Alesp proíbe a venda de animais em petshops e sites de São Paulo

In Economia, Geral

Projeto de lei estabelece que cães, gatos e pássaros sejam vendidos apenas por criadouros registrados.

Fernanda Reis

A Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou em agosto um projeto de lei que proíbe a venda de animais em petshops e sites. Com a nova medida, a venda de animais só poderá ser realizada por criadores que possuam o Cadastro Estadual do Criador de Animal (Ceca), e deverá ser fiscalizada pelo governo estadual.

De autoria do deputado estadual Rafael Saraiva (União Brasil), o texto aguarda a sanção do governador Tarcísio de Freitas (Republicanos). Na proposta, somente a adoção de animais permanece liberada.

Pelo bem dos animais

Uma das principais motivações da aprovação da lei é a preocupação sobre as condições, muitas vezes precárias, nas quais os animais são mantidos em criadouros e a busca por incentivos à adoção em abrigos e centros de resgate. A criação do Cadastro de Criadouros buscará reunir estabelecimentos habilitados à venda de animais, possibilitando o combate ao crime de maus-tratos.

Segundo o deputado Rafael Saraiva, os animais permanecem por longas horas expostos ao público geral em locais impróprios que prejudicam a sua saúde e o seu bem-estar, ocasionando estresse e traumas ao animal. “Geralmente, os animais expostos são filhotes ainda não vacinados, fator preocupante que os expõe a diversas doenças e infecções das quais ainda não foram imunizados”, afirma.

Perspectivas divergentes

Enquanto a lei é sancionada, João Marcos, funcionário de um petshop no interior de São Paulo demonstra preocupação sobre o impacto econômico, pois acredita que o mercado movimenta muito dinheiro. “Essa base do texto é sem cabimento, esse não é um mercado desumano. Existem milhares de criadores recreativos, é muita gente envolvida”, afirma. Para João, o projeto terá dificuldade de ser efetivado.

A amante de animais Ludmilla Panaíno não tem uma opinião formada sobre o assunto. De um lado, concorda com a lei. No entanto, os criadores oferecem maior variedade de raças, que com a adoção não se consegue obter. “Eu fui em várias feiras de adoção e nenhuma encontrei a raça que queria, só achei para comprar”, relata. Ludmilla comprou um cachorro de um canil um mês antes da lei ser aprovada e desconhece sua certificação.

Com a nova lei, a venda de animais por pessoa física também é proibida e os animais têm que dispor de um laudo médico veterinário atestando boas condições de saúde, além de estar castrados e vacinados. Em caso de descumprimento das medidas previstas em lei, o transgressor pode perder, temporariamente, o cadastro e poderá ser multado em até 20,5 mil reais.

You may also read!

Como são medidos os terremotos?

Os sismógrafos são os instrumentos que registram as ondas sísmicas provocadas pelo movimento das placas tectônicas. Davi Sousa Dois

Read More...

Você conhece a Síndrome de Wendy?

Quando o cuidado excessivo se torna uma armadilha. Nicoly da Maia No dia a dia, muitas pessoas colocam as

Read More...

Enxaqueca aura: entenda como funciona e como tratar

Dentre os três tipos de enxaqueca, a com aura é a que se caracteriza pelas alterações sensoriais.

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu