Séries e documentários sobre tragédias reais podem auxiliar em denúncias

In Cultura, Geral

A comercialização desse tipo conteúdo divide opiniões entre as vítimas

Lucas Pazzaglini

O crescimento de filmes e séries baseadas em tragédias reais, como a série “Todo Dia a Mesma Noite: O Incêndio da Boate Kiss“, tem levantado questionamentos com relação à relevância que é dada aos casos e as denúncias que esses produtos podem apresentar. Dividindo muitas opiniões, principalmente entre os afetados pela tragédia, a série da Boate Kiss estreou em primeiro lugar na Netflix, no começo de fevereiro. 

A recepção pelo público foi grandiosa devido, principalmente, à curiosidade sobre o caso que aconteceu a 10 anos. Ediane Falcão, estudante de Enfermagem, é um desses exemplos. “Eu assisti para saber como e porque tudo aconteceu”, conta. Ela ainda acrescenta que muitos fatos da tragédia, como a falta de prisioneiros e culpados, eram desconhecidos para ela até ver a série.

Logo que o seriado foi lançado, parte dos pais das vítimas se posicionou a favor, afirmando que seria uma forma de lutar contra o esquecimento da tragédia. O diretor jurídico da Associação de Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria (AVTSM), Paulo Carvalho, chegou a emitir uma nota em que declara a série como uma forma de “denúncia contra a impunidade”.

Alice Mendonça, estudante de Direito, tinha 11 anos na época da tragédia e conta que assistir à série a ajudou a ver a situação de forma mais humana e próxima. “Eu já sabia do terror que a tragédia da Boate Kiss era, mas a série me impactou muito ao demonstrar como a justiça foi ineficiente, desumana e injusta no pós julgamento”, relata.

O movimento contrário

Apesar da boa receptividade por parte dos fãs e familiares, um movimento contrário também surgiu. Sendo representadas pela advogada Juliane Muller Korb, cerca de 40 famílias abriram um processo contra a produção, acusando-a de comercializar a tragédia.

Outros pontos abordados pelas famílias são: a falta de consulta antes de realizar a série, a mistura entre fatos e ficção e o desencadeamento de gatilhos pelas lembranças. Esse movimento frisa também que não quer o esquecimento da tragédia, mas não aprova a forma que a série foi feita. 

A ação judicial encabeçada pelo movimento contra a Netflix ainda não teve resolução, mas os pais não pedem indenização própria e sim a construção de um memorial da tragédia em Santa Maria. Além disso, apresentarão requisitos com relação a danos morais e sequelas médicas. 

Outras formas de abordagem

Enquanto a série dividiu opiniões, o documentário “Boate Kiss: A Tragédia de Santa Maria” lançado pela Globoplay, na mesma semana, foi recebido bem pelos dois grupos de pais. O movimento que busca processar a Netflix evidenciou o desejo de manter a memória viva por meio de produções mais jornalísticas, o que foi cumprido durante a produção sobre a tragédia feita pela Globoplay. 

Na obra, pais e familiares são entrevistados e ainda são apresentadas imagens de arquivos da tragédia, tornando tudo mais real e evidente. O documentário não é recomendado para todos os públicos por ter cenas muito fortes do ocorrido. 

A doutora em Comunicação Andréia Moura ainda ressalta que optar pelo meio audiovisual nem sempre vai ser a melhor escolha para a representação de crimes ou tragédias. “Às vezes há outros caminhos e linguagens que atendam melhor ao problema. O audiovisual é o caminho com maior acesso e debate, mas isso não significa que é a melhor plataforma”, explica Andréia. 

Ela ainda comenta que existem muitos filmes e séries que são produzidos com a premissa de denunciar um determinado crime ou tragédia, mas fogem totalmente do prometido, apenas pensando no comercial. “Alguns produtos acabam apresentando o crime de uma forma completamente sensacionalista, pouco esclarecedora, com um viés de reflexão muito pequeno, simplesmente para aguçar a curiosidade do espectador”, afirma. 

Impacto no público

A forma que a tragédia foi exposta pelos dois produtos, apesar do desagrado de um grupo, abriu uma oportunidade de reflexão sobre o assunto e esclarecimento da tragédia. “A série trouxe a realidade à tona para todos e expôs a falta de justiça”, afirma Ediane, além de dizer que muitos detalhes sem atenção vieram à luz do público e causaram uma comoção geral. 

Alice concorda com a afirmação, enfatizando a relevância de denúncias de crimes e tragédias via mídias televisivas e digitais. “Acredito demais na importância de divulgar em mídias sobre os crimes no geral, sobre a justiça aplicada e na visualização da humanidade que existe ali. Isso promove uma catarse importante e denuncia as milhares de possibilidades de tragédias nos dias de hoje”, encerra a estudante. 

You may also read!

Dengue e Covid: os diferentes sintomas das doenças

Febre e dor de cabeça são sintomas comuns, e especialistas apontam quais devemos nos alertar.  Davi Sousa O Brasil

Read More...

Como as microssonecas afetam nossa saúde

As “inofensivas” sonecas que duram apenas segundos podem significar uma péssima rotina de sono. Nicoly da Maia As microssonecas

Read More...

Governo lança programa com investimentos de R$ 700 milhões para Amazônia

A parceria com 70 municípios prevê a redução de desmatamentos e incêndios zero até 2030 na Amazônia. Elinelma Vasconcelos

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu