Vida dando vida

In Saúde

Se tem uma coisa que só uma mulher pode descrever  é a sensação do parto

Kelyse Rodrigues

As mulheres são meigas, corajosas, lutam por direitos, são “duras na queda”, são capazes de convencer as pessoas, conseguem mover o mundo. Mas uma coisa que só ela é capaz de sentir é a sensação de dar à luz e multiplicar a vida. Muitas descrevem que apesar de sentirem forte dor ou precisar ficar de repouso após o parto, se sentem realizadas por serem capazes de dar vida a um ser, como descreve a mamãe Thais Morais. “É o momento que você conhece o amor mais puro e sincero da sua vida”, declara. O parto envolve muitas características fascinantes, mas no passado era palco de grandes desafios. Confira alguns dos tipos de parto e as dificuldades envolvidas.

Caseiro

O parto antigamente era feito em casa. Sim, na própria casa! A grávida era auxiliada por outras mulheres. Tinha a parteira que acompanhava a grávida para que o nascimento do bebê ocorresse corretamente. Todos os partos eram feitos de maneira natural e, até hoje, é o mais recomendável, como explica a enfermeira obstetra Thais Carrijo. “O parto normal é o mais indicado, pois é o mais saudável tanto para a mãe quanto para o bebê”, aponta.

Cadeira Obstétrica

Esse era um instrumento utilizado na hora do parto e pode ser considerado um dos instrumentos mais antigos. Existem registros de sociedades antigas que o utilizavam, como no Egito, onde existem registros nos papiros médicos; na Europa foi utilizado até o fim do séc. XIX. Essa cadeira tinha vários tipos de modelos que podiam variar conforme a condição social. Como os partos eram nas residências, as famílias tinham sua própria cadeira.

Fórceps

Como os partos antigamente eram todos caseiros e realizados de maneira natural, muitas vezes existiam complicações nos partos, e não existiam aparelhos que pudessem auxiliar a mulher no trabalho de parto. Até que no final do séc. XVI foi criado por Peter Chamberlen o fórceps. O objetivo era auxiliar a retirada da criança do útero da mãe, muitas vezes em casos sérios onde a mãe pudesse morrer. O aparelho era encaixado na cabeça da criança e então era retirado do útero. Mas o seu uso prejudicava tanto o corpo da mãe quanto o do bebê, que podia ter sua cabeça deformada pelo aparelho “agressivo”. Esse aparelho não é mais de uso comum entre os médicos.

Cesárea

A cesárea só era realizada em mulheres que estavam praticamente mortas – ainda não existia a anestesia –, pois o sofrimento era imenso em realizar um corte na grávida, se não fosse realmente necessário.

Uma curiosidade sobre a cesárea é que muitas pensam que nome vem em homenagem ao nascimento de Júlio César, general e líder da República Romana. Existem fontes que dizem que ele nasceu de parto cesariano, e muitos afirmam que sua mãe permaneceu viva após o parto.

No século XX foi quando os partos realizados de cesárea se tornaram seguros com a criação da anestesia. Isso permitia que o parto fosse realizado com segurança e possibilitava que a mulher continuasse bem após a realização desse parto, que antes era considerado fatal.

Links das imagens:

https://goo.gl/Xh4GK3

https://goo.gl/7G6YbY

https://goo.gl/TH9b6p

https://goo.gl/agg6mi

https://goo.gl/KcA5E6

https://goo.gl/9gPVvt

https://goo.gl/Di8aRa

 

You may also read!

Cientistas fazem divulgação no Twitter

Cientistas brasileiros usam o Twitter para popularizar conhecimento especializado

Além de proporcionar entretenimento, o acesso à ciência nas redes sociais auxilia no combate à desinformação. Mariana Santos A

Read More...
Mulher Hulk será lançado hoje.

Mulher Hulk surpreende críticos e batalha pela risada dos fãs

A nova série da Marvel quer resgatar o público com boa atuação e diálogos cômicos. Lucas Pazzaglini A Marvel

Read More...
Continência ao Amor traz reflexões sobre o SUS.

Continência ao amor: o sucesso da Netflix e a celebração ao SUS 

O filme traz reflexões sobre o tratamento de diabetes, o que nos leva a pensar em como o Brasil

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu