ANS retira limite de sessões com fisioterapeutas, psicólogos e outros

In Geral, Saúde
Sessões terão apoio da ANS

A decisão sobre as sessões impacta a usuários de planos de saúde.

Lucas Pazzaglini

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) decidiu pelo fim do limite de sessões com psicólogos, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas e fonoaudiólogos, no dia 11 de julho. A ordem entrou em vigor apenas na primeira segunda-feira de agosto, dia 1°.

Antes da aprovação pela ANS, cada paciente recebia uma cobertura específica de acordo com sua doença. Como exemplo, a cobertura obrigatória, pelo plano de saúde, de sessões com o fisioterapeuta, eram limitadas a apenas duas por doença apresentada. Mas agora, o plano de saúde é obrigado a cobrir qualquer forma de tratamento prescrita pelo médico.

Segundo a própria ANS, “a decisão foi tomada com o objetivo de promover a igualdade de direitos aos usuários da saúde suplementar e padronizar o formato dos procedimentos atualmente assegurados.” 

A Associação Brasileira de Planos de Saúde(Abramge) não se manifestou sobre a decisão. Já a Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde) disse em nota que irá se adequar às novas normas. “A nova regra certamente terá impacto sobre os custos das operadoras de planos e a FenaSaúde ressalta a importância do respeito à governança estabelecida na lei para mudanças dessa natureza”, explicou a entidade. 

Pacientes com direito

A decisão impacta todos os conveniados que apresentam qualquer doença ou condição listada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que conta com mais de 55 mil doenças catalogadas, alguns exemplos são a depressão e a ansiedade. 

Transtornos globais do desenvolvimento como autismo infantil, síndrome de Rett, Síndrome de Asperger, entre outros, também estão incluídos na nova norma. 

A primeira expansão da cobertura dos planos de saúde havia sido feita em 1° de julho, quando as normas, que agora valem para qualquer segurado, estavam em vigor apenas para pacientes com autismo. 

Importância da decisão

A partir das novas normas quem dita o fim das sessões é o próprio médico que acompanha o paciente, o que otimiza a melhora do mesmo. Para a fisioterapeuta, Dra. Lilian Mariano, uma decisão tão importante como a alta de um paciente deve ser feita apenas por um profissional da saúde que foi devidamente preparado seguindo os preceitos éticos, técnicos e científicos.

“A decisão da alta só é tomada após as avaliações e reavaliações, execução e interpretação, exames propedêuticos e complementares, testes funcionais, intervenções objetivas e condutas apropriadas objetivando tratar as disfunções, e sobretudo, dar condições de vida adequada para o paciente após a alta”, explica a fisioterapeuta.

Estou segurado?

Para saber se a doença apresentada pelo paciente está segurada, basta acessar a lista completa da Classificação Internacional de Doenças (CID), coletada pela OMS. 

O documento é totalmente digital e atualizado constantemente, sendo a última publicação a CID-11, que conta com informações de mais de 90 países para a formação do seu banco de dados.

You may also read!

“Memórias Póstumas de Brás Cubas” faz sucesso nos EUA

O livro se encontra em primeiro lugar nas vendas da Amazon de literatura latina após viral na internet. Davi

Read More...

Japão: o centro da convergência cultural entre oriente e ocidente

Série Xógum retrata relações conflituosas no Japão antigo que permanecem preocupações econômicas e políticas no Japão contemporâneo.  Paula Orling

Read More...

Entenda a polêmica da PEC das praias

A polêmica levou o relator da proposta no Senado, Flávio Bolsonaro, a afirmar que vai alterar o texto da

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu