A Síndrome de Down não limita ninguém

In Geral

Dia 21 de março é comemorado internacionalmente o dia da Síndrome de Down

Kawanna Cordeiro

A Associação Felicidade Down, localizada em Sorocaba – SP, foi criada há nove anos para estimular o relacionamento entre pessoas com a Síndrome de Down. Célia dos Santos, mãe de Bruna, sentiu a necessidade de incentivar o convívio da filha com pessoas semelhantes a ela. Com esse objetivo, a entidade nasceu e, desde então, se reúne aos finais de semana.

Graças à fundação, Bruna teve a oportunidade de namorar duas vezes. Sua história descontrói a ideia equivocada de que pessoas com down não podem ou não conseguem manter um relacionamento amoroso e sexual. “Muitos pais privam os filhos de ter relacionamentos dessa espécie pois não aceitam que eles podem e devem ter uma vida normal como qualquer pessoa. Por causa disso, os filhos não conseguem lidar comas possíveis relações”, explica Tomás dos Santos, um dos Idealizadores da fundação e pai de Bruna.

Existem níveis da síndrome que determinaram o grau de dependência em relação à família e, consequentemente, o tamanho da dificuldade em desenvolver uma atração física e afetiva por alguém. “Se a família não aceitar que há atração, nunca descobrirá que o down talvez não tenha tanta dificuldade como se imaginava”, relata a psicóloga Viviane Viana. Ela ainda ressalta que os pais precisam ter disponibilidade para se adaptar às necessidades e vontades naturais dos filhos.

Se o namoro resultar em casamento, o desligamento da dependência da família será maior. “Aquele que não tem o nível mais elevado da síndrome sente a necessidade de ser independente. Há autonomia para desenvolver uma vida normal”, conta. Em casos de maiores níveis da síndrome, o desejo de se desligar da família para criar um novo lar pode não chegar pois o down não desenvolve um vínculo afetivo suficiente para casar.

Entretanto, alguns vínculos sexuais são criados devidos aos desejos naturais do corpo. Isso dá espaço para outro mito que circula a síndrome: o boato de que eles possuem desejo sexual mais aflorado. A psicóloga refuta essa ideia. “Eles não têm clareza sobre alguns padrões que nós estipulamos como sociedade e que limita nosso comportamento”, justifica.

Para que a limitação seja desenvolvida nos downs, é preciso que haja orientação disponível para eles. A responsabilidade de orientar pertence aos pais. “Os pais não entendem que o filho é uma pessoa normal e que desenvolve desejos como todas as outras pessoas. Eles não falam de sexo com os filhos e isso acaba tirando deles a percepção do socialmente correto”, finaliza Tomás.

 

link da imagem: https://goo.gk/i1DI9J   

You may also read!

Desnutrição infantil atinge população.

Fome no Brasil promove alerta sobre as consequências da desnutrição infantil

Diante do cenário de fome crescente no Brasil, pesquisas revelam como a desnutrição infantil afeta as demais etapas da

Read More...
Sessões terão apoio da ANS

ANS retira limite de sessões com fisioterapeutas, psicólogos e outros

A decisão sobre as sessões impacta a usuários de planos de saúde. Lucas Pazzaglini A Agência Nacional de Saúde

Read More...
Plástico é produto de difícil reciclagem

No more plastic! Canadá proíbe a produção e importação de plásticos de uso único

A nova regulamentação entrará em vigor a partir de dezembro de 2022. Cristina Levano O governo canadense apresentou as

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu