Brasileiras vão à Coreia em busca do romance digno de cinema

In Cultura, Geral, Mundo

Fãs acreditam nas impressões que têm nos produtos coreanos e vão ao país em busca dos homens com as características dos personagens que idolatram.

Paula Orling

As produções sul-coreanas têm ganhado muita popularidade no Brasil, mas não é apenas “Round 6” que está presente nas telinhas brasileiras. Os romances “slow burn” coreanos também são muito aclamados. Trazendo uma inocência quase infantil, a trama de amor acontece muito lentamente e os espectadores podem esperar o primeiro beijo do par romântico apenas depois de vários episódios.

Produções como “Pousando no Amor”, “Something in the Rain”, “Pretendente Surpresa” e “Descendentes do Sol” trazem grandes clichês dos relacionamentos, que produzem euforia em qualquer engajado com a trama. Os famosos “doramas” (termo japonês que significa “drama” e é utilizado como sinônimo dos dramas coreanos, os k-dramas) enchem os corações dos apaixonados e projetam um ideal de romance perfeito, especialmente para as brasileiras em busca do namorado ideal.

Saindo das telas e indo para os fones de ouvido e para as caixinhas de som, a música coreana também é popular por aqui. O famoso k-pop – o pop coreano – vem ganhando peso nos últimos anos. Bandas como BTS, The Rose, Straykids, Blackpink, Enhypen, TXT e Twice mostram que, apesar da diversidade de personalidades presentes nestas bandas, as masculinas mantêm, de longe, maior popularidade.

A banda masculina BTS, por exemplo, é o grupo mais transmitido no Spotify, ultrapassando os números da banda britânica Coldplay. Eles também são o grupo mais seguido no Instagram, além de receberem prêmios no Billboard Music Awards com frequência. A banda possui ainda muitos recordes.

“Efeito Netflix” 

A pesquisadora Min Joo Lee, da Indiana University Bloomington, estuda a respeito do amor das ocidentais pelas novelas coreanas e fala sobre seus resultados à CNN. Ela analisou o perfil de brasileiras que se hospedam em hostels coreanos. Notou que as visitantes, principalmente por volta dos 20 anos, não buscavam as rotas turísticas tradicionais.

Ao invés disso, passavam o dia assistindo às novelas tradicionais coreanas, esperavam anoitecer para sair pelas ruas de Seul, em busca do romance digno dos telões de cinema. A este fenômeno, Min Joo deu o nome de “Efeito Netflix“. 

De acordo com dados sobre a imigração divulgados pelo próprio governo da Coreia do Sul, em 2005, 2,3 milhões de mulheres visitaram o país, em comparação com 2,9 milhões de homens. Em 2019, por outro lado, 10 milhões de mulheres foram à Coreia, enquanto apenas 6,7 milhões de homens viajaram para lá.

Percepção das fãs no Brasil

O amor das estrangeiras pelos coreanos – principalmente os do sexo masculino – não está apenas nos hostels coreanos, mas também no cotidiano do Brasil. Um estudo realizado pelo Ministério da Cultura, Esportes e Turismo, realizado em 18 países pela Fundação Coreana para Intercâmbio Cultural Internacional, aponta que o Brasil é o terceiro país que mais consome doramas, ficando atrás apenas da Malásia e da Tailândia. Ao analisar as Américas, o Brasil lidera o ranking de fãs das produções.

Para a paraense Hadassa Machado, a maior vontade é conhecer o artista do BTS Kim Taehyung. Sendo fã de doramas, ela acredita que “os homens coreanos têm um comportamento totalmente diferente do que estou acostumada no Brasil. Eles são bastante respeitosos e têm o dom nato de cantar.”

Ela ainda comenta que sonha em ter a chance de visitar a Coreia do Sul, conhecer a ilha de Jeju, o rio Han, apreciar a culinária e, se possível, se aproximar das pessoas.

Origem do amor brasileiro pela cultura coreana

Na década de 1990, a “onda coreana” – hallyu, em coreano – levou a cultura do país para o mundo. A iniciativa foi governamental, com o objetivo de atrair turistas, além de gerar mais empregos nos setores artísticos.

Este momento para a história coreana sucedeu um século trágico para a nação. Apenas no século XX, o país passou pela ocupação japonesa, que durou 35 anos, e perdeu 2,5 milhões de cidadãos para a Guerra das Coreias. Foi ao final dos anos 1980 que a democracia voltou para a nação e, em seguida, a cultura passou a ser pauta de grandes investimentos e a esperança de reerguimento social no cenário mundial.

A popularização da internet e o surgimento das plataformas de streaming também são aspectos que facilitaram a difusão da cultura coreana ao redor do globo. Em 2021, por exemplo, a Netflix investiu US$ 600 milhões em obras coreanas, de acordo com dados divulgados pela plataforma.

Sobre a influência desta cultura nas redes sociais, no YouTube, a hashtag “#Gukjecouple” (“#casal internacional”) é um gênero de conteúdo que engloba mais de 2.500 canais e 34.000 vídeos. Nestes produtos, aparecem homens coreanos vivendo um romance com mulheres ocidentais, normalmente americanas ou europeias.

Fora do Brasil

Além do Brasil, meninas e mulheres de outros países do ocidente também manifestam sua valorização quanto à cultura coreana. Sarah Moraes nasceu em Maryland e morou a maior parte da sua vida nos Estados Unidos. Ela se considera multi stan – título para quem se engaja com mais de um grupo – e também é fã dos dramas coreanos. Ela comenta que tem muita vontade de conhecer alguns dos seus artistas favoritos, mesmo que muitos: “alguns já seriam suficientes para matar a vontade”, brinca.

Sobre os personagens masculinos do cinema coreano, ela sente “que o que se passa na televisão, tanto em dorama, quanto em kpop, é uma visão de perfeição desse personagem masculino, em que eles possuem padrões de beleza e caráter perfeitos”. Ela ainda admite que tem dúvidas quanto à realidade desta percepção.

Desconfiança

Mas é claro que nem todas as fãs são levadas pelas impressões que o cinema traz. A paulista Emily Cardoso discorda do estereótipo que os doramas trazem a respeito dos homens coreanos. “Sinceramente não coloco muita expectativa neles [coreanos]. Para mim, são pessoas ‘normais’, como em qualquer outra cultura. Infelizmente, por conta dos doramas, há uma distorção da imagem deles, mas acredito que são iguais aos brasileiros, dizendo de uma forma brusca”, opina.

Para a coreana Kim Yeeun, a opinião das fãs que acreditam na perfeição dos homens coreanos chega a ser engraçada. “Geralmente os homens coreanos que as pessoas têm como base são fofinhos e perfeitos, mas a realidade não tem nada a ver com a série”, explica. Ela acrescenta que, pessoalmente, não tem muito interesse em se relacionar com coreanos porque, na prática, enxerga características iguais entre coreanos e cidadãos de outras culturas.

Coreia atrai mais turistas brasileiros.
O ideal de um homem educado, como dos Doramas, tem chamado a atenção de brasileiras.

You may also read!

Jovens se sentem mais felizes sem o celular, diz pesquisa

Entenda como os adolescentes lidam com o tempo de tela. Luiza Strapassan O uso do celular entre os jovens

Read More...

Programas de exercícios melhoram a qualidade de vida de pacientes com câncer de mama metastático

A atividade física é benéfica para pacientes com câncer de mama avançado, melhorando a qualidade de vida, reduzindo a

Read More...

Hábito de roer as unhas atinge até 30% da população global

Roer as unhas pode parecer uma reação normal ao estresse e ansiedade, mas pode apresentar nocividade à saúde. Eduardo

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu