Decisão de não ter filhos cresce no Brasil

In Geral, Saúde

Existem diversos motivos que levam os casais a tomar essa decisão.

Bruno Sousa

Um dos questionamentos que se faz presente na vida dos casais é a questão de ter ou não filhos. Um estudo publicado recentemente divulgou que cerca de 45% das mulheres não sabem ou não pretendem ter filhos. Essa escolha está concentrada, em maior parte, na faixa dos 25 aos 29 anos, em que 23% das entrevistadas disseram que não pretendem ser mães.

Polêmica  

Um movimento chamado Childfree (livres de crianças), que surgiu nos Estados Unidos no ano de 1976, defendia a ideia de que ter filhos é uma escolha e não uma obrigação. Voltado principalmente para mulheres que se sentem pressionadas a ter filhos, o grupo se espalhou e chegou a diversos lugares do mundo.

Recentemente, o movimento se tornou radical e se converteu a um grupo de pessoas que não querem contato com os filhos dos outros em lugares públicos. Com essa proporção, o desejo de não ter filhos pode estar ligado a movimentos feministas e a preocupação ambiental, eles acreditam que com a diminuição da humanidade, o impacto no planeta será sentido.

O que influencia essa decisão?

Quando o assunto de não ter filhos é discutido entre um casal, as decisões são diversas e bastante particulares. A psicóloga Anna Flavia explica que “entre os motivos mais comentados, costumam estar o desejo em manter sua liberdade, o foco na realização profissional e objetivos pessoais”. Outras questões também são apontadas, como problemas relacionados à infância e criação de uma criança e o planejamento financeiro a longo prazo.

Com esse crescimento de casais optando por essa escolha, desavenças podem ser causadas. Mas, Anna Flavia comenta que quando a decisão em que ambos estão de acordo, os riscos e prejuízos costumam ser baixos. “Isso porque é comum que exista um foco maior na vida conjugal, nos interesses em comum e nos projetos de vida,” observa a psicóloga.

Nossa escolha 

O casal Mircéa e Moacir tomaram a decisão de não terem filhos. Eles já estão há oito anos casados e comentam quais são os motivos que levaram à essa alternativa. “Optamos por esse caminho devido alguns fatores, entre eles o peso da responsabilidade da educação de uma criança no mundo atual, as restrições à vida que a criação de uma criança impõe, falta de desejo”, explicam. Além disso, ele acrescenta que para encarar os desafios que uma criança traz é necessário ter muita convicção de querer isso.

Para o casal, existem pontos positivos nessa escolha. “É reconfortante não ter o peso dessa responsabilidade. Além disso, a vida conjugal e social do casal é mais leve, possibilitando a realização de outros planos pessoais,” enfatizam. De acordo com eles, o filho mudaria praticamente tudo na vida dos cônjuges, desde o planejamento orçamentário até a rotina diária de trabalho, estudo e lazer.

O futuro da humanidade

Segundo o IBGE, a taxa de fecundidade no Brasil vem caindo desde a década de 1970. Esse índice se refere a uma estimativa do número de filhos que uma mulher terá ao longo da vida. Em 1990 a taxa era de 2,9 filhos por mulher, ao longo dos anos diminuiu e até 2034 a estimativa é de queda pelos próximos 30 anos.

Se olharmos para o passado, ter filhos era mais fácil pelo estilo de vida presente e condições que cada família se encaixava. Atualmente, essa realidade mudou ,e se continuar nessa fase, como as estatísticas apontam, qual será o futuro da humanidade? 

O historiador Alan Gracioto comenta que “isso se dá pela visão contemporânea da individualidade, não se tem aquela preocupação de levar adiante o nome da família, como existia no passado. Isso pode gerar um impacto na economia, porque se não tem mão de obra, não tem recursos”, conclui.

You may also read!

Os encantos históricos de Siwa: uma alternativa tranquila aos destinos turísticos tradicionais

Paula Orling O Egito é famoso por suas atrações turísticas tradicionais que enchem os olhos dos visitantes. Realmente é

Read More...

Como são medidos os terremotos?

Os sismógrafos são os instrumentos que registram as ondas sísmicas provocadas pelo movimento das placas tectônicas. Davi Sousa Dois

Read More...

Você conhece a Síndrome de Wendy?

Quando o cuidado excessivo se torna uma armadilha. Nicoly da Maia No dia a dia, muitas pessoas colocam as

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu