O que as artes marciais podem fazer por suas crianças

In Esportes, Geral
Academia de artes marciais desenvolve alunos

Adalie Pritchard e Hellen Piris

“Honra, respeito, disciplina e lealdade!”, gritam as crianças juntas. Esse é o lema da academia de jiu-jitsu “Leão” do Bugaba, no interior do Panamá. Desde sua fundação em 2011, o Leão vem ensinando aos seus alunos a desenvolver a prática do jiu-jitsu, e fomentar valores. Se você algum dia assistir o treino da academia, encontrará muitas crianças focadas no que fazem.  

O instrutor Van Stuard Hernandez, explica que a formação de crianças exige paciência, atenção, dedicação e sabedoria, já que você está lidando com seres que estão apenas começando a vida e ainda não têm uma personalidade sólida. Ele sustenta que: “tudo o que for projetado para essas crianças vai marcá-las e direcioná-las a esse ensino”, e por esse motivo, “é preciso ter muito cuidado com as doutrinas que ensinamos”. É importante não ser muito flexível, nem muito duro com eles. O instrutor acredita que quando a criança for corrigida por alguma coisa que fez errada, deve ser informada do motivo para entender o porquê. 

Com o objetivo de colocar essas convicções em prática, as artes marciais cultivam os valores por meio de ações e não apenas reforço verbal. O instrutor Van cita alguns exemplos que são colocados em prática na academia:

  • Integridade: Mesmo durante o treino, você será ensinado a ser gentis. Nunca procuramos machucar nosso parceiro. O jiu-jitsu se diferencia de outras artes marciais por ser um esporte gentil;
  • Honra: A vitória do colega que venceu deve ser reconhecida com honra. A derrota não deve fazer você baixar a cabeça ou se sentir um perdedor. Você sempre deve manter os olhos para cima, com orgulho de ter dado o melhor de si e sem sentir qualquer tipo de vergonha;
  • Respeito: Você deve ser humilde na vitória e deixar seu parceiro de treino saber que os resultados não importam. Ele respeita e admira seu esforço, então você deve fazer o seu oponente se sentir um campeão. Nunca deve humilhá-lo ou fazê-lo se sentir mal;
  • Disciplina: Você deve pedir ao professor permissão para entrar ou sair da aula, ir ao banheiro, beber água, ou até para falar. Deve cumprir integralmente as ordens do instrutor e não fazer algo que não seja indicado. Se o instrutor interrompe a luta, você deve aceitar;
  • Harmonia: Você e seu colega devem se cumprimentar antes do início da aula e se despedir no final. Em cada luta acontece igual, independente do resultado. Também devem se abraçar. (Atualmente, omitimos o contato físico, mas ambos se cumprimentam com um gesto de reverência com os braços em forma de abraço).

Filho de karateca, karatekinha é 

Seja no interior do Panamá, ou no nordeste do Brasil, a prática das artes marciais tem sido adotada e é profundamente respeitada por aqueles que a desenvolvem. Este é o caso de Dalisson, um baiano de 27 anos apaixonado pelo karatê. Dalisson Santos é pai de Natan, trabalha como técnico em logística de transporte e pratica o esporte desde os sete anos. Ele foi influenciado pelo seu pai que também praticava karatê, e desde então, não desapegou do Kimono.        

Ele conta que desfruta muito praticar o esporte, e o que mais gosta do karatê é o respeito mútuo que há dentro do grupo. “Nós conseguimos enxergar a hierarquia que existe, mas os de cima nunca menosprezam os que estão iniciando, ao contrário, temos uma cultura de apoio e suporte coletivo”. Além do respeito, ele destaca a disciplina e perseverança, e assegura que os valores e experiências adquiridas no karatê vão muito além do momento de praticar o esporte. 

Hoje em dia, essa experiência é uma inspiração para o Natan de sete anos. Ele enxerga em seu pai uma referência de cidadão e profissionalismo no esporte. Dalisson esclarece que não obrigou o Natan a praticar karatê, de fato, foi o menino quem demonstrou interesse e teve a iniciativa de aprender. Para ele, o fato de inculcar valores nas crianças é muito importante para o seu desenvolvimento pessoal. “Através do karatê desenvolvemos valores que serão utilizados pelo resto da vida, então que a criança possa ter essa oportunidade desde pequena, facilita muito mais o processo de educação”. Natan segue os mesmos passos do avô e do pai, e já se destaca em competições na sua cidade. 

A visão da psicologia

Valores são sumamente importantes e já foram destacados tanto pelo treinador Van como por Dalisson. Porém, a psicologia vai além, e dialoga sobre os benefícios sociais que a prática das artes marciais pode oferecer às crianças. A psicóloga e pós graduada em saúde coletiva Ester dos Santos, aponta que além da liberação de endorfinas que já é de conhecimento geral há anos, as atividades físicas – e especificamente as artes marciais –  melhoram a interação social dos pequenos. Ela confirma que “os esportes praticados em grupos melhoram a resistência à frustração”. Outro ponto que Ester enfatiza é o desenvolvimento de resiliência, que é a capacidade de se adaptar a situações negativas ou diferentes. “Nem sempre é possível ganhar todas as vezes”, afirma a profissional. 

As artes marciais tem relação também com o estilo de vida. Ester defende este argumento, e garante: “quem faz a prática ainda de criança, consegue internalizar os princípios dessa prática que são; autocontrole, senso de colaboração, respeito ao próximo, e também conseguir perceber o seu limite”. 

Treinar crianças não é fácil, mas é satisfatório”

As crianças precisam ser respeitadas para saber respeitar. O instrutor Van de jiu-jitsu, recebe eles para treinar com muito ânimo antes de fazer uma oração para começar. Após passar uma lista de assistência e antes de começar o treino, ele pergunta se alguém se machucou ou não se sente bem. “Devo saber como estão fisicamente e como se sentem de ânimos”, acrescenta Van,  “treinar crianças não é fácil, mas é satisfatório”.

 O instrutor se coloca como exemplo de que as artes marciais podem melhorar uma pessoa. Portanto, são uma excelente ferramenta de ensino.  Ele conclui: “O jiu-jitsu brasileiro mudou minha vida. Desde que descobri essa arte sou um homem feliz, seguro de mim, motivado e desfruto de boa saúde física e mental”. 

You may also read!

Ponte Estaiada ganha iluminação para campanha contra fibrose cística

Monumento em São Paulo ganha uma iluminação nova para campanha contra a doença.  Bruno Sousa Na zona sul do estado

Read More...

CPI da Covid chega aos últimos depoimentos e continua assistindo polêmicas

Na semana do dia 4 de outubro, a CPI assiste aos últimos depoimentos e o presidente da Comissão prevê

Read More...

Tempestade de areia atinge cidades do interior de São Paulo e causa medo

Seca e queimadas são os principais fatores que  favorecem a ocorrência do fenômeno. Rachide Incote Uma enorme nuvem de

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu