Guardar remédios: banheiro, cozinha ou nenhum dos dois?

In Geral, Saúde

Guardar medicamentos em lugares de fácil acesso, como banheiro e cozinha, pode representar sérios riscos para a saúde.

Vefiola Shaka

As redes sociais se tornam cada dia mais locais de discussão de assuntos cotidianos. Dentre eles, um dos assuntos mais comentados teve a ver com o armazenamento de medicamentos. O apresentador Fábio Porchat tuitou perguntando onde as pessoas guardam seus remédios. A discussão nos comentários traz como resultado que os dois locais mais populares entre os brasileiros são a cozinha e o banheiro.

Os indivíduos podem pensar que seus medicamentos estão armazenados com segurança e no local correto, mas provavelmente há algumas coisas que não levaram em consideração.

Ao guardar medicamentos em lugares de fácil acesso, corre-se o risco de que ele seja alcançado por crianças e animais de estimação. “Tanto as crianças quanto os animais são curiosos e podem ingerir medicamentos sem querer, o que pode levar à intoxicação. Os medicamentos podem causar uma variedade de sintomas, dependendo do tipo de medicamento e da quantidade ingerida. Em alguns casos, a intoxicação pode ser fatal”, diz Alanny Rocha, farmacêutica e doutora em Ciências Farmacêuticas.

Guardar remédios no banheiro

Todo mundo tem em mente pelo menos um filme americano, no qual o personagem principal guarda os remédios no armário do espelho. Isso acontece não só no cinema, mas também no dia a dia, quando as pessoas preferem esse local para guardar seus medicamentos ou suplementos diários.

Lucas Henrique de Souza, estudante de Publicidade e Propaganda, diz que não usa medicamentos diariamente, mas só nos casos de emergência, como gripe ou dores musculares. “Guardo no banheiro, prefiro deixar lá porque tem um lugar específico só para isso, uma estante para guardar coisas pessoais. É confortável e muito acessível”, adiciona.

Lucas diz que geralmente os remédios são para tomar no começo do dia, no meio ou no final do dia. Então toda vez que ele faz uma refeição e escova os dentes, lembra e aproveita para tomar os remédios.

A farmacêutica Alanny Rocha explica que não é seguro usar o medicamento que foi guardado em áreas onde há presença frequente de água, como perto de pias e chuveiros. “A água pode aumentar o risco de contaminação, pois pode fornecer um ambiente para o crescimento de bactérias ou fungos. Além disso, a água pode danificar o medicamento, alterando sua composição química, o que pode reduzir sua eficácia ou até mesmo torná-lo inseguro para o consumo”, acrescenta a doutora.

Guardar remédios na cozinha 

Por outro lado, muitas pessoas pensam e raciocinam que o lugar certo e mais rápido é a cozinha. Colocar medicamentos em cima da geladeira ou do microondas é bastante comum. Susane Lopes, uma jovem estudante que mora com os pais, conta que esse é um hábito criado pela avó e que perdurou ao longo do tempo. Ela não toma remédio diariamente, mas prefere a cozinha como lugar ideal para guardar os remédios de emergência. “Ao meu ver, os medicamentos na cozinha acabam sendo um meio mais fácil de achá-los e tomá-los, já que a água também fica nesse ambiente”, finaliza Suzane Lopes.

“Na cozinha tem muita oscilação de temperatura, principalmente de calor por conta do forno e fogão. É um local que tende a ficar quente e abafado” , esclarece a farmacêutica Alanny Rocha.

Os produtos farmacêuticos não são fabricados  para aguentar o calor e isso pode acabar degradando e estragando os remédios. Também, guardar perto da pia aumenta o risco de danificar o medicamento ou causar danos fatais para os usuários. 

Qual é o lugar certo para guardar?

O local ideal para armazenar os medicamentos, segundo a doutora Alanny, é em um lugar fresco e longe do alcance de crianças e animais de estimação. “ Guarde os medicamentos em um armário, prateleira ou gaveta trancada que seja inacessível para crianças e animais, ao abrigo de luz, em ambientes secos, onde há menor variação de temperaturas extremas”, esclarece a farmacêutica.

A melhor orientação sobre o lugar de guardar vem dos especialistas de saúde. Sempre que utilizar é importante que a pessoa busque informação na farmácia. Se o motivo de guardar no banheiro ou cozinha é a facilidade de acesso, é relevante colocar lembretes no celular, post-its na geladeira ou espelho para não esquecer, mesmo que esteja em um ambiente menos frequentado.

A validade

Alanny Rocha pontua que o prazo de validade de um medicamento é determinado pelo fabricante e é indicado na embalagem. 

“Em geral, os medicamentos duram de 2 a 5 anos, mas alguns podem durar mais ou menos tempo. É importante verificar a data de validade dos medicamentos regularmente e descartá-los se estiverem vencidos. Os medicamentos vencidos podem não ser eficazes ou até mesmo perigosos “, pondera. 

O descarte

A farmacêutica diz que os medicamentos são compostos químicos que podem ser tóxicos para o meio ambiente. “Quando eles são descartados no lixo comum, podem contaminar o solo, a água e o ar, o que pode prejudicar a saúde humana e animal. Além disso, os medicamentos também podem ser um risco para crianças e animais de estimação. Se eles forem descartados no lixo comum, podem ser encontrados e ingeridos acidentalmente”, reforça a doutora. 

Para descartar medicamentos de forma segura, existem várias opções disponíveis:

– Farmácias e drogarias: muitas farmácias e drogarias têm programas de coleta de medicamentos vencidos ou que não sejam mais necessários.

– Unidades Básicas de Saúde (UBS): algumas UBS também aceitam medicamentos para descarte.

– Coleta seletiva: em alguns municípios, os medicamentos podem ser descartados na coleta seletiva, junto com os resíduos perigosos.

You may also read!

Jovens se sentem mais felizes sem o celular, diz pesquisa

Entenda como os adolescentes lidam com o tempo de tela. Luiza Strapassan O uso do celular entre os jovens

Read More...

Programas de exercícios melhoram a qualidade de vida de pacientes com câncer de mama metastático

A atividade física é benéfica para pacientes com câncer de mama avançado, melhorando a qualidade de vida, reduzindo a

Read More...

Hábito de roer as unhas atinge até 30% da população global

Roer as unhas pode parecer uma reação normal ao estresse e ansiedade, mas pode apresentar nocividade à saúde. Eduardo

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu