Brasil ocupa 13ª posição no ranking mundial de gamers

In Ciência e Tecnologia, Cultura, Esportes

O perfil dos jogadores tem se tornado heterogêneo, e eles já são mais de setenta e cinco milhões no país

Ana Clara Silveira

A indústria dos games tem tido um crescimento implacável nos últimos anos. Segundo aponta o Newzoo, principal fornecedor de análises para jogos e E-sports, o Brasil já lidera os países da América Latina, e é o 13ª mercado de games mais lucrativo do mundo. O avanço tem reflexos inquestionáveis na economia, devido à compra e interação com os produtos. A movimentação de milhões de reais garante que os games mantenham-se atualizados e o alcance seja crescente. Além disso, o perfil dos jogadores tem se tornado heterogêneo – ambos os gêneros dividem o cenário de maneira equilibrada com idades e outras características variáveis –, e o número já supera a marca de setenta e cinco milhões no país.

Esse fenômeno pode ser esclarecido por vários fatores. O engenheiro da computação Tássio Caique explica que o serviço de internet com maior banda “é um aspecto, pois a rede de melhor qualidade abre uma gama de opções para desenvolvedores de jogos e jogadores”. Como exemplo, cita os jogos multiplayers, em que pessoas de diversos lugares do mundo podem participar juntas.

Caique acrescenta que a democratização da computação permite que qualquer pessoa aprenda a programar e desenvolver softwares, de forma que as alternativas sejam infinitas, e, o download de novos adeptos, corriqueiro.

Dispositivos

A tecnologia contribui significativamente para que os games sejam acessíveis a públicos diferentes. A Newzoo revelou também que metade dos gamers – independente de gênero – utilizam jogos online em dispositivos móveis. Já os games de console eram menos utilizados: até 2018, homens que faziam uso do vídeo game representavam 37% dos jogadores, e, mulheres, 30%. No entanto, muitos utilizam mais de um meio para esse esporte e/ou passatempo.

Lohana Leitte é estudante de Enfermagem, e costuma utilizar o celular e vídeo game, mas, tem sua preferência. “A diferença que sinto é a agilidade no manuseio de cada um. Ainda que a qualidade seja enorme em ambos, por conta dos gráficos complexos, prefiro o console”, enfatiza.

O engenheiro Caique afirma que “os dispositivos melhoraram sua capacidade de execução, o que permite ter jogos de altíssima qualidade nas mãos”.

Perfil dos gamers

A heterogeneidade no perfil dos gamers é cada vez maior. Gênero, idade e outros aspectos não limitam a acessibilidade aos jogos. Lohana acrescenta que, “independente das características pessoais, os jogos foram feitos para divertir”.

Sendo assim, o ponto de interesse comum é o entretenimento. No entanto, a relação entre o virtual e o real tem se aproximado, e cria opiniões divergentes. Breno Vasconcelos é graduado em Sistemas de Informação, e se considera um jogador com frequência mediana. Ele enfatiza que “separa a realidade do [mundo] virtual. Os jogos funcionam como um entretenimento, e ajudam a anular os problemas reais por apenas alguns instantes”.

Seleção de jogos

A versatilidade dos jogos é um ponto fundamental. A gama de opções e formatos possibilita que, independente do perfil, os gostos particulares sejam contemplados.  O jogo compartilhado com os amigos é o primeiro critério utilizado por Endew Ribeiro. Estudante de Engenharia Química, ele afirma que “prefere games online. Além disso, […]  a comunidade importa no momento de escolher o que jogar, pois, se há grupos em redes sociais que interagem e discutem os jogos, torna-se mais interessante”. Finalmente, ele destaca que é importante manter qualidade e diversidade de modos e formatos para atrativo do público.

Resultados

O mercado dos games apresenta números surpreendentes. Vasconcelos considera que essa indústria “é maior que a do cinema, já que a movimentação financeira é absurda e há um aumento de empregabilidade inacreditável”. Ele exemplifica que jogadores profissionais de games como Control Strike ganham quantias similares a jogadores de futebol. Isso é resultado de gráficos e enredos bem elaborados, que envolvem milhares de participantes.

Por fim, Caique retoma que as projeções para o futuro dos jogos têm muita relação com a democratização da internet, melhoria e barateamento dos dispositivos. Por conta disso, o futuro se mostra promissor para essa indústria.

You may also read!

Desnutrição infantil atinge população.

Fome no Brasil promove alerta sobre as consequências da desnutrição infantil

Diante do cenário de fome crescente no Brasil, pesquisas revelam como a desnutrição infantil afeta as demais etapas da

Read More...
Sessões terão apoio da ANS

ANS retira limite de sessões com fisioterapeutas, psicólogos e outros

A decisão sobre as sessões impacta a usuários de planos de saúde. Lucas Pazzaglini A Agência Nacional de Saúde

Read More...
Plástico é produto de difícil reciclagem

No more plastic! Canadá proíbe a produção e importação de plásticos de uso único

A nova regulamentação entrará em vigor a partir de dezembro de 2022. Cristina Levano O governo canadense apresentou as

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu