Celular: vilão ou aliado?

In Saúde

Em média, a maioria das pessoas checam o celular 150 vezes por dia

Gabriel Buss e Sabryna Ferreira

Do despertar à hora de dormir, o celular é o aparelho eletrônico que mais tem recebido a atenção das pessoas. Já teve vários tamanhos, a cada dia surpreende como novas funções e é produzido por um número expressivo de marcas. Ele é companhia em todos os lugares, tomou o lugar da agenda e assumiu, quase por completo, o posto dos computadores.

Pesquisas mostram que a maioria das pessoas olha o celular, em média, 150 vezes por dia. Esse número retrata a grande dependência do aparelho eletrônico. Porém, muitas não sabem ou nem imaginam os prejuízos que podem ter com o excesso de contato digital em todos os momentos. Um estudo realizado Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) e divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revela que o aparelho celular é o principal meio de acesso à internet no Brasil. Uma contagem feita pela empresa de telecomunicações, Teleco, constata que até março de 2017, o Brasil possuía 242,8 milhões de aparelhos.

A estudante Rafaela Barcarol relata que não consegue ficar longe do celular por muito tempo. Sempre que pode, nos intervalos, ela olha o celular. “Sempre que posso estou conectada. Às vezes, entre um intervalo e outro, consigo assistir até um seriado”, conta. A estudante afirma ainda que algumas vezes faz uma pesquisa, mas quando alguma notificação aparece não tem como não dar uma olhada. “Quando chega uma mensagem ou algo do tipo, é impossível não abrir, quando percebo já passou muito tempo”, lamenta. Rafaela diz que o que mais tira sua atenção são os vídeos, séries e as redes sociais. “Quando eu paro para ver essas coisas, acabo me prendendo nisso um bom tempo”, assume.

O universitário Matheus Werneck conta que passa mais de seis horas de seu dia usando o celular. Ele admite que tanto tempo de uso atrapalha seu estudo e trabalho. “Passo horas olhando canais de notícias, e acabo, às vezes, me distraindo no Facebook, Twitter ou outras redes sociais”, aponta. Mas, apesar disto, o aparelho é uma ferramenta importante em sua rotina. “Tudo o que eu faço é pelo celular, notícias, trabalhos, informações, meu trabalho… Então, é impossível eu ficar sem celular”, argumenta.

O psicólogo Augusto Jimenez concorda que o celular não é um “vilão” e pode ser sim um aliado na execução de tarefas e até no aprendizado. Entretanto, excessos sempre são prejudiciais. “A falta de atenção ou uma atenção dividida entre duas coisas, professor e celular, por exemplo, interfere não só no processo de captação do conteúdo, mas também no sistema nervoso do indivíduo”, esclarece Jimenez.

A saúde mental e física pode ser prejudicada com o excesso do uso do aparelho. Jimenez explica que, quando a atenção é atenção é dividida, profissionais e estudantes sofrem uma tensão. “Estudantes, principalmente, pode ter dores musculares pela cobrança que faz em si mesmo. O jovem sabe que precisar dar atenção ao professor/docente e ao não fazer se tenciona. Isso é refletido no seu corpo, há uma reiteração de culpa”, salienta o psicólogo.

Faltando cinco meses para o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), todos os esforços se voltam para a preparação para a prova. Contudo, celular não deve ser evitado, mas usado como um aliado dos estudos. Jimenez aconselha a estabelecer pequenas metas, como, por exemplo, não mexer no aparelho por uma hora. “Quando atingir o objetivo, vá postergando. Não mexa na aula inteira. Isso fará você viver o presente e se concentrar no conteúdo passado”, propõe.

Crédito da foto: https://goo.gl/lfWvF7

You may also read!

buraco atacama

Buraco de 200 metros de profundidade surge no deserto do Atacama

Autoridades começaram as investigações de um buraco gigante que surgiu em uma região de mineração no norte do Chile.

Read More...
Jô Soares morre

Jô Soares morre aos 84 anos

O apresentador Jô Soares foi internado para tratar uma pneumonia e faleceu na madrugada desta sexta-feira Paula Orling O

Read More...
Censo atingirá milhões de brasileiros

Censo 2022 tem início e atingirá mais de 70 milhões de domicílios

Recenseadores começaram o trabalho no dia 1º de agosto e o serviço tem previsão de término até o início

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu