A poesia difundida no meio virtual cresce e torna-se um fenômeno entre leitores

In Cultura, Educação, Geral

A internet tornou-se um dos maiores meios para se produzir e consumir poesia

Rayne Sá

A poesia, datada do século XVI, tornou-se um fenômeno nas redes sociais no início de 2010, quando os primeiros poetas passaram a migrar para internet. Conhecidos como “Instapoetas”, os autores compartilham seus escritos através de imagens, vídeos e até mesmo por meio de podcasts, alcançando leitores de todos os lugares do mundo.  A iniciativa era criar uma rede para que eles pudessem divulgar seus trabalhos e, assim democratizar o acesso à leitura. 

Renata Ruffo, escritora e professora, formada pela UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), iniciou na internet em 2017, com a página Litural, no Facebook e, conta que, inicialmente, seu intuito era apenas organizar e publicar seus textos, não imaginando o alcance que os escritos poderiam chegar. Naturalmente a página foi alcançando mais pessoas, até mesmo as que não tinham relação alguma com a minha bolha de conhecidos e contatos próximos”, afirma Renata. 

Rupi Kaur, autora indiana de Outros jeitos de usar a boca e O que sol faz com as flores, publicados no Brasil pela Editora Planeta, é considerada a representante da geração de “Instapoetas”. Hoje, Rupi acumula mais 4 milhões de seguidores no Instagram, lugar onde posta a maior parte de seus trabalhos, inspirando leitores e escritores de várias partes do mundo. No Brasil, nomes como Ryane Leão, Igor Pires, João  Doederlein, Saulo Pessato e Zack Magiezi são os principais responsáveis pela disseminação da poesia na internet. 

Espaço para o novo

Com uma escrita direta e sem se preocupar com as regras de métrica da Literatura Tradicional, o crescimento do acesso à poesia no meio virtual abriu espaço à acessibilidade, praticidade e economia que muitas pessoas buscam hoje em dia, além de expandir e estabelecer uma aproximação da cultura com as pessoas, visto que muitas não possuem a possibilidade de comprar livros. 

Mesmo com o acesso imediato à poesia, há espaço para os dois, isto porque dados de uma pesquisa realizada com 80 pessoas na plataforma do Instagram, em março, revelou que 33% dos usuários consomem poesia no formato digital, enquanto 47% no formato físico. Apesar de muito difundida, a poesia no meio convencional continua sendo lida. 

Na pandemia, a poesia na era digital abriu espaços e oportunidades para muitos artistas e, como consequência, possibilitou a difusão e consumo de cultura nas redes. “Graças a esse largo alcance das redes sociais, recebi muitos incentivos e percebi que a escrita, que antes eu julgava ser só minha, podia também ser compartilhada e entendida pelo mundo”, finaliza Renata Ruffo.

You may also read!

Como são medidos os terremotos?

Os sismógrafos são os instrumentos que registram as ondas sísmicas provocadas pelo movimento das placas tectônicas. Davi Sousa Dois

Read More...

Você conhece a Síndrome de Wendy?

Quando o cuidado excessivo se torna uma armadilha. Nicoly da Maia No dia a dia, muitas pessoas colocam as

Read More...

Enxaqueca aura: entenda como funciona e como tratar

Dentre os três tipos de enxaqueca, a com aura é a que se caracteriza pelas alterações sensoriais.

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu