus e lutei com o Diabo”, conta. A experiência fez Trumble entender que deveria reconciliar seu casamento e assegurar que seus filhos, pequenos nessa época, se formassem para ter um futuro promissor. Ele conclui: “Não acredito que os psicodélicos deveriam ser utilizados ​​recreativamente. Eles são espirituais e devem ser respeitados.” 

Os alucinógenos, ou psicodélicos, são substâncias que induzem mudanças profundas nos padrões de pensamento, percepção sensorial, emoção e cognição. Entre as drogas psicodélicas mais comuns estão: o  LSD (dietilamida do ácido lisérgico) e cogumelos. Segundo uma pesquisa publicada na Revista Brasileira de Psiquiatria, desenvolvida em 2020 por Rafael dos Santos, José Bouso e Jaime Hallak, alguns alucinógenos estão sendo “ressuscitados” como novas ferramentas na terapia psiquiátrica. Esse regresso também é chamado de renascença psicodélica.

Essas drogas foram intensamente pesquisadas para o tratamento de transtornos mentais como ansiedade e depressão durante as décadas de 1950 até o início de 1970.  Após esse período, foram estabelecidas restrições para controlar o uso recreativo dessas substâncias. Como consequência, a contenção impediu o desenvolvimento de pesquisas dessas substâncias até a iniciativa de Santos, Bouso e Hallak. Os autores esclarecem que: “Embora esses compostos não sejam ‘balas mágicas’ ou ‘drogas milagrosas’, indicam a possibilidade de um admirável mundo novo no tratamento psiquiátrico, e estamos cautelosamente otimistas quanto ao seu potencial.” 

Alguns países estão retomando a análise de drogas psicodélicas para considerar a possibilidade do seu uso clínico. A pesquisa da ayahuasca, um chá com potencial alucinógeno feito a partir de uma mistura de ervas, predomina no Brasil por ser um dos poucos países onde seu uso é legal. A substância é utilizada pelos indígenas na Amazônia de forma medicinal e ritual. 

No entanto, a popularização do uso de psicodélicos, mesmo no ambiente médico, é questionada por muitos. O psiquiatra Pablo Canalis comenta que essas substâncias estão sendo estudadas com resistência da classe médica pelos seus efeitos colaterais, em especial, pela possibilidade de dependência. O médico destaca que “são estudos estimulados pela indústria farmacêutica que querem lucrar com esses medicamentos.” 

O especialista menciona que o LCD foi investigado por ter ação em receptores serotoninérgicos (moléculas biológicas) causando sensações de felicidade e tranquilidade, ajudando a controlar a ansiedade. Mas os efeitos alucinatórios e a possibilidade de efeitos serotoninérgicos inadequados tiraram esse medicamento do uso autorizado e o tornaram clandestino. “A indústria farmacêutica sempre busca ‘ressuscitar’ medicamentos que não deram certo, especialmente por efeitos colaterais que criam dependência”, explica Canalis. O psiquiatra ainda aconselha: “Sempre é bom ter critério e seguimento médico no uso dessas substâncias.”

O argumento a favor da renascença

A Associação Psicodélica do Brasil (APB) é uma organização sem fins lucrativos criada em 2015 com a finalidade de “fomentar a ética, cultura de paz e, para tanto, defender uma política de drogas antiproibicionista, pró-regulação e pró-redução de riscos e danos”, explicado no site.  A APB pesquisa temas ligados à questão dos psicodélicos, tanto seus benefícios, quanto possíveis riscos. A associação promove ações de educação por meio de cursos, palestras, seminários e práticas integrativas. 

Fernando Becerra, representante da APB, explica que “todas as drogas devem ser regulamentadas e legalizadas”. Ele acrescenta: “Não acreditamos que a proibição seja uma solução para a política de drogas”.  Becerra, como muitas pessoas que defendem uma política de drogas antiproibicionista, argumenta que a proibição dessas substâncias viola “inúmeros direitos humanos”, como o aumento da população carcerária e a quantidade de assassinatos. “No final, a proibição não acaba reduzindo o consumo, abuso e dependência das substâncias”, confirma. Becerra argumenta que a guerra contra as drogas é totalmente ineficaz para a finalidade da saúde pública. Acredita que seu uso político é uma forma de controle populacional, em especial dos grupos minoritários, principalmente os mais pobres. 

As substâncias psicodélicas têm muitas utilidades. Omar Mera é um técnico de aeronaves que consome microdoses de cogumelos para focar melhor no seu trabalho. Mera também utiliza o LSD, entre outras drogas, de forma recreativa. Ele descreve a experiência: “Sinto-me bem, meus sentidos de toque aumentam, posso sentir variações de temperatura, ouvir sons distantes e isolar outros. Ao escutar uma música, consigo isolar a bateria”.

Mera apoia a legalização do uso recreativos de LSD e cogumelos, mas inculca a importância de ter cuidado com tais substâncias. Ele aconselha conhecer e confiar nas origens do produto e só consumir perto de pessoas confiáveis, em lugares seguros. “Se você é um profissional que consome algumas drogas como maconha, LSD e cogumelos, acho que está tudo bem. Nunca me senti viciado naquelas drogas, ao contrário do cigarro”, comenta o usuário. Será que é uma questão de equilíbrio? Só o futuro poderá dizer.

You may also read!

Dia dos Pais é comemorado neste fim de semana

Dia dos Pais: 8 ideias para você comemorar com o seu paizão

Saiba como celebrar com seu pai nesse dia especial Lucas Pazzaglini O Dia dos Pais está chegando e talvez

Read More...
Dependentes de Nicotina recebem ajuda do SUS

SUS proporciona campanha de tratamento para dependentes de nicotina

Promovido pelo Ministério da Saúde e Instituto Nacional do Câncer, o projeto visa auxiliar a comunidade dependente por meio

Read More...
Rodada do paulista de Flag Football foi no UNASP

UNASP recebe rodada do Campeonato Paulista de Flag

As partidas de Flag contaram com 16 times no total, nas categorias  masculinas e femininas, movimentando torcedores das equipes

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu