Consumo de marmitas caseiras cresce entre os trabalhadores

In Economia, Geral, Saúde
Marmita caseira está em alta entre trabalhadores

O aumento de preço em restaurantes de pratos por quilo e o prato feito tem crescido entre 14% e 17%, fazendo com que os trabalhadores optem pela própria marmita.

Nycole de Souza

Segundo pesquisas, trabalhadores estão optando por fazer a própria marmita ao invés de ir a restaurantes todos os dias da semana. Empresas que fornecem vale-refeição não estão suprindo o valor para que os empregados consigam chegar ao final do mês almoçando no comércio local. Para eles, compensa mais fazer as compras do mês, e desses alimentos separar uma parcela para o horário do almoço em suas refeições diárias.

O aumento de preços nos pratos feitos, e em restaurantes de pratos por quilo, está entre 14% e 17%. Uma pesquisa feita pelo Jornal Nacional aponta que 65% dos brasileiros têm levado marmita para seu trabalho, o dobro em relação ao ano de 2019. Atualmente, para os funcionários é mais vantajoso economizar o valor dado para o auxílio refeição, que não tem durado por mais de 13 dias, e o usar por um ou dois dias por semana no máximo.

A inflação tem feito os donos de restaurantes aumentarem o valor das refeições, com isso dificultando o consumo diário nos mesmos. Além disso, o segredo de uma boa marmita para que se sinta bem e saciado é sempre temperar muito bem sua alimentação. Não repetir sempre os acompanhamentos e fazer porções que deem para congelar, assim a pessoa poderá fazer apenas uma vez na semana e economizar o tempo entre chegar do trabalho e poder descansar.

A economista Nayara Fernanda, de Rondônia, comentou que os primeiros a serem afetados são os consumidores. A inflação tem gerado o aumento de preços e impactado diretamente no bolso das famílias brasileiras. “Quando se refere a inflação, que é o aumento generalizado dos preços, é importante que nós olhemos por dentro da ótica sobre o que aconteceu e o que influenciou”, esclarece. 

No Brasil os reflexos da inflação podem ser vistos por três óticas. O cenário pandêmico, a guerra no leste europeu entre Ucrânia e Rússia, e o clima desfavorável que tem causado uma grande perda de alguns dos alimentos e gerado um reflexo grande nas prateleiras. Infelizmente, a maior parte da população é formada por pessoas de baixa e média renda, com trabalhos formais e informais, e que precisam se deslocar para suprir suas demandas domésticas. O preço dos produtos influencia muito no resultado final do trabalhador, pois impacta diretamente no bolso dessas famílias.

Com esse cenário, a melhor opção é levar a marmita de casa, fazendo na janta e esquentando no horário de almoço. Para os donos de restaurantes, o aumento no supermercado não consegue manter a permanência do preço das marmitas, pois eles precisam fazer reajustes para manter o capital de giro e assim manter sua demanda.

“Uma dica que eu deixo para todos os trabalhadores é, vamos economizar, se existe a possibilidade de conseguir trazer sua marmita de casa para o trabalho, no final você terá uma boa economia, vamos aguardar a economia tomar um novo ponto de equilíbrio”, finaliza Fernanda.

Gabriel Fernando é editor da empresa M. Mais, agência de comunicação em Artur Nogueira e leva sua própria marmita todos os dias para seu trabalho. “Eu não recebo o auxílio refeição, trago por ser mais econômico”, explica. Ele comenta que em todos os lugares em que trabalhou sempre preferiu levar o seu almoço e economizar o vale usando em outras ocasiões.

A coordenadora do restaurante McDonald ‘s em Brasília-DF, relata o motivo de ter começado a levar marmita para seu trabalho.” A comida daqui não é muito boa e passei mal as vezes em que comi”, relembra. Ela comenta que compensa muito mais se recebesse o auxílio de sua empresa, pois ajudaria não só para levar uma comida com mais qualidade, sabendo o modo como foi feita e com mais higiene, como também ajudaria nas despesas alimentares de sua casa.

You may also read!

Empresas obrigam retorno ao trabalho presencial

Funcionários que já se adaptaram ao home office têm dificuldade com a medida. Gabrielle Ramos Durante a pandemia do

Read More...

“Memórias Póstumas de Brás Cubas” faz sucesso nos EUA

O livro se encontra em primeiro lugar nas vendas da Amazon de literatura latina após viral na internet. Davi

Read More...

Japão: o centro da convergência cultural entre oriente e ocidente

Série Xógum retrata relações conflituosas no Japão antigo que permanecem preocupações econômicas e políticas no Japão contemporâneo.  Paula Orling

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu