Brilho com Consciência

In Entrevista, Geral

Biólogo expõe como a utilização de glitter e purpurina pode representar uma ameaça ao meio ambiente

Kelyse Rodrigues

O gliter e a purpurina estiveram em pauta principalmente na época das festas carnavalescas. Dessa vez, o que esteve em alta não foram as roupas e maquiagem.  O debate começou após as pessoas saberem que esses “inofensivos adereços” podem afetar de maneira negativa o meio ambiente. A quantidade de plástico jogada nos oceanos todos os anos soma 8 milhões de toneladas todos os anos. Apesar de os micros plásticos parecem pequenos demais para representar uma ameaça, basta juntar tudo o que é utilizado em um só lugar para o problema se tornar visível. Como o tema da sustentabilidade é sempre relevante, a repórter Kelyse Rodrigues conversou com o biólogo Matheus Felício. Ele esclarece alguns pontos sobre o tema e fala das alternativas para quem não abre mão de um brilho.

Agência Brasileira de Jornalismo (ABJ): O que são os microplásticos?

Matheus Felício: O plástico é um dos maiores poluidores dos oceanos, perdendo somente para os dejetos da indústria animal. Porém, somente nos preocupamos quando conseguimos ver a olho nu a quantidade massiva de lixos (em sua maioria, plástico) nas praias, mas e partículas que não somos capazes de enxergar? Estas são chamadas de “microplásticos” e  ingeridas pela fauna marinha perturbando a cadeia alimentar aquática como os plânctons, por exemplo, que são a base importante para a manutenção saudável deste bioma.

ABJ: Quais são os efeitos negativos da ingestão dos microplásticos?

MF: Estudos mostram que quando ingeridos, os microplásticos podem afetar o crescimento destes seres colocando em risco seu número populacional, resultando  em uma catástrofe marinha sem precedentes. Lógico que uma soma de fatores fazem com que os mares estejam ameaçados. A grande utilização deste material principalmente nos carnavais é uma potente soma nesta equação desastrosa.

ABJ: Por que os animais marinhos ingerem esses microplásticos?

MF: Há espécies marinhas como as ostras, por exemplo, que os ingerem ao se alimentarem por filtração da água, mas existem aquelas que assimilam o microplástico por meio da ingestão de presas contaminadas, ou até mesmo confundindo-os com alimento. Já os caranguejos, por exemplo, os inspiram por meio das brânquias e os ingerem pela boca, como os peixes. Então devemos repensar para ontem a utilização deste produto, uma vez que por serem pequenos demais para enxergarmos a olho nu, só vamos nos dar conta do real problema dos microplásticos nos oceanos quando for tarde demais.

ABJ: Existe uma estimativa da quantidade nos oceanos desses microplásticos?

MF: Pesquisadores estimaram que em 2014 cerca de  5,25 trilhões de peças de plástico, pesando quase 270 mil toneladas, estavam à deriva em mares em todo o mundo e os microplásticos, em particular, representavam 92,4% desses resíduos flutuantes, ou seja, precisamos rever nossos hábitos antes que o brilho dos oceanos se torne um puro glitter sem vida.

Há uma opção biodegradável à utilização do Glitter e purpurina? Como funciona?

Hoje já tem a opção biodegradável, mas raramente é encontrada com facilidade e a grande maioria ainda são produtos derivados de placas de PET ou PVC que são metalizadas com alumínio,  e por serem extremamente pequenas, estas partículas de glitter não são filtradas pelo sistema de tratamento de esgoto, indo diretamente para os rios e mares.

Créditos das imagens:

Matheus Felício

https://goo.gl/hvzQWq

 

You may also read!

Dia dos Pais é comemorado neste fim de semana

Dia dos Pais: 8 ideias para você comemorar com o seu paizão

Saiba como celebrar com seu pai nesse dia especial Lucas Pazzaglini O Dia dos Pais está chegando e talvez

Read More...
Dependentes de Nicotina recebem ajuda do SUS

SUS proporciona campanha de tratamento para dependentes de nicotina

Promovido pelo Ministério da Saúde e Instituto Nacional do Câncer, o projeto visa auxiliar a comunidade dependente por meio

Read More...
Rodada do paulista de Flag Football foi no UNASP

UNASP recebe rodada do Campeonato Paulista de Flag

As partidas de Flag contaram com 16 times no total, nas categorias  masculinas e femininas, movimentando torcedores das equipes

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu