Greve geral mobiliza o país

In Política

Gabriel Buss

Escolas da rede privada também participam das paralisações

A greve geral marcada para a próxima sexta, 28, pretende causar grande impacto em várias cidades do país. Isso porque muitas entidades já anunciaram adesão à paralisação. A Prefeitura de São Paulo anunciou nesta quinta que não haverá rodizio de placas no dia 28, por conta da paralisação dos transportes públicos. O motivo da paralisação é por serem contrários às reformas trabalhistas e da previdência.    Sindicatos e os principais aeroportos do país já anunciaram a paralisação. Professores de redes particulares de ensino também se posicionaram a favor da greve.

Além destes, companhias de ônibus na região metropolitana de Campinas também vão parar suas atividades, segundo o Sindicato dos Rodoviários de Campinas. “Nos terminais estão sendo feitos anúncios de que não haverá ônibus amanhã”, afirma.

A Universidade São Francisco (USF), em Bragança Paulista, São Paulo, em nota oficial por meio de assessoria se posicionou a favor da greve geral e confirmou a suspensão das atividades no dia 28. Abaixo, segue a nota da USF:

Fiel a sua identidade franciscana e mobilizada pelo posicionamento da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), da Conferência dos Frades Menores do Brasil (CFMB) e da Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil, manifesta sua preocupação com as propostas da Reforma Trabalhista e da Reforma da Previdência. Deste modo, declaramos nossa adesão à paralisação e manifestações convocadas para o dia 28 de abril, próxima sexta. Neste dia estão suspensas todas as atividades da Universidade São Francisco – USF e da Unidade de Pesquisa (UNIFAG). Atravessados pela prática fundante da Educação, o diálogo, almejamos o aprofundamento das questões pautadas por tais reformas, principalmente, no tocante aos direitos dos trabalhadores e na preservação de condições de vida digna para os mais empobrecidos. Nos comprometemos a envidar esforços na promoção de eventos que contribuam para a reflexão crítica da conjuntura atual da nossa sociedade brasileira”.

Cibely Caria, aluna de Psicologia da instituição diz que os alunos não foram informados quanto a uma possível reposição das aulas, mas ainda assim, concorda com a atitude do campus. “O ato de protestar sobre nossos direitos é legítimo e deveria ser aderido por todos”, defende.

Quanto à reposição das aulas, a USF informou que não haverá prejuízo acadêmico, pois as atividades serão compensadas ao longo do semestre.

Link da Imagem: https://goo.gl/XLXZU8

You may also read!

Atenção vestibulando MEC anuncia novas mudanças no Enem 2018

Candidatos terão 30 minutos a mais para fazer a prova do segundo dia entre outras mudanças Kawanna Cordeiro Em

Read More...

Conheça os seis melhores museus do Brasil

Para quem acha que no Brasil não tem cultura, conheça os melhores museus para  visitar no dia Internacional dos

Read More...

Cinco cuidados especiais que devemos ter com os olhos

Os olhos são conhecidos como janelas da alma e são responsáveis por boa parte daquilo que percebemos como mundo.

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu