Aluno brasileiro é selecionado para maior feira científica do mundo

In Ciência e Tecnologia, Geral

Feira Internacional de Ciência e Engenharia selecionou o carioca para apresentar projeto no evento mundial.

Paula Orling

Vinícius de Moraes, de 18 anos, se classificou para a Feira Internacional de Ciência e Engenharia ( Regeneron ISEF), o maior evento do mundo para a área, organizado pela Society for Science e pela Regeneron. O estudante carioca do terceiro ano do ensino médio garantiu a classificação com um protótipo para reduzir os efeitos humanos sobre o Planeta Terra. O evento vai acontecer entre os dias 8 e 13 de maio de 2022, nos Estados Unidos, na cidade de Atlanta, Georgia.

A Society for Science é uma organização que visa promover a ajuda à população por meio de projetos científicos. A Diretora de Programa da Society for Science, Michele Glidden, esclarece que “durante cada ISEF, a Sociedade busca identificar os melhores cientistas e engenheiros de amanhã”.

Mais de quatro mil projetos foram submetidos para a Mostra Internacional de Ciência e Tecnologia (Mostratec), a maior feira da América Latina. Destes, 420 foram aprovados e o de Moraes foi classificado entre os nove melhores. O estudante foi um dos escolhidos para representar o Brasil na competição mundial. A respeito da participação dos brasileiros nas feiras, a  chefe de comunicação da organização, Gayle Kansagor, explica que “o Brasil tem um forte envolvimento na ISEF”.

O projeto do aluno tem o objetivo de substituir relógios de bateria por produtos ecologicamente corretos. A tecnologia fornece energia para os relógios de pulso a partir da diferença de temperatura entre o objeto e o corpo do usuário. O estudante chamou o produto de “seebeck-watch”.

Ainda não foi divulgado o número de projetos aprovados para a edição no ano que vem, já que existe uma segunda mostra de projetos antes da competição mundial. A feira de 2021 contou com a representação de 89 países e 1,5 mil projetos científicos.

Aprovação da família

Apesar de não receber muito apoio quando começou a se envolver com a ciência, Vinícius insistiu muito com os pais até que o colocassem no colégio particular em que estuda hoje, por meio de uma bolsa de estudos. Na nova escola, teve contato mais profundo com a ciência. “Eu tinha muito prazer em estar estudando ciência e surgiu essa oportunidade em metodologia científica”, compartilha. 

A partir do envolvimento, Moraes passou a se envolver com a pesquisa. “Se eu precisava de uma desculpa para começar a desenvolver meu lado científico, e vai ter que valer para a nota da escola, eu tenho uma desculpa para a minha família, para poder começar meu projeto científico”, comemora. Entre abril e maio de 2020, o estudante contou para a família que não seguiria a carreira militar.

Muitos membros da família do aluno seguiram carreira militar e Fábio Botelho de Moraes, pai de Vinícius, resistia à decisão do filho. “Devido à situação econômica do país e às poucas oportunidades acadêmicas, acreditávamos que a carreira militar seria a melhor opção para o Vinícius, mas, hoje, o apoiamos integralmente”, confirma em entrevista à CNN.

Tutoria

Em sua busca científica, o aluno foi auxiliado por seu professor de metodologia científica, Michael Douglas. “Nem sempre é fácil, mas é importante darmos diferentes opções aos alunos para que estes possam conhecer e experimentar diferentes possibilidades e áreas do conhecimento respeitando suas individualidades, para que possam construir suas experiências e estruturar seus caminhos”, opina.

O professor que ajudou a criar o “seebeck-watch” se alegra ao realizar sonhos através de seus alunos. “Foi assim, principalmente, com o Vinícius, que sonhou os meus sonhos em toda a sua integridade, com suas participações na FEBRACE, MOSTRATEC, Genius, Milset, e agora com sua credencial para a ISEF”, publicou em sua rede social.

Como forma de não poluir ainda mais o meio ambiente, Moraes procurou desenvolver um projeto que reduzisse o descarte de pilhas, já que representam 1% da poluição mundial. O aluno explica que o seu projeto “é o desenvolvimento de um método nanotecnológico para a construção de sistemas para relógios de pulso, através da diferença de temperatura”. 

Climate Science 

Ao se envolver com a ciência nacional e internacional, o estudante conseguiu alcançar o cargo de diretor nacional do departamento CS Explore da Climate Science, uma ONG que tem por objetivo trazer soluções climáticas. “A principal dificuldade é trazer a solução correta e também viável para o ser humano”, explica. A ONG conta com mais de 1000 voluntários em todo o Brasil, envolvidos na pesquisa.

Vinícius descreve que sua vida mudou drasticamente quando decidiu ingressar no mundo da ciência e participar dos núcleos tecnológicos. “A minha vida, atualmente, é fazer ciência. A gente falava: é impossível chegar lá, mas está sendo um sonho materializado”, discorre. O estudante ainda afirma que pretende continuar pesquisando nos próximos anos.

You may also read!

Desnutrição infantil atinge população.

Fome no Brasil promove alerta sobre as consequências da desnutrição infantil

Diante do cenário de fome crescente no Brasil, pesquisas revelam como a desnutrição infantil afeta as demais etapas da

Read More...
Sessões terão apoio da ANS

ANS retira limite de sessões com fisioterapeutas, psicólogos e outros

A decisão sobre as sessões impacta a usuários de planos de saúde. Lucas Pazzaglini A Agência Nacional de Saúde

Read More...
Plástico é produto de difícil reciclagem

No more plastic! Canadá proíbe a produção e importação de plásticos de uso único

A nova regulamentação entrará em vigor a partir de dezembro de 2022. Cristina Levano O governo canadense apresentou as

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu