Crianças e celulares: um alerta aos pais

In Educação

Kawanna Cordeiro

Crianças expostas a aparelhos eletrônicos podem dormir menos do que as que não entram em contato com a tecnologia

Um recente estudo publicado na Scientific Reports, site da revista científica Nature, revelou que, a cada hora que crianças com três anos ou menos passam usando aparelhos eletrônicos, 15 minutos de sono são perdidos.

A pesquisa foi conduzida pela Birkbeck e faz parte da Universidade de Londres. O levantamento entrevistou 715 pais de crianças com até três anos de idade. Os entrevistados afirmaram que os mesmos aparelhos ajudam a criança a desenvolver habilidades motoras mais rápido.

Aline Praxedes, funcionária pública e mãe de Vitor, permite que seu filho de três anos de idade use seu celular regularmente. “Nunca reparei se ele demora mais para dormir de noite, mas a tarde ele costuma ficar mais alerta depois de assistir os desenhos no celular. Tento evitar o máximo que posso que ele fique tempo demais, porque percebo que os comportamentos mudam bastante quando ele assiste seguidas vezes a mesma coisa na internet”, declara.

Além do desenvolvimento motor das crianças, há outros benefícios oriundos do uso de tecnologias pelas crianças. Elas podem aprender outro idioma, por exemplo, ou desenvolver a capacidade de socializar. A internet pode abrir portas.

Mas é necessário que os pais fiquem atentos aos passos dos filhos, pois qualquer clique pode levar a criança a conteúdos negativos para a sua idade. “A navegação na internet é muito ampla. Num piscar de olhos é possível mudar de um desenho para outro e ficar vulnerável a muitas outras coisas. Por isso controlo as coisas que o Vitor assiste”, admite Aline.

De acordo com a Associação Americana de Pediatria (APP), os pais devem limitar a 2 horas por dia o tempo que seus filhos ficam em frente à televisão, computador, celular ou tablet. A AAP pontua ainda que, crianças menores do que dois anos não devem ter contato com televisão, computadores e outros aparelhos do gênero. “Nessa idade, simplesmente não há benefícios”, diz a recomendação.

A psicóloga Laís Dantas dá algumas dicas para ajudar os pais nessa situação.

  • Evitar jogar logo antes de dormir; – Evitar jogos não adequados à faixa etária.
  • Evitar jogar mais de 50 minutos seguidos sem fazer uma pausa para alongamento de pelo menos 10 minutos. Alongamentos ajudam a prevenir lesões musculoesqueléticas.
  • Procurar manter uma distância mínima de 60cm da tela do computador para evitar problemas de visão.
  • Variar as categorias de jogos. Dessa forma, o jogador descobre um mundo novo e desenvolve variados tipos de habilidade.
  • Existem filtros protetores de tela que auxiliam muito, contribuem para a diminuição dos espaços luminosos e aumentam o contraste entre as imagens.

Ela ressalta a importância da criança ter atividades diversificadas para não querer ficar somente em frente a tela. “Festa do pijama, guerra de bexiga d’água, jogos em família, preparo de refeições com a contribuição de cada membro do lar e atividades físicas (academia, natação, danças, lutas…) são sugestões. O objetivo é gerar uma nova fonte de prazer que tire o foco excessivo das tecnologias e também fortaleça o vínculo familiar”, aconselha.

 

 

Link da imagem: https://goo.gl/lvK2h9

You may also read!

Dengue e Covid: os diferentes sintomas das doenças

Febre e dor de cabeça são sintomas comuns, e especialistas apontam quais devemos nos alertar.  Davi Sousa O Brasil

Read More...

Como as microssonecas afetam nossa saúde

As “inofensivas” sonecas que duram apenas segundos podem significar uma péssima rotina de sono. Nicoly da Maia As microssonecas

Read More...

Governo lança programa com investimentos de R$ 700 milhões para Amazônia

A parceria com 70 municípios prevê a redução de desmatamentos e incêndios zero até 2030 na Amazônia. Elinelma Vasconcelos

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu