Estudo mostra que crianças expostas a telas sofrem atrasos no desenvolvimento

In Ciência e Tecnologia, Geral

A OMS e a Academia Americana de Pediatria emitiram diretrizes que recomendam a limitação de telas para crianças de 2 a 5 anos. 

Camylla Silva

Seja assistindo televisão, jogando videogame ou usando celulares e tablets. Falar de excesso de telas é uma realidade que atinge milhares de crianças e adolescentes. Segundo um novo estudo publicado no The Journal of the American Medical Association Pediatrics, crianças de 1 ano expostas a mais de quatro horas de tela por dia apresentam atrasos no desenvolvimento, habilidades de comunicação e resolução de problemas dos 2 aos 4 anos de idade.

A pesquisa também mostrou que crianças de 1 ano que foram expostas a mais tempo de tela que outras apresentaram atrasos aos 2 anos no desenvolvimento de habilidades motoras, pessoais e sociais. Mas esses atrasos pareciam se dissipar aos 4 anos de idade.

Para garantir que as crianças pratiquem atividade física e sono adequado, a Organização Mundial da Saúde e a Academia Americana de Pediatria emitiram diretrizes que recomendam limitar o tempo de tela, incluindo 1 hora por dia para crianças entre 2 a 5 anos.

No entanto, uma meta-análise recente relatou que apenas uma pequena proporção de crianças cumpre estas diretrizes. Além disso, o tempo de tela das crianças aumentou nos últimos anos devido à rápida disseminação dos dispositivos digitais e à pandemia de COVID-19. 

As pesquisas conduzidas por estudiosos no Japão se baseiam na análise de questionários aplicados a quase 8 mil pais de crianças. Somente 4% dos bebês foram expostos a telas por quatro ou mais horas por dia, enquanto 18% foram examinados duas a menos de quatro horas de tela por dia e a maioria durante menos de duas horas. 

Em geral, o estudo mostrou que crianças com maior tempo de tela nascem de mães jovens e de primeira viagem, com menor renda e escolaridade e sofrem de depressão pós-parto.

Real ou virtual?

Segundo Iuri Victor Capelatto, psicólogo especialista em neuropsicologia aplicada à neurologia infantil, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), os bebês nascem com imaturidade neurológica para compreender totalmente as informações do meio. Para seu desenvolvimento, eles necessitam de estímulos sensoriais e afetivos, além da segurança física e emocional. 

“Eles ainda não têm maturidade para compreender o mundo virtual, recebendo as informações das telas (celular, tablets, computadores, televisores etc.), como se fossem reais, não sabendo discernir o real do virtual, gerando uma perda da noção de realidade”, enfatiza o psicólogo.

Catherine Cavalcante, mãe de dois filhos com idades entre dois e sete anos, apresentou preocupação ao relatar que ficou desconfortável após sua mãe deixar a filha de quatro meses exposta à TV. “Depois que eu olhei para minha filha (mais nova) estática sem expressão nenhuma na frente da televisão aquilo me incomodou muito porque eu chamava várias vezes e ela não me olhava”, revela. 

Apreensiva, Catherine buscou informações em sites que abordam o tema e pesquisas sobre os impactos das telas para crianças. “Eu fiquei apavorada com isso e procurei saber mais na internet, com pesquisas atrás de pesquisas, e no fim encontrei dicas que me auxiliaram a cuidar quanto ao perigo das telas, domínio das tecnologias e aos limites”, destacou.

De acordo com a pediatra Camila Chevis, do Instituto Glia focado em neurologia e desenvolvimento, o uso de dispositivos digitais por crianças e adolescentes atualmente é uma realidade difícil de ser modificada e é preciso ter muito cuidado. “Crianças menores de 2 anos devem evitar ao máximo essa exposição uma vez que traz mais riscos do que benefícios”, acrescenta. “Atividade física e tarefas de casa devem ser priorizadas, assim como o tempo junto com os filhos é o melhor substituto das telas”, aconselha a pediatra.

Iuri também alerta que “a necessidade de dar telas para as crianças é mais uma angústia dos pais do que uma necessidade real da infância. Então, sempre que puderem, participem das atividades, brinquem e aproveitem o tempo que passa rápido”, finaliza.

You may also read!

Dengue e Covid: os diferentes sintomas das doenças

Febre e dor de cabeça são sintomas comuns, e especialistas apontam quais devemos nos alertar.  Davi Sousa O Brasil

Read More...

Como as microssonecas afetam nossa saúde

As “inofensivas” sonecas que duram apenas segundos podem significar uma péssima rotina de sono. Nicoly da Maia As microssonecas

Read More...

Governo lança programa com investimentos de R$ 700 milhões para Amazônia

A parceria com 70 municípios prevê a redução de desmatamentos e incêndios zero até 2030 na Amazônia. Elinelma Vasconcelos

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu