Cosplay: a cultura além das fantasias

In Cultura, Geral

A linguagem do mundo pop vem sendo traduzida para o mundo real através do cosplay.

Julia Viana

Segundo o dicionário online Significados, Cosplay é um termo em inglês, formado pela junção das palavras costume (fantasia) e roleplay (brincadeira ou interpretação). Esse é um hobby que por muitas vezes se torna uma profissão, em que as pessoas se fantasiam de personagens de mangá, games, anime e do mundo pop atual. 

Com a popularização dos animes e mangás japoneses no ocidente nos anos 90, o cosplay foi relacionado a caracterização desses personagens. Mas o equívoco mais comum é achar que os cosplayers só estão ligados à cultura pop japonesa. Mesmo muitas pessoas fazendo cosplay, principalmente com esses personagens, essa prática não é exclusiva deles, pois quadrinhos, jogos e filmes também fazem parte.

Uma das principais ideias desse estilo é a sua caracterização, dando mais vida e realidade a personalidade do personagem que a pessoa quer se tornar, aprendendo todas as características do indivíduo e utilizando as suas roupas. Dessa forma, é muito comum ver vestimentas e acessórios que são produzidos pelos próprios cosplayers se baseando na ideia do “Do It Yourself” (DIY), que no português é traduzido para “faça você mesmo”.

Eventos comemorativos

Os eventos cosplay são ocasiões em que os fãs se reúnem para celebrar essa prática, exibir seus trajes e interagir com outros fãs. A organização de convenções e feiras, por serem eventos maiores, é bem mais complexa. É preciso pensar em elementos como local, hora e data da realização, atrações interativas para o público, levantar fundos para que isso seja possível (apoios, patrocínios, venda de ingressos, parcerias, etc.).

A Comic Con Experience (CCXP) é um grande exemplo desses eventos, no qual, segundo próprio site diz ser, é um lugar onde todos os crossovers são possíveis e reais. Ela é um evento brasileiro de cultura pop, sendo um remake da San Diego Comic-Con, que acontece nos Estados Unidos. O evento norte-americano começou em 1970, mas no Brasil foi realizado pela primeira vez em 2014  pelas equipes do site Omelete, da Piziitoys e pela agência Chiaroscuro Studios.

A empresa Anime Fair Eventos surgiu em 2014 e foi idealizada pelo Leonel Andreoli com a ideia de organizar eventos geek, quando estava cursando a faculdade de Turismo e Hospitalidade em 2010. “A princípio não pensava em abrir uma empresa, mas ao organizar o primeiro evento, em 2014, percebi que ter um CNPJ poderia facilitar muitos aspectos da realização de um evento, além de transmitir uma imagem mais profissional a potenciais investidores”, destaca. 

Cosplayers 

O prazer de se fantasiar e a identificação com o personagem levam as pessoas a começarem a frequentar eventos de cosplay. Thalia Freitas faz cosplay desde 2013 e conheceu o mundo do cosplay através dos animes, e desde então foi paixão à primeira vista. “Me apaixonei pela arte e desde então quis fazer. Cosplay é a parte da minha vida que eu me identifico como algo que eu amo”, acrescenta. 

Para Thalia todo mundo pode fazer cosplay, desde que goste e se sinta bem. Já o Leonel destaca que outra coisa importante de saber antes de ir para um evento geek é que cosplay é diversão e paixão. “Você veste o traje de um personagem porque você se identifica com ele, porque gosta de algo nele”, pontua. 

A sensação que a Thalia sente ao participar desse mundo é muito boa, pois é um lugar onde as pessoas têm os mesmos objetivos que ela. “É onde vejo um nicho de pessoas com gostos parecidos com os meus, que não tem vergonha dessa arte e que me entendem”, cita.

Foto: Arquivo pessoal

You may also read!

Como as microssonecas afetam nossa saúde

As “inofensivas” sonecas que duram apenas segundos podem significar uma péssima rotina de sono. Nicoly da Maia As microssonecas

Read More...

Governo lança programa com investimentos de R$ 700 milhões para Amazônia

A parceria com 70 municípios prevê a redução de desmatamentos e incêndios zero até 2030 na Amazônia. Elinelma Vasconcelos

Read More...

A luta de Duna contra a inteligência artificial

Saga de Duna, escrita por Frank Herbert, mostra superação das máquinas e da inteligência artificial em favor da humanização

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu