Adeus passarinho, olá X: o impacto da mudança de identidade para os usuários

In Ciência e Tecnologia, Cultura, Geral

Mudança repentina causou grande repercussão negativa e incentivou surgimento de nova plataforma. 

Helena Cardoso

Quem usa o Twitter há um tempo levou um susto ao entrar na plataforma durante a semana do dia 23 de julho. Isso porque Elon Musk, o bilionário dono da rede social desde 27 de outubro de 2022, além de trocar o nome para X, colocou a letra no lugar do passarinho azul, símbolo estabelecido da plataforma. Não é necessário pensar muito para entender o motivo da mudança: essa é a marca de Musk, utilizada para deixar suas empresas (como a Space X) com identidades parecidas. 

Entretanto, a mudança tão repentina e sem aviso prévio não agradou a maior parte dos usuários, que rapidamente recorreram à própria plataforma para expressar seu descontentamento. “Dá uma raiva olhar pro Twitter e ver esse X“, “desculpa, mas eu ainda não aceitei que o Twitter é um X“, “esse Twitter X dá nem gosto de entrar” e “Retuitem se vocês concordam que vamos continuar chamando de Twitter ao invés de X” são apenas alguns dos posts que lotaram a rede desde o anúncio feito por Musk. 

Opiniões controversas

Livia Damasceno, usuária do Twitter (agora X) desde 2019, foi uma das pessoas que não ficou feliz com a decisão. “O Twitter era uma ideia, um conceito, uma visão, e agora muda do nada?”, questiona. Entretanto, há quem ache a mudança boa e até quem não ligue para o tema. É o caso de Allyson Furrier, que tem um perfil na rede social desde 2018. Para ele, a alteração de nome e logo foi indiferente, e sua única reclamação é que, no começo, tinha dificuldades para encontrar o aplicativo em seu celular. 

Especialistas explicam que o motivo da grande repercussão negativa é o sentimento de traição enfrentado pelos usuários mais fiéis. Segundo profissionais do assunto, para ter menos rejeição é necessário considerar, através de dados e pesquisas, hábitos e desejos do público (algo que não aconteceu durante a mudança de Elon Musk). Talvez seja por isso que todas as alterações da plataforma, incluindo a possibilidade de compra do selo de verificação azul e a restrição de quantidade de leitura de tuítes diários, foram fortemente criticadas. 

Uma nova alternativa

Em meio à situação instável, Mark Zuckerberg, dono da empresa Meta (que engloba Instagram, Facebook e WhatsApp), criou o Threads, aplicativo muito similar ao Twitter. Lançado no dia 5 de agosto, a nova rede social ultrapassou os 10 milhões de usuários nas primeiras sete horas e os 100 milhões nos primeiros cinco dias, o que a garantiu o título de plataforma com o crescimento mais rápido da história. 

Entretanto, duas semanas depois, se viu estagnada, com os usuários ativos caindo para 13 milhões e o engajamento despencando 70%. O tempo médio na plataforma também diminuiu, passando de 19 para 4 minutos por dia. Enquanto isso, o X (antigo Twitter) possui 200 milhões de usuários ativos e tempo de permanência médio de 30 minutos por dia. 

Fim do Twitter?

Todas as mudanças feitas em uma das plataformas mais “queridinhas” causaram transtornos e fizeram com que outras empresas investissem na ideia de “trazer o Twitter de volta”, como foi o caso do Koo App. Porém, ao mesmo tempo que usuários não poupam na hora de expressar suas opiniões de insatisfação, a quantidade de pessoas permanece – quase – a mesma. Afinal, a rede é sólida e com um público fiel, que precisa de muito mais do que uma mudança de nome para abandonar de vez a plataforma.

You may also read!

Comida é recurso para lidar com problemas emocionais: entenda os riscos

Pesquisa revela que a maioria dos brasileiros acredita que comer em excesso melhora a saúde mental.

Read More...

Votação na Câmara aprova privatização da Sabesp

Elinelma Santos A Câmara Municipal do Estado de São Paulo aprovou nesta quarta-feira (17) a privatização da Sabesp (Companhia

Read More...

Excesso de proteína aumenta o risco de doenças cardiovasculares

Proteínas devem ser consumidas com equilíbrio, segundo especialistas. Késia Grigoletto  O excesso do consumo de proteínas aumenta o risco

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu