Metade dos brasileiros passou a realizar consultas médicas pela internet

In Geral, Saúde
Consulta médica na internet

Procura se intensificou durante a pandemia da covid-19, como parte de medidas restritivas para evitar aglomerações.

Alejandro Silva

A telemedicina, modo pelo qual as pessoas realizam consultas on-line, obteve um aumento de mais de 50% no número de usuários em 2021. Esses dados são comprovados pela pesquisa divulgada no dia 5 de abril pelo Centro Regional de Estudos para Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic).

O levantamento foi dividido em cinco classes. A classe A e B, identificada como as pessoas que apresentam maior renda, representou 42% de todas as pessoas que realizaram consultas on-line. A classe C registrou 22%, enquanto a classe D atingiu 20%.

Consulta on-line? 

Com o advento da internet e os meios de comunicação, surgiu a telemedicina, para mostrar que nem todo exame precisa ser realizado na sala do médico, ou seja, presencialmente. 

Contudo, o paciente precisa saber em que se enquadra a consulta on-line. “Vão desde uma orientação sobre o que fazer em qualquer caso de queixa ou sintoma, até o acompanhamento de algum caso ou doença de qualquer pessoa. Existem regras éticas e legais para o atendimento médico à distância em todos os casos”, informa a Associação Brasileira de Telemedicina e Telessaúde (ABTms)

Readaptação

Ao chegar à Pandemia da Covid-19, muitos profissionais da saúde tiveram que adaptar o modo de atendimento, passando do presencial para o remoto. Esse foi o caso da Psicóloga Tais Lopes, que em entrevista contou um pouco da sua experiência. “Quando a pandemia estourou, tinham pacientes que estavam no tratamento terapêutico, e a gente não podia se encontrar mais. Naquele momento não tinha como realizar consultas on-line. Então tive que me estruturar e buscar recursos para manter os processos”, disse a psicóloga. 

Lockdown e a necessidade em ser atendido

O lockdown, que consiste em restringir o circulamento de pessoas em lugares públicos, foi o principal fator que favoreceu o crescimento da telemedicina. A biomédica e corretora de imóveis Tifanny Aquino, relata que na época do lockdown não tinha opção para realizar as consultas, e por isso optou pelo atendimento on-line. No entanto, ela faz uma avaliação da experiência. “Achei difícil, pois a distância tive a impressão que o médico não conseguia entender. Parece que pessoalmente a comunicação fica melhor”, declara a empresária.

Regulamentação da telemedicina   

A Câmara dos Deputados aprovou na última quarta (27) a (PL 1998/20), que autoriza a regulamentação da telemedicina em todo território nacional. O projeto é de autoria da deputada Adriana Ventura (Novo-SP) e outros 14 deputados. O texto revoga a Lei 13989/20, que permitiu a prática da telessaúde durante a pandemia. 

Com base em uma pesquisa realizada pelo Capterra em 2021, 54% das pessoas entrevistadas, preferem o atendimento usando telemedicina. O levantamento ainda revela que, dessas pessoas entrevistadas, 72% preferem o atendimento por ter a facilidade de ser realizado em qualquer lugar, 71% por menor risco de contaminação em hospitais ou consultórios, 64% menor tempo de espera, 63% por possibilidade de acesso rápido ao tratamento e, 24% melhor qualidade do tratamento.

You may also read!

Estrangeiros vieram mais ao Brasil

Entrada de estrangeiros no Brasil é 60% maior que em 2021

Embratur indica que as viagens de estrangeiros no Brasil e na América Latina devem voltar aos níveis pré-pandemia até

Read More...
buraco atacama

Buraco de 200 metros de profundidade surge no deserto do Atacama

Autoridades começaram as investigações de um buraco gigante que surgiu em uma região de mineração no norte do Chile.

Read More...
Jô Soares morre

Jô Soares morre aos 84 anos

O apresentador Jô Soares foi internado para tratar uma pneumonia e faleceu na madrugada desta sexta-feira Paula Orling O

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu