O impacto das redes na vida dos jovens

In Geral

Kawanna Cordeiro

Estudo britânico considera que a rede Instagram fere a auto estima de seus usuários podendo levar a casos de ansiedade e depressão

O público jovem passa mais tempo nas redes. Elas podem trazer inúmeros benefícios sociais, mas, em longo prazo geram efeitos colaterais negativos, que podem afetar a saúde psicológica dos usuários. Um recente estudo britânico abordou esse tema: o bem-estar e a saúde mental dos usuários de tais serviços.

Segundo o estudo a rede de fotos, Instagram, é a que mais afeta a saúde psicológica do público adolescente,  a faixa etária mais vulnerável. Depois dele, com notas negativas estão o Snapchat, Facebook e Twitter. A única com notas positivas foi o portal de vídeos Youtube.  “Os jovens que passam mais de duas horas por dia em redes sociais como Facebook, Twitter e Instagram estão mais propensos a sofrerem problemas de saúde mental, sobretudo angústia e sintomas de ansiedade e depressão”, diz o estudo, realizado pela Real Sociedade de Saúde Pública do Reino Unido e pela Universidade de Cambridge. Para concluir o estudo, foram pesquisadas atitudes de 1.500 pessoas de 14 a 24 anos usuárias das redes

Dos 14 fatores positivos e negativos considerados pelos pesquisadores, 7 reprovam o Instagram, pois o público reconheceu que a rede de compartilhamento de fotos afeta negativamente a auto estima relacionada com a imagem corporal, as horas de sono e o seu medo de ser excluídos por grupos sociais.

A estudante Vitória Ribeiro reconhece o impacto negativo desta rede sobre a sua autoestima “Quando eu era mais nova o que eu via no Instagram me afeta muito. Eu estava sempre na academia e se eu não tivesse aquele corpo que eu via nas blogueiras eu não estava satisfeita” diz. Além disso, o estudo considerou que a rede estimula o assédio digital, geral ansiedade e em pequenas porções, sintomas depressivos e sensação de solidão.

Este foi o caso da estudante Thayna Lago. Ela sofreu com o isolamento causado por ela mesma. “Eu achava que ninguém nunca ia gostar de mim, que eu era horrível. Eu tenho autoestima muito baixa, então me aceitar foi e ainda é muito difícil”, desabafa.

“Ser adolescente já é suficientemente difícil, mas as pressões enfrentadas pelos jovens no mundo virtual são, sem dúvida, exclusivas desta geração digital. É de vital importância intervir impondo medidas preventivas”, dizem as autoras do estudo.  O relatório final propõe que os usuários recebam uma notificação do próprio aplicativo avisando sobre o uso em excesso, a manipulação de uma foto e que sejam feitas campanhas nas escolas sobre esses riscos. “É muito triste ver o que a mídia faz com a gente, fazendo a gente deixar de se amar” completa  Thayna.

 

Link da imagem: http://cleofas.com.br/wp-content/uploads/2017/01/Lagrima-010.jpg

You may also read!

Atenção vestibulando MEC anuncia novas mudanças no Enem 2018

Candidatos terão 30 minutos a mais para fazer a prova do segundo dia entre outras mudanças Kawanna Cordeiro Em

Read More...

Conheça os seis melhores museus do Brasil

Para quem acha que no Brasil não tem cultura, conheça os melhores museus para  visitar no dia Internacional dos

Read More...

Cinco cuidados especiais que devemos ter com os olhos

Os olhos são conhecidos como janelas da alma e são responsáveis por boa parte daquilo que percebemos como mundo.

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu