Metaverso educacional: aplicativo ensina educação financeira para crianças

In Ciência e Tecnologia, Educação, Geral

Especialistas afirmam que o ambiente virtual pode proporcionar melhor absorção do conteúdo através do aprendizado prático.

Sâmilla Oliveira

Tindin é um aplicativo com carteira digital que ensina educação financeira para crianças. A empresa é uma startup de educação (edtech) que usa a gamificação como instrumento para potencializar os quatro pilares da educação instituídos pela UNESCO: aprender a conhecer; aprender a fazer; aprender a conviver e aprender a ser. A plataforma já é usada por escolas no estado de São Paulo em aulas sobre finanças.

Eduardo Schroeder, criador do aplicativo, conta que a ideia da plataforma veio para solucionar o consumismo infantil detectado dentro da própria casa, com seu filho, que na época tinha três anos. Para evitar a compra compulsiva de qualquer brinquedo que o filho gostava, Eduardo experimentou a mesada educativa. O método incentivou o pequeno a primeiro poupar para depois comprar.  

A plataforma trabalha o autoaprendizado de forma prática. “Usamos dinâmicas de games e de simulação também para outras áreas do conhecimento. Foi assim que surgiu o Metaverso Educacional da Tindin”, afirma Eduardo. O propósito transformador massivo (PTM) da Tindin é “educar toda criança para a vida”. A empresa defende que o aprendizado prático pode ser até 15 vezes mais eficiente para a retenção do conteúdo que uma aula exclusivamente expositiva.

O fundador acredita que, aos poucos, o futuro da educação está deixando de focar na quantidade de informação que a mente de uma criança é capaz de armazenar, e migrando para a capacidade que essa mente terá em transformar informações em novos conhecimentos. “Einstein costumava dizer: ‘a imaginação é mais importante que o conhecimento’ e estamos matando sistematicamente a criatividade de nossas crianças com um sistema arcaico de ensino e aprendizagem”, argumenta Eduardo.

Um metaverso educacional

Um metaverso seria um ambiente virtual onde as pessoas interagem através de avatares em um reflexo do mundo real. Para o especialista em realidade virtual, Rodrigo Mulinário, aprender com a realidade virtual se encaixa no jeito prático de aprender. “De acordo com o psiquiatra americano, William Glasser, quando você lê, a porcentagem de retenção de conteúdo é de 10%; quando você ouve, 20%. Mas quando você aprende praticando, a retenção da informação sobe para 80%”, declara Rodrigo. 

Para Eduardo, é importante desmistificar o conceito de metaverso. Ele afirma que o metaverso não se resume em grandes recursos tecnológicos como óculos de realidade virtual ou realidade aumentada. “A verdade é que nossos filhos já estão habituados a este conceito há anos. Todos já interagiram e interagem com metaversos como Roblox, Minecraft e Second Life”, comenta. 

Diante do cenário da pandemia, no qual as crianças gastavam boa parte do dia em plataformas desse tipo, a Tindin lançou o seu metaverso educacional. “Na prática, ele é um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA/LMS), dentro do qual o aluno deixa de ser um mero usuário para se transformar em cidadão da própria plataforma educacional”, afirma o fundador. Ele ainda conta que dentro desse simulador de vida, o aluno é convidado a aplicar o conhecimento teórico multidisciplinar em tomadas de decisões cotidianas.

Rodrigo Mulinário também trabalha como game designer. Ele defende que a realidade virtual é muito mais que ver imagens, vídeos ou um slide. “Eu acredito que ela torna o aprendizado mais palpável. Trazer isso para dentro de escolas é conseguir ensinar de forma mais lúdica. Sempre que me perguntam o que eu faço, eu digo que sou um tradutor de ideias. Eu pego o imaterial que está na mente de alguém e transformo em realidade virtual”, declara. 

Educação financeira desde a infância 

De acordo com a planejadora financeira pessoal Sâmela Silva, os hábitos que são aprendidos quando criança são levados ao longo da vida, mesmo que inconscientemente. “Quanto mais a criança participa do orçamento em casa, mais ela se prepara para o momento de receber o dinheiro dela. Assim ela também aprende a administrar. Entrar em contato com o mundo do dinheiro desde cedo gera a consciência financeira”, afirma. 

Sâmela sustenta que a esperança de trazer esse conteúdo para crianças é que gerações futuras tenham um resultado diferente do que se tem hoje. Segundo ela, hoje mais de 70% das famílias brasileiras têm dívidas grandes e uma das maiores expectativas é reduzir esse grau de endividamento. A especialista afirma que “dessa forma, as crianças se tornarão adultos que sabem a hora correta de comprar algo, sabem como trabalhar com o crédito, em que momento pegar um empréstimo, financiamento, consórcio, entendem os cálculos que estão por trás disso, as consequências do parcelamento, entre outras coisas.”

A planejadora afirma que as instituições financeiras não ajudam as pessoas a entender a importância de investir e poupar. “Nós crescemos com falta de informação. Nosso nível de educação e de consciência é muito baixo e mesmo que hoje esse conteúdo seja encontrado na internet, é apresentado de maneira muito complexa. Se as crianças começarem a entender desde agora a importância de poupar e investir, a qualidade e o padrão de vida delas na fase adulta será melhor”, assegura Sâmela. Ela conclui dizendo que se a semente da educação financeira for plantada cedo, poderá gerar bons frutos em um futuro próximo.

You may also read!

Empresas obrigam retorno ao trabalho presencial

Funcionários que já se adaptaram ao home office têm dificuldade com a medida. Gabrielle Ramos Durante a pandemia do

Read More...

“Memórias Póstumas de Brás Cubas” faz sucesso nos EUA

O livro se encontra em primeiro lugar nas vendas da Amazon de literatura latina após viral na internet. Davi

Read More...

Japão: o centro da convergência cultural entre oriente e ocidente

Série Xógum retrata relações conflituosas no Japão antigo que permanecem preocupações econômicas e políticas no Japão contemporâneo.  Paula Orling

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu