Agressão contra a mulher aumenta durante a pandemia

In Geral
Agressão contra a mulher cresceu durante a Pandemia

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos declara que o número de denúncias de agressão aumentou em 2020 em relação aos anos anteriores 

Paula Orling

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos divulgou que houve mais de 105 mil denúncias de agressão contra a mulher em 2020 no Brasil. Este número aumentou em comparação ao dos anos anteriores e reflete a situação pandêmica ainda vivenciada. O anúncio governamental ainda descreve as condições das agressões, desde danos morais até homicídios.

A violência contra a mulher é uma preocupação real no estado brasileiro e de outros países ao redor do mundo há muitas décadas. Visando a solução a violência, a Organização das Nações Unidas (ONU) criou a Comissão de Status da Mulher e regulamentou entre 1949 e 1962 vários tratados reafirmando a igualdade feminina. 

Apesar dos esforços globais e nacionais contra esta agressão, os números de casos conhecidos pelo governo sobem ano após ano, de acordo com a ONU. Contudo, os dados do período da pandemia do Coronavírus alarmam a estrutura governamental e a população, já que apresentam valores de crescimento muito superiores às taxas dos últimos anos.

Entre as principais razões para o aumento está o maior tempo de permanência de agressores e agredidas no mesmo domicílio, devido à quarentena preventiva. Sobre essa diferença de realidade, o educador Malton Fuckner afirma que, durante esse período de isolamento, “as famílias precisam se organizar às novas rotinas”. Ele explica que como a organização nem sempre acontece, gera problemas domésticos.

Impactos na vida da mulher

Física ou verbal, a agressão pode causar traumas reais. A rondoniense Cleisteije Rauf, vítima de agressão durante vários anos, explica que tem muitas memórias tristes do período em que foi casada. Ao elucidar sobre as agressões que sofreu, afirma: “meu marido é um homem muito mau”. Continua dizendo que, “a única palavra que tenho para descrever ele em àquele período é ‘maldade’,”.

Hoje, resguardada pela Lei Maria da Penha, nº 11.340 de 2006, a ex- vítima de violência contra a mulher alerta sobre como as agressões afetam a vida emocional das vítimas. Assim, realça a diferença que percebe entre o período em que era constantemente agredida e a atualidade, em que é protegida.

O apoio populacional

Além da Lei Maria da Penha existem diversos serviços de denúncia como a Disque100 e Ligue180. São fontes de auxílio para vítimas de agressão doméstica e pública. Entre as organizações de proteção estão as ONGs Instituto Barbara Penna, SOS Mulher e Família, Associação Fênix e Associação Fala Mulher, as quais resgatam mulheres e as reestabelecem em um cenário pacífico.

A fim de fornecer apoio, organizações anônimas ainda divulgam vídeos aconselhando a busca por ajuda. Disfarçadas de influenciadoras digitais, muitas mulheres divulgam nas redes sociais meios de denúncia que possam proteger a integridade da mulher até o resgate. Estas são reconhecidas pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos como ajuda contra o controle abusivo.

You may also read!

buraco atacama

Buraco de 200 metros de profundidade surge no deserto do Atacama

Autoridades começaram as investigações de um buraco gigante que surgiu em uma região de mineração no norte do Chile.

Read More...
Jô Soares morre

Jô Soares morre aos 84 anos

O apresentador Jô Soares foi internado para tratar uma pneumonia e faleceu na madrugada desta sexta-feira Paula Orling O

Read More...
Censo atingirá milhões de brasileiros

Censo 2022 tem início e atingirá mais de 70 milhões de domicílios

Recenseadores começaram o trabalho no dia 1º de agosto e o serviço tem previsão de término até o início

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu