Precisamos falar sobre suicídio

In Geral, Saúde

Segundo dados do Centro de Valorização da Vida, 90% dos casos podem ser evitados se a vítima tiver oportunidade de conversar com alguém

Kawanna Cordeiro

Assunto cercado de tabus, o suicídio ganha espaço no mês de setembro devido à campanha denominada Setembro Amarelo. A ação tem o objetivo de conscientização sobre a prevenção do suicídio, com o objetivo direto de alertar a população a respeito da realidade do suicídio no Brasil e no mundo.

O Setembro Amarelo ocorre durante todo o mês de setembro desde 2015 por meio de identificação de locais públicos e particulares com a cor amarela e ampla divulgação de informações. O Centro de Valorização da Vida (CVV), entidade sem fins lucrativos que atua gratuitamente na prevenção do suicídio desde 1962, é uma das principais mobilizadoras da campanha.

Segundo dados do próprio CVV, 90% dos casos de suicídio podem ser evitados se o assunto for falado. “Morrem mais brasileiros vítimas de suicídio do que de AIDS, porém, é muito mais fácil se conversar abertamente sobre uso de preservativos para prevenção de DST’s do que o que pode levar uma pessoa a pensar em tirar a própria vida”, assegura o voluntário do CVV Carlos Correia. Ainda segundo o CVV, são registrados, pelo menos, 32 suicídios por dia no Brasil. “O foco preventivo estrutura uma rede social de apoio para que as pessoas em crise possam identificar precocemente a necessidade de apoio especializado em saúde mental e desta forma receber o atendimento adequadamente e com agilidade”, explica a psicóloga e terapeuta Fabíola Brandão.

Ainda existem muitos receios em se falar abertamente sobre o tema. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), é necessário ter sim um cuidado ao se tocar nesse assunto. Deve-se falar sobre o assunto, porém, sem romantizar, dar detalhes ou fotos de um suicídio.

Recentemente, a plataforma Netflix produziu o seriado 13 Reasons Why, que conta a história da adolescente Hannah Baker e os motivos que a levaram a tirar a própria vida. A estreia da série, no final de março, representou de certa forma uma tentativa de quebrar esse tabu e trazer visibilidade, algo que faltava ao tema. A abordagem da série já mostra resultados: desde a estreia, o CVV registrou um aumento de 445% nas buscas de ajuda por e-mail e 170% mais acessos ao site. Atualmente, o CVV oferece apoio emocional gratuito por telefone, pelo número 188, e-mail, chat e voip 24 horas todos os dias.

A psicóloga Fabíola lembra que a pessoa que está em crise dá sinais e muitas vezes solicita apoio, e é responsabilidade das pessoas próximas saber interpretar. O simples ato de “ser ouvida e compreendida minimiza a intenção do suicídio”, afirma. Qualquer pessoa pode ajudar um amigo ou conhecido. “Se colocar à disposição para conversar sem criticar, minimizar as dores ou problemas dessa pessoa e deixá-la desabafar à vontade é uma excelente forma de prevenção do suicídio, pois, naquele momento, essa pessoa tirou aquela pressão interna e se sentiu importante para alguém.”, comenta Correia, voluntário do CVV. É recomendável sugerir que ela procure ajuda profissional após essa conversa, mas esse primeiro apoio faz diferença.

You may also read!

Atenção vestibulando MEC anuncia novas mudanças no Enem 2018

Candidatos terão 30 minutos a mais para fazer a prova do segundo dia entre outras mudanças Kawanna Cordeiro Em

Read More...

Conheça os seis melhores museus do Brasil

Para quem acha que no Brasil não tem cultura, conheça os melhores museus para  visitar no dia Internacional dos

Read More...

Cinco cuidados especiais que devemos ter com os olhos

Os olhos são conhecidos como janelas da alma e são responsáveis por boa parte daquilo que percebemos como mundo.

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu