Problemas sociais e mudanças culturais provocam aumento de procedimentos de laqueadura e vasectomia

In Geral, Saúde
Aumento de procedimentos de laqueadura no Brasil

Profissionais da saúde afirmam que a quantidade de procedimentos realizados aumentará cada vez mais.

Ana Júlia Alem

Uma pesquisa realizada pelo DataSUS, plataforma do Governo Federal que contém informações relacionadas à saúde no Brasil, aponta que em 2009 foram realizadas 26 mil vasectomias. Em 2017, o número aumentou em 123%, totalizando 53 mil cirurgias e até julho de 2018, 36 mil procedimentos já haviam sido realizados. 

Em 05 de setembro, o presidente da República, Jair Bolsonaro, aprovou a lei que reduz a idade mínima para realização dos procedimentos de vasectomia e laqueadura de 25 para 21 anos. Para quem já tem dois ou mais filhos a idade mínima não é exigida. Além disso, a norma exclui a necessidade do consentimento dos cônjuges e possibilita que a laqueadura seja realizada após o parto. A lei entra em vigor em março de 2023.

“Dadas as novas normas, estima-se que o número de procedimentos aumente ainda mais depois que a lei entrar em vigor, já que um número maior de pessoas terá acesso ao procedimento. Além disso, a sociedade está mudando, muitos jovens não querem ter filhos e preferem desenvolver sua vida profissional, também existe a questão financeira e social, tudo isso pode afetar no aumento da procura pelas cirurgias ”, explica o Urologista e Uro-Oncologista, Artur Faria. 

Procedimentos de esterilização voluntária e seus possíveis riscos

A laqueadura é um procedimento de esterilização voluntário executado em mulheres que não desejam engravidar e pode ser realizada pela abertura da cavidade abdominal ou por laparoscopia, o método menos invasivo. Durante a cirurgia, as tubas uterinas, conhecidas como trompas, são cortadas e suas extremidades são amarradas, impedindo a descida de óvulos e a entrada de espermatozoides. 

“As complicações são raras, aconteceram em uma minoria de mulheres que realizaram o procedimento. Porém, existe a síndrome pós-laqueadura, causada por problemas de circulação sanguínea, pressão dos nervos e junção entre os órgãos pélvicos. O quadro clínico pode ser caracterizado por alterações do fluxo menstrual, dor na região pélvica e lombar e síndrome da tensão pré-menstrual”, informa a ginecologista clínica e pré-natal, Lara Ganem.

A vasectomia, cirurgia realizada em homens, interrompe o fluxo de espermatozoides produzidos nos testículos, impedindo a gravidez. “A operação dura entre vinte e trinta minutos e consiste em realizar duas incisões, uma em cada lado da bolsa escrotal e cortando os ductos deferentes. Interrompendo assim, o fluxo de espermatozoides”, declara o urologista.

O médico conta que durante os primeiros dias após a realização do procedimento, é comum os pacientes sentirem certo desconforto ou maior sensibilidade na área da cirurgia, especialmente quando se movimentam. As complicações são amenizadas com repouso e medicamentos.

O que pode estar causando maior interesse em procedimentos de esterilização?

Paola Brambilla, estudante de Recursos Humanos de 18 anos, acredita que atualmente a sociedade está mais focada na vida profissional, por isso não deseja filhos e pode optar por realizar os procedimentos mesmo sem possuir uma família. Para ela, as pessoas se interessam mais em realizar seus próprios sonhos.

Paulo Octávio Peres é estudante de Direito, tem 20 anos e trabalha como estagiário jurídico da Defensoria Pública de São Paulo. Ele abraça a ideia de que as laqueaduras e outros métodos contraceptivos incisivos estão sendo cada vez mais buscados em função da evolução cultural da sociedade, o que ocasiona a redução na taxa de natalidade.

“Outro ponto são os problemas sociais. Durante o meu trabalho, atendo pessoas de baixa renda com problemas jurídicos e vejo que essas pessoas têm buscado ter menos filhos em função das dificuldades que elas têm passado, seja falta de emprego, insuficiência alimentar e outros aspectos. Acredito que muitas delas pensam que não precisam colocar outra pessoa no mundo para passar pelas mesmas dificuldades”, comenta Paulo.

Existem também pessoas como o paulista Ícaro Andrey, estudante de Medicina de 18 anos e Mariana Reberte, acadêmica de Psicologia de 19 anos que preferem a ideia de adotar a ter filhos e afirmam não precisar ter filhos biológicos para serem pai e mãe, de fato. Dessa forma, poderão dar para uma ou mais crianças uma vida diferente da que receberam.

Alternativas menos invasivas e não definitivas

Para a médica Lara Ganem, atualmente existem outros métodos contraceptivos menos agressivos e reversíveis. Tais como: pílulas anticoncepcionais, implantes anticoncepcionais, dispositivo intrauterino (DIU), camisinha feminina e masculina, anticoncepcionais injetáveis e adesivos cutâneos hormonais.

“Atualmente, existem outras opções que te libertam da escolha definitiva de ter um filho ou não, por isso é importante buscar informações seguras que o protejam. Lembrando que antes de tomar qualquer decisão, é necessária uma orientação médica para definir qual o método mais adequado, levando em consideração as condições de saúde do homem e da mulher”, finaliza a ginecologista.

You may also read!

Como são medidos os terremotos?

Os sismógrafos são os instrumentos que registram as ondas sísmicas provocadas pelo movimento das placas tectônicas. Davi Sousa Dois

Read More...

Você conhece a Síndrome de Wendy?

Quando o cuidado excessivo se torna uma armadilha. Nicoly da Maia No dia a dia, muitas pessoas colocam as

Read More...

Enxaqueca aura: entenda como funciona e como tratar

Dentre os três tipos de enxaqueca, a com aura é a que se caracteriza pelas alterações sensoriais.

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu