67,9 milhões de brasileiros estão endividados, aponta SERASA

In Economia, Geral

São Paulo liderou o número de inadimplentes, com 16.072.592. Roraima foi o estado com menos endividados, 214.557. Confira aqui se seu nome está na lista.

Fernanda Reis

Segundo dados do Serasa, o Brasil registrou um total de 67,9 milhões de inadimplentes em agosto deste ano, o maior número de endividados desde 2016, quando o levantamento começou. Bancos e cartões são responsáveis pela maioria das dívidas, 28,8% do total.

Contudo, a instituição ressalta que o mês registrou um elevado número de negociações de dívidas, que chegou a 2,8 milhões de débitos, o que deu um freio ao crescimento das dívidas em atraso.

O que está acontecendo?

De acordo com a economista Juliana Gonçalves, um dos fatores que tem contribuído para alto número de brasileiros endividados seria a falsa ideia do alto poder de compra que se dá após receberem benefícios como o saque do FGTS, antecipação do 13° salário, o aumento de crédito no mercado e auxílios diversos. “Com a alta inflação e a falta de planejamento financeiro e da formação de uma reserva de emergência, essas famílias se comprometem de tal forma que não conseguem honrar seus compromissos”, afirma.

Esta é a realidade da Pedagoga Alice Santos, que está com nome negativado por ter usado o Cartão de Crédito, ter ficado desempregada e não conseguir quitar as dívidas. “O Cartão de Crédito é um caminho sem volta. Quando o dinheiro em espécie acaba, a alegria de ter limite no cartão é boa. Passa as coisas quem nem pensa no mês que vem, mas depois vem as consequências”, conta. Alice tentou uma negociação, no entanto as parcelas ainda estavam altas e não conseguiu manter em dia o pagamento.

Fato também vivenciado pela universitária Mylena Silva. A estudante pagou três parcelas da faculdade no crédito, acreditando que depois teria o dinheiro, no entanto, não está conseguindo pagar as faturas. “O cartão me deu uma falsa segurança que lá na frente eu teria o valor, no entanto, não saiu como o planejado, agora é correr atrás do prejuízo”, declara.

Qual a solução?

Para a economista, os brasileiros compreendem pouco sobre o funcionamento das empresas de serviço de proteção ao crédito, como SPC, SERASA, assim como sobre educação financeira.

Com o orçamento mensal apertado, o brasileiro tem recorrido ao parcelamento das dívidas, no entanto Juliana adverte: “Nem sempre o parcelamento máximo é a melhor saída, se houver cobrança de juros, por exemplo, pode não ser vantajoso, é preciso analisar as opções e verificar as vantagens e se está dentro do perfil adequado de cada indivíduo”.

A economista ainda salienta que ao parcelar no cartão de crédito, é preciso analisar se o valor da parcela cabe no orçamento, prever gastos emergenciais e nunca pagar o mínimo da fatura, pois os juros são muito altos.

“É necessário, além de conhecer bem as receitas e despesas pessoais, planejar com cautela os gastos, não esquecer a reserva de emergência, poupar e sempre que possível procurar efetuar pagamentos à vista, pois há possibilidade de bons descontos”, finaliza.

You may also read!

“Memórias Póstumas de Brás Cubas” faz sucesso nos EUA

O livro se encontra em primeiro lugar nas vendas da Amazon de literatura latina após viral na internet. Davi

Read More...

Japão: o centro da convergência cultural entre oriente e ocidente

Série Xógum retrata relações conflituosas no Japão antigo que permanecem preocupações econômicas e políticas no Japão contemporâneo.  Paula Orling

Read More...

Entenda a polêmica da PEC das praias

A polêmica levou o relator da proposta no Senado, Flávio Bolsonaro, a afirmar que vai alterar o texto da

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu