Homeschooling: mães professoras do lar

In Educação, Geral
mãe schooling

Visto como uma abordagem que valoriza a formação integral do educando, hoje, esta modalidade é regulamentada por mais de 60 países.

Melissa Maciel

Que ser mãe, dona de casa e ainda ter uma carreira profissional é um estilo de vida desafiador, é fácil de imaginar. Mas imagina somar a tudo isso, a função de professora particular? Pois é, esta é a vida das mães homeschoolers, uma prática que vem ganhando reconhecimento no Brasil e no mundo.

No modelo de ensino domiciliar, a criança é estimulada de diferentes formas, tanto intelectual quanto artística e acadêmica. Os alunos podem focar em disciplinas que se adequam melhor às suas habilidades e pontos fortes, e ir além dos livros didáticos na metodologia de aprendizado.

Esta modalidade pode proporcionar a realização de pesquisas e projetos e contar com o apoio, além dos livros didáticos, de plataformas de ensino, sites e aplicativos, professores particulares e outros.

Segundo a plataforma LUMA de Ensino Individualizado, este modelo educacional potencializa o desenvolvimento da autonomia de aprendizado, promove um maior amadurecimento escolar e instiga a curiosidade por novas formas de aprender.

Um fenômeno crescente

No Brasil a prática do homeschooling não é proibida, mas a Constituição Federal ainda não estabeleceu legislações específicas para regulamentação desta modalidade de ensino. No entanto, em 2021, o Ministério da Educação (MEC) lançou a cartilha “Educação domiciliar: um direito humano tanto dos pais quanto dos filhos” para servir de suporte às famílias que optarem pelo ensino formal em casa.

Segundo a Associação Nacional do Ensino Domiciliar (ANED), em 2016, cerca de 3200 famílias praticavam o homeschooling. Atualmente, calcula-se mais de 7500 famílias exercendo esta prática no Brasil. 

Além disso, em 2017 o PhD Brian Ray publicou uma pesquisa em que analisou 14 estudos de caso realizados com peer-review acadêmico, ou seja, revisados com rigor científico. Por meio desses estudos, ele comparou o desempenho de alunos educados em casa com o de estudantes de escolas públicas e privadas. 

Neste estudo foram abordadas diferentes áreas do conhecimento. Desde a linguagem, artes e estudos sociais à engenharia e ciências. O PhD explicitou que 11 dos 14 casos estudados mostraram que os alunos de ensino domiciliar tiveram uma performance superior aos estudantes do ensino público e privado. 

Mães homeschoolers

A psicopedagoga, mãe e consultora pedagógica Flora Andrade, aplica o ensino domiciliar com seu filho e orienta inúmeras mães que buscam compreender melhor a maneira correta de aplicar esta abordagem educacional. 

Ao ser questionada sobre a organização da agenda educacional de seu filho, ela expõe: “Tenho um planejamento anual seguindo objetivos para o ano escolar em que ele se encontra. A cada domingo, planejo a semana com atividades nos livros, experimentos, passeios e outros”, conta.

Algo que pode causar insegurança quanto a esta prática é saber como conciliar vida profissional e doméstica com a educação formal dos filhos. Quanto a isso, Flora esclarece que “é preciso planejamento, organização e constância. Atualmente eu trabalho durante algumas tardes e noites, mas as manhãs são dedicadas ao lar e às atividades escolares com meu filho.”

Como citado anteriormente, existem materiais de apoio que podem ser introduzidos no planejamento dos pais. A psicopedagoga explica que utiliza livros didáticos, mas destaca a importância de ir além destes recursos. “Ajudo muitas mães a entender que o recurso não é um fim em si mesmo. Tanto com meu filho quanto com meus alunos particulares, trabalho com lições práticas aliadas ao conhecimento acadêmico”, afirma.

A designer gráfica Juliana Coutinho, é mãe de duas meninas, de quatro e oito anos, e desde que nasceram ela as educa em casa. A designer explica que ao conhecer outras famílias homeschoolers e perceber o resultado desse tipo de educação, ficou encantada e resolveu aplicar com as filhas também.

Para o planejamento educacional, Juliana procurou orientação de uma pedagoga praticante do homeschooling que a ajudou a elaborar um delineamento semestral, semanal e diário com os conteúdos mais relevantes para a faixa etária da criança. 

Juliana, assim como Flora, procura seguir uma linha educacional voltada para os valores cristãos. “Utilizo apostilas de pais e professores homeschoolers cristãos que criam materiais para esse público, além disso uso a Base Nacional Curricular para nortear os tipos de conteúdos que minha filha já está apta a aprender”, explica

Ela ressalta também, a relevância de apresentar o conhecimento trabalhado nas aulas, no mundo real e, para isso, faz uso de livros de referências visuais, vídeos, documentários educativos, além de passeios a museus, zoológicos, exposições e bibliotecas para complementar o ensino.

You may also read!

Dengue e Covid: os diferentes sintomas das doenças

Febre e dor de cabeça são sintomas comuns, e especialistas apontam quais devemos nos alertar.  Davi Sousa O Brasil

Read More...

Como as microssonecas afetam nossa saúde

As “inofensivas” sonecas que duram apenas segundos podem significar uma péssima rotina de sono. Nicoly da Maia As microssonecas

Read More...

Governo lança programa com investimentos de R$ 700 milhões para Amazônia

A parceria com 70 municípios prevê a redução de desmatamentos e incêndios zero até 2030 na Amazônia. Elinelma Vasconcelos

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu