Março amarelo: entenda como identificar a doença endometriose

In Geral, Saúde

Doença que afeta mulheres e muitas vezes não sabem como identificá-la.

Nycole de Souza 

Março é o mês de conscientização da endometriose, doença que afeta 10% das mulheres.  Essa enfermidade está conectada com parte do endométrio, um tecido que reveste o útero e causa uma reação inflamatória no órgão.

A endometriose é multifatorial e pode ser causada de várias formas. Segundo o coordenador de ginecologia do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, Mauricio Abrão, em entrevista para a CNN, há seis formas para identificar os principais sintomas da endometriose. “Dor da menstruação, dor na relação sexual, dor entre as menstruações, dor para evacuar e para urinar na menstruação e dificuldade para engravidar”, afirma. 

Os métodos de tratamento mais utilizados para a endometriose são medicamentos ou em casos mais graves uma cirurgia para a retirada dos óvulos. A decisão de qual caminho seguir deve vir após a opinião de um médico especialista na área, que recomendará a melhor forma de tratamento para cada mulher. 

O processo de diagnóstico

Idália Alves tem endometriose e falou como foi sua reação ao descobrir que possuía essa doença. “A endometriose não tem cura, mas os médicos passaram anticoncepcional para suspender a menstruação e assim a doença não aumentar”, afirma. Ela ainda ressalta que quando os ciclos menstruais são constantes pode haver o aumento da doença na mulher.

Ela descobriu aos 21 anos quando estava tentando engravidar, porém, o médico que a examinou disse que provavelmente ela teria desde os 15 anos que foi quando ela começou a sentir cólicas e dores muito fortes. A paciente conta que foi primeiro em um ginecologista, depois foi encaminhada para um médico especialista em reprodução humana e apenas lá que descobriu sobre a doença. Quando precisou fazer uma cirurgia para a retirada de um cisto e fazer uma biópsia foi constatado realmente a doença.

O sonho de muitas mulheres é poder ter filhos e não era diferente com ela. Ao descobrir que a probabilidade de ter filhos era pequena, teria que fazer uma videolaparoscopia para a retirada das aderências da endometriose dos ovários e as chances de ter um filho era de até 20% de chance. Depois de alguns anos com mudanças de hábitos como alimentação para não retroceder a doença, conseguiu engravidar e hoje tem dois filhos, um menino com 8 e uma menina com 3 anos.

Rose Orling descobriu a doença já na gestação. A hipótese foi levantada pelo ginecologista, e foi confirmada ao fazer a cesárea. “Foi uma gestação difícil, com muitas dores abdominais, deslocamento de placenta até o 4º e contrações a partir do 5º mês e após a cesárea foi recomendado o uso contínuo de anticoncepcional, o que me deu uma melhora de vida incrível, sem menstruação, sem cólicas e praticamente sem TPM”, disse.

Segundo a médica que a examinou, em casos como o dela o ideal seria deixar de menstruar e depois continuar com o uso do anticoncepcional. Isso ocorreria de 1 a 3 vezes por ano no máximo. O único desconforto que Rose sentiu desde então foi uma sensação de queimação na região abdominal, onde se encontram os órgãos envolvidos com a endometriose.

You may also read!

Dia dos Pais é comemorado neste fim de semana

8 ideias para você comemorar o Dia dos Pais com o seu paizão

Saiba como celebrar com seu pai nesse dia especial Lucas Pazzaglini O Dia dos Pais está chegando e talvez

Read More...
Dependentes de Nicotina recebem ajuda do SUS

SUS proporciona campanha de tratamento para dependentes de nicotina

Promovido pelo Ministério da Saúde e Instituto Nacional do Câncer, o projeto visa auxiliar a comunidade dependente por meio

Read More...
Rodada do paulista de Flag Football foi no UNASP

UNASP recebe rodada do Campeonato Paulista de Flag

As partidas de Flag contaram com 16 times no total, nas categorias  masculinas e femininas, movimentando torcedores das equipes

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu