A revolução da pílula anticoncepcional

In Saúde

Riscos do uso contínuo desde a adolescência e a ligação do medicamento com a depressão

Kawanna Cordeiro

A pílula anticoncepcional foi criada em meados dos anos 1950. No início ela não era para ser usada na prevenção contraceptiva, mas sim como um remédio para distúrbios menstruais, o Enovid. Cerca de 500 mil mulheres recorreram ao Enovid entre 1957 e 1960, quando a FDA, órgão norte-americano responsável por controlar os medicamentos, aprovou a venda da pílula como o primeiro anticoncepcional ministrado por via oral.

A criação de um método que controlasse a fertilidade feminina, além de trazer essa liberdade para as mulheres, foi uma revolução para a humanidade. As mulheres pararam de associar sexo à reprodução e passaram a ter a opção de decidir quantos filhos gostariam de ter e quando gostaria que isso acontecesse. Hoje, estima-se que mais de 100 milhões de mulheres tomem a pílula diariamente.

Muitas mulheres começam a fazer o uso das pílulas ainda na adolescência devido aos benefícios.  Primeiro, pelo efeito contraceptivo. Além disso, é normal os ciclos serem muito irregulares e com fluxo aumentado nesta fase os anticoncepcionais podem regularizá-los e diminuir o fluxo. Pode diminuir a cólica menstrual, TPM, assim como, em alguns casos, em pacientes com ovários policísticos pode melhorar a pele. “Os problemas da pílula é que adolescentes podem se esquecer de usar corretamente, deixando-as desprotegidas da gestação. Além disso, anticoncepcionais aumentam o risco de trombose, embora ainda seja muito baixo, desde que não haja fatores de risco”, revela o ginecologista e obstetra Rogério Leão.

Após a entrevista para a BBC da editora-adjunta do The Debrief, site de comportamento para o público feminino jovem, Vicky Spratt, que sofreu durante anos de depressão, ansiedade e pânico enquanto tentava diferentes tipos de pílula, inúmeros chats e publicações sobre o tema invadiram a internet. Vicky começou a fazer o uso da pílula ainda na adolescência, aos 14 anos, para regular o ciclo menstrual. E foi assim por mais de uma década. Ela afirma ter experimentado muitas marcas e nomes diferentes. “Também foi nessa época que desenvolvi ansiedade, depressão e sérias mudanças de humor que muitas vezes me afetaram ao longo da minha vida adulta”, disse em entrevista à BBC. Depois de formada na universidade e de inúmeros ginecologistas afirmarem que os seus problemas psicológicos não tinham relação com a pílula, decidiu por si própria suspender o uso das pílulas. O resultado? Os ataques de pânico acabaram e as crises depressivas também.

Um estudo feito por pesquisadores da Universidade de Copenhague, na Dinamarca, publicado em setembro de 2016, avaliou o uso de anticoncepcionais e o diagnóstico de depressão em mais de 1 milhão de mulheres com idades entre 15 e 34 anos. Os achados foram que as mulheres que estavam usando a pílula eram mais propensas a ter depressão e usar antidepressivos, com destaque maior para as mulheres de 15 a 19 anos. “Um dos motivos relacionado a depressão em mulheres é justamente a alteração hormonal. O hormônio influência o humor”, expõe a psicóloga Carolina Veras.

De acordo com o ginecologista, pode haver sim “um risco maior de depressão em usuárias de anticoncepcionais”. No entanto, ele explica que isso é mais frequente em anticoncepcionais somente de progesterona. O psiquiatra e coordenador do Instituto de Psiquiatria – Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IPQ-HC-FMUSP, Diego Freitas, concorda com o fato de a progesterona ter certa influência na depressão. “Estudos mostram que em mulheres vulneráveis o uso de pílulas combinadas (estrogênio mais progesterona) melhora as alterações de humor ao passo que pílulas só com progesterona podem piora-las”, aponta.

*Foto: https://goo.gl/hkUPGt

You may also read!

Atenção vestibulando MEC anuncia novas mudanças no Enem 2018

Candidatos terão 30 minutos a mais para fazer a prova do segundo dia entre outras mudanças Kawanna Cordeiro Em

Read More...

Conheça os seis melhores museus do Brasil

Para quem acha que no Brasil não tem cultura, conheça os melhores museus para  visitar no dia Internacional dos

Read More...

Cinco cuidados especiais que devemos ter com os olhos

Os olhos são conhecidos como janelas da alma e são responsáveis por boa parte daquilo que percebemos como mundo.

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu