Isolamento social e lockdown prejudicam economia brasileira

In Economia, Geral

Como forma de controlar a pandemia de Covid-19, a quantidade de eventos culturais é reduzida e economia brasileira enfraquece

Helena Cardoso

Isolamento social e lockdown foram medidas tomadas a fim de diminuir a propagação do vírus Covid-19 que chegou ao Brasil em 2020. O produtor técnico Vagner Leal contou que mais de 30 shows foram cancelados só em março e abril do ano passado, e que isso afetou a economia brasileira. Segundo dados do IBGE de 2018, o meio artístico conta com 5,2 milhões de trabalhadores. Já em 2015, a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (FIRJAN) indicou que o setor foi responsável por 2,64% do PIB nacional.

Como forma de driblar a queda da economia causada pela diminuição de eventos artísticos e culturais, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sancionou a lei Aldir Blanc em junho de 2020. Por meio dessa lei, artistas receberam dos governos estaduais três parcelas de R$600,00. Através das redes sociais, Bolsonaro ainda afirmou que cerca de 700 mil trabalhadores foram beneficiados. O secretário da Cultura, Mário Frias, informou no site do Governo que foram implementadas medidas que auxiliariam os trabalhadores: “O Governo Federal implementou  uma medida para ajudar o setor, repassando R$ 3 bilhões aos estados e municípios para que esses socorressem os trabalhadores da cultura”, declara. 

Sobre a lei Aldir Blanc, Vagner Leal afirma que o Governo não coube atender todos os profissionais da área cultural. “O setor de eventos e o setor do entretenimento está sendo colocado de lado do início até hoje”, relata. Já Gabi Shima, cantora e compositora rondoniense, contou que no início da pandemia ficou quatro meses sem trabalhar nessa área. Ela explica que para ajudar os músicos da cidade, a prefeitura organizou lives culturais, nas quais os ouvintes depositavam dinheiro pelo QR Code.  Quando questionada sobre a maior diferença entre as apresentações online e presenciais, a cantora esclarece: “não é a mesma coisa que ter o calor das pessoas ali e ver alguém cantando junto com você.”

Segundo a diretora de arte Poliana Feulo, após quatro meses em que nada acontecia, as coisas voltaram a funcionar gradualmente. Ela explicou como os clipes e comerciais estão sendo produzidos ainda em momento de pandemia: “voltamos aos poucos, seguindo os protocolos que foram criados e estudados pelo sindicato do audiovisual aqui em São Paulo.” Os protocolos a que ela se refere são testes de Covid frequentes, redução do número de dias trabalhados e menos pessoas trabalhando na produção. “A gente se viu em uma situação de adaptar várias coisas, mas também estamos revendo coisas que não eram importantes e que está tudo bem viver sem.”

You may also read!

Estrangeiros vieram mais ao Brasil

Entrada de estrangeiros no Brasil é 60% maior que em 2021

Embratur indica que as viagens de estrangeiros no Brasil e na América Latina devem voltar aos níveis pré-pandemia até

Read More...
buraco atacama

Buraco de 200 metros de profundidade surge no deserto do Atacama

Autoridades começaram as investigações de um buraco gigante que surgiu em uma região de mineração no norte do Chile.

Read More...
Jô Soares morre

Jô Soares morre aos 84 anos

O apresentador Jô Soares foi internado para tratar uma pneumonia e faleceu na madrugada desta sexta-feira Paula Orling O

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu