Luta e resistência dos povos indígenas marcam o dia 19 de Abril

In Cultura, Geral

Abril é mês da luta pelos direitos dos povos originários.

Natália Goes

Conhecido como Dia do Índio, o dia 19 de abril é marcado pela luta e resistência dos povos indígenas do Brasil em busca dos seus direitos. A data para a comemoração da cultura indígena, entretanto, não é unanimidade entre a população indígena.

Mesmo buscando, lutando e zelando ainda existe conflito, discriminação e oposição. Jõprykatyre Sales Jõkantytyre do povo Gavião Parkatêjê em Marabá no Pará expõe que “a data para nós, indígenas, é uma forma de desrespeito. Sofremos preconceitos das pessoas dizendo que não iremos conseguir, falam que só conseguimos entrar em uma faculdade por conta das cotas.”

Origem da data

A origem da data remete a um protesto dos povos indígenas do continente americano na década de 1940. Nesta data, foi organizado um congresso no México propondo o debate de medidas para proteger os povos indígenas no território e sua qualidade de vida.

O Congresso Indigenista Interamericano, realizado em Patzcuaro, aconteceu entre os dias 14 e 24 de abril de 1940. Os representantes indígenas foram convidados a participarem do congresso, mas eles haviam negado a participação no evento por medo de não terem voz ou vez nas reuniões que seriam comandadas por líderes políticos dos países participantes.

Nos primeiros dias os indígenas fizeram um boicote e passados alguns dias eles entraram em acordo e decidiram participar do congresso, já que seriam discutidos problemas que dizem respeito a eles. A data da importante decisão foi 19 de abril, por isso foi escolhida para celebração do Dia do Índio.

Do continente americano somente Paraguai, Haiti e Canadá ficaram de fora, ao todo foram 55 delegações. Entre os indígenas, eram 47 representantes dos povos de todo o continente. No caso do Brasil, o delegado enviado foi Edgar Roquette-Pinto, que não era índio, mas foi antropólogo, etnólogo e estudioso de povos indígenas da Serra do Norte, na Amazônia.

Algumas medidas genéricas foram definidas no congresso em favor da defesa dos povos indígenas. Entre elas, estavam o respeito à igualdade de direitos e oportunidades para todos os grupos da população da América, respeito por valores positivos de sua identidade histórica e cultural a fim de melhorar situação econômica, adoção do indigenismo como política de Estado, e estabelecer o Dia do Aborígene Americano em 19 de abril.

Nem todos os países adotaram a data como dia de celebração da cultura indígena, e no Brasil levou tempo até ser oficializada, pois o país não aderiu às deliberações do congresso. Apenas em 1943, o Dia do Índio foi instituído via decreto-lei, pelo então presidente Getúlio Vargas, que foi convencido pelo general Marechal Rondon, que tinha origem indígena por seus bisavós. Em 1910, Marechal Rondon chegou a criar o Serviço de Proteção ao Índio, que depois viria a se tornar a atual Funai (Fundação Nacional do Índio).

Luta e resistência

Os povos indígenas têm lutado contra o retrocesso na demarcação de terras, o desmonte de políticas públicas na área da saúde e educação e têm lutado por uma  bancada forte no Congresso Nacional. Além disso, batalham contra o estímulo do governo Bolsonaro para que garimpeiros, madeireiras e o agronegócio invadam territórios indígenas sem qualquer preocupação ambiental.

Uma das principais lutas dos povos originários é pela continuação da existência, dos costumes e da língua. “Falar sobre a questão indígena é falar de resistência, muitas comunidades já perderam sua língua. Na minha comunidade lutamos para a continuação da língua para que as crianças possam aprender, pois não existe mais anciões para ensinar”, afirma Jõprykatyre. Segundo o censo do IBGE de 2010, a população indígena residente no Brasil contabilizada pelo quesito cor ou raça foi de 896,9 mil pessoas, com 305 etnias e  274 idiomas, apenas 10% da população indígena de 1500.

Durante o mês de abril, dos dias 4 ao dia 14 aconteceu o Acampamento Terra Livre(ATL), em Brasília, com o tema: “Retomando o Brasil: Demarcar Territórios e Aldear a Política”. O evento, que ocorre há 17 anos, reúne debates sobre a política indigenista, exposições e manifestações culturais, além de socializar o resultado de pesquisas relacionadas à preservação das culturas originárias.

Jõkantytyre destaca que as lideranças indígenas estão crescendo, as pessoas estão aprendendo que o índio não é o ser que não tem acesso a internet, que não pode ter carro, que não pode se vestir bem. O movimento indígena também se fortalece nas frentes femininas. “A data serve para nossa reflexão. Não tem como falarmos de indígenas e não falar de política, o dia é para facilitar e ajudar. Queremos respeito e atenção para nossa cultura, por aquilo que zelamos e amamos fazer – amor pela natureza, amor pelas pessoas”, explica Jõprykatyre.

You may also read!

Dia dos Pais é comemorado neste fim de semana

Dia dos Pais: 8 ideias para você comemorar com o seu paizão

Saiba como celebrar com seu pai nesse dia especial Lucas Pazzaglini O Dia dos Pais está chegando e talvez

Read More...
Dependentes de Nicotina recebem ajuda do SUS

SUS proporciona campanha de tratamento para dependentes de nicotina

Promovido pelo Ministério da Saúde e Instituto Nacional do Câncer, o projeto visa auxiliar a comunidade dependente por meio

Read More...
Rodada do paulista de Flag Football foi no UNASP

UNASP recebe rodada do Campeonato Paulista de Flag

As partidas de Flag contaram com 16 times no total, nas categorias  masculinas e femininas, movimentando torcedores das equipes

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu