Cidadãos e parlamentares debatem legalidade de coachs

In Educação, Geral, Política, Saúde

Carmem Iorrana

Uma sugestão popular que pede a criminalização dos coachs no Brasil foi apoiada por mais de 20 mil pessoas, e virou pauta de discussões no Senado Federal através da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) na última terça-feira. Embora tenha sido rechaçada pelo Senado, a proposta gerou discussões. Seu autor é William Menezes, de apenas 17 anos.

A prática já foi pauta de quatros projetos de lei. O mais antigo é de 2009, quando houve tentativa de legalização. O PL 5554/2009 não obteve êxito e está arquivado. No entanto, outras aguardam parecer do relator na Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público (CTASP). Logo após a última decisão dos parlamentares, o presidente da Sociedade Gaúcha de Coaching, Ronald Dennis Pantin Filho, sugeriu a regulamentação da prática. Essa sugestão já possui cerca de cinco mil apoiadores no portal e-Cidadania. Para chegar até a CDH, deve angariar, ao menos, o mesmo número de participantes da proposta feita por Menezes.

O que é coaching?

De acordo com a Federação Brasileira de Coaching Integral e Sistêmico (Febracis), o coach é um profissional que tem como prioridade desenvolver as habilidades humanas para que seu cliente se conheça melhor. Demétrio dos Anjos é teólogo, e possui sete formações na área de coaching. Hoje, atua como consultor empresarial e mentor. Quando questionado sobre a criminalização de coachs no Brasil, Demétrio é enfático: “confesso que achei o termo ‘criminalização do coach’ um tanto apelativo e agressivo, mas, se as mudanças previstas que estão por vir auxiliarem a classe, o quanto antes vier, melhor”. Ele ainda acredita que ele e seus colegas não correm perigo. “Quanto aos profissionais de respeito e renome, da qual eu com orgulho faço parte, não temos a que temer. Quem deve se preocupar são os criminosos, ‘curandeiros quânticos’ e ‘reprogramadores de DNA’, completa, ao mencionar que nem sabe do que se tratam tais práticas.

Para a nutricionista Maila Passos, muitas pessoas sem formação acadêmica têm treinado outras a seguirem orientações que são muito peculiares a cada ser humano. Quando o coaching é atrelado à formações acadêmicas, “pode fazer a diferença na vida das pessoas”. No entanto, ela não é a favor de leigos que saem “palestrando sobre emagrecimento, por exemplo. Por isso acredito que a regulamentação da atuação de coachings – que tenham alguma formação acadêmica – é a saída”, reitera.

A psicóloga Gesiane Vingat concorda com Maila, e também se posiciona a favor do controle do coaching.  “Quando há ausência de regulamentação, abre-se margem para a banalização da prática, ocorrendo por vezes atravessamentos em áreas de especificidade de outros profissionais. Consequentemente, aumenta a probabilidade de condutas que podem gerar impactos negativos aos clientes que utilizam desse serviço”, frisa.

Dados da Federação Internacional de Coach (ICF) mostram que a pauta não irá morrer tão cedo – já que, nos últimos quatro anos, a prática cresceu mais de 300% no Brasil. Estima-se que o nicho tenha movimentado mais de R$ 50 milhões nos últimos anos.

You may also read!

Como são medidos os terremotos?

Os sismógrafos são os instrumentos que registram as ondas sísmicas provocadas pelo movimento das placas tectônicas. Davi Sousa Dois

Read More...

Você conhece a Síndrome de Wendy?

Quando o cuidado excessivo se torna uma armadilha. Nicoly da Maia No dia a dia, muitas pessoas colocam as

Read More...

Enxaqueca aura: entenda como funciona e como tratar

Dentre os três tipos de enxaqueca, a com aura é a que se caracteriza pelas alterações sensoriais.

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu