Educadores indicam que o ensino remoto afeta o aprendizado

In Educação, Geral

O ensino remoto é responsável por mudanças drásticas nos cenários escolar e familiar em todo o Brasil

Paula Orling

O ensino remoto foi implantado pelo Ministério da Educação (MEC), em conformidade com o Ministério da Saúde, em todo o Brasil a partir de março de 2020. Deste modo, o novo sistema educacional entra em vigor por meio de diversas plataformas digitais, conferências e transmissões via canais de televisão, com o objetivo de conter a pandemia do Coronavírus, de acordo com a portaria 343 do MEC.

Segundo a diretora do Colégio Adventista São José dos Pinhais, Maiza Godoy, “a tecnologia aproxima pessoas de todo o mundo, mas, no período das aulas remotas, as tecnologias deixaram a desejar.” Assim, fala sobre inserção tecnológica tanto no educandário nacional e a busca pela quebra do tradicionalismo educacional nas escolas de todo o país. Apesar do apoio à inovação, o fechamento das escolas e o início das aulas remotas trouxe grande receio para o docente, o discente e suas famílias. Além disso, declara que ocorre uma mudança cultural decorrente deste novo modelo e despreparo das escolas frente ao desconhecido. 

Ao citar o que afetou o ensino, Iozodara Branco de George, técnica da Coordenação de Estrutura e Funcionamento (CEF) da Secretaria de Educação e Esporte (SEED), afirma que “o formato de aulas remotas pegou todo mundo de surpresa e a maioria dos professores não sabia como trabalhar dessa forma. Os professores não possuíam equipamentos e nem mesmo didática para as aulas em formato de vídeo.” 

O papel da família

Em concessão à problemática das escolas, o educador Malton Fuckner afirma que alunos e seus responsáveis também enfrentam dificuldades no modelo, no que diz respeito a aceitar um formato nunca antes vivido, além da mudança na dinâmica familiar. Portanto, as famílias precisaram se organizar para adequar o trabalho dos responsáveis às novas rotinas dos estudantes. Além disso, Malton continua dizendo que os alunos notaram a carência de autonomia pessoal, necessitam relacionar as aulas remotas e o aprendizado autodidata, além de realizar atividades sem apoio pedagógico.

A professora do Colégio Curitibano Adventista Bom Retiro, Solange Maram, explana a debilidade causada pela redução do período de aulas, ao dizer:  “não consegui dar um conteúdo de cada turma e tenho certeza de que não fui só eu.”. Diante disso, o aluno do Instituto Adventista de Ensino de Santa Catarina, Nícolas Zabel, elucida a dificuldade vivida ao passar por processos seletivos. “A impossibilidade de realizar os vestibulares e a pressão de contrair uma doença tiveram grande impacto em meus resultados”, relata Zabel. 

Situação na rede pública

O baixo nível de aprendizado é ainda pior na rede pública. Tal cenário é destacado pela técnica do Núcleo Regional de Educação, sede da área metropolitana norte da cidade de Curitiba, Cristiane Oliveira, quando diz que “[…] a Rede pública mal tem internet e muito menos profissionais “capacitados” para dar aulas online”. Assim, é evidente a diminuição do rendimento entre professor e aluno. Deste modo, o ensino remoto permanecerá como desafio no aprendizado brasileiro.

You may also read!

Estrangeiros vieram mais ao Brasil

Entrada de estrangeiros no Brasil é 60% maior que em 2021

Embratur indica que as viagens de estrangeiros no Brasil e na América Latina devem voltar aos níveis pré-pandemia até

Read More...
buraco atacama

Buraco de 200 metros de profundidade surge no deserto do Atacama

Autoridades começaram as investigações de um buraco gigante que surgiu em uma região de mineração no norte do Chile.

Read More...
Jô Soares morre

Jô Soares morre aos 84 anos

O apresentador Jô Soares foi internado para tratar uma pneumonia e faleceu na madrugada desta sexta-feira Paula Orling O

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu