Minhas roupas não são descartáveis, não!

In Cultura, Geral, Meio Ambiente
Guarda-roupas organizado

Descubra uma alternativa para uma vida sustentável que contraria a cultura do consumismo. 

Sâmilla Oliveira

O paradoxo entre dizer “não tenho roupa” na hora de sair e não ter mais onde colocar tantas peças dentro do armário é recorrente. O que você provavelmente não sabe, é que de acordo com a ONG WRAP, só um terço do seu guarda-roupa é usado durante um ano. Com um pouco de sinceridade, admitimos que esse dado faz sentido. Mas por que isso acontece? 

A consultora de estilo, Ana Vaz, em entrevista concedida à revista Marie Claire, afirma que a grande questão está no consumo de roupas por impulso ou na compra sem planejamento. Segundo ela, comprar algo fora do seu estilo pela emoção do momento é um dos fatores que culminam no “eu não tenho nada para usar!”

O mercado está pronto para criar a todo momento tendências que estimulem o consumo. Uma pesquisa da eCicly aponta que o comportamento consumista na moda foi planejado pelo mercado. Será que você percebe o vício?

Você compra e joga fora

O fenômeno fast fashion é um sistema em que as roupas são fabricadas, consumidas e descartadas o tempo todo e muito rápido. Como isso acontece? É simples: as empresas observam que as pessoas consomem marcas famosas e fabricam modelos cópias em grande quantidade, mas com baixa qualidade. E é assim que você compra muito, compra rápido e quando a peça desbota ou rasga, corre na primeira promoção que vê para comprar mais. 

A eCicly a mostra que atrás desse compra-compra estão 11,2 milhões de toneladas de tecidos têxteis que vão parar em aterros sanitários. Sim! Nem as peças doadas para a caridade se salvam. Mesmo que o destino das suas roupas pouco usadas não seja o aterro, elas provavelmente estarão em um país em desenvolvimento, ou em um mercado superlotado sendo vendidas por um preço minúsculo. 

A dica é: antes de jogar fora, pense em como reciclar e prolongar a vida das suas peças. Investir em qualidade é a chave. Seguir a cultura fast fashion não implica apenas na má qualidade das peças que fazem parte da sua vida, mas também prejudica o planeta. Como assim? 

Acontece que, de acordo com a pesquisa da eCicly, essas peças são usadas por menos de 5 vezes e geram 400% mais emissões de carbono do que peças normais, que são usadas por cerca de 50 vezes. E não para por aí: a emissão de carbono não é o único malefício. A produção de fibras têxteis demanda desmatamento, utilização de fertilizantes, agrotóxicos, extração e transporte de petróleo. Além disso, essa produção em larga escala da fast fashion incentiva o trabalho escravo nos países da Ásia. Assustou? Então não pare de ler ainda. 

Como aumentar a vida útil do meu guarda-roupa?

Consertos rápidos, remendos ousados, remoção de manchas são três das inúmeras alternativas antes de desistir de uma peça. A autora de “Usar, Consertar, Reaproveitar: Um Guia do Fabricante para Consertar e Reciclar Roupas”, Lily Fulop, ensina no instagram a fazer reparos com criatividade usando costura manual e linhas coloridas. Ela defende que, às vezes, a melhor forma de consertar um buraco é não consertá-lo. 

Já para uma roupa manchada, tenha calma! A vida dela ainda pode ser salva. Caso exista uma mancha de chá ou café, tente lavar a peça com água e vinagre. Para uma mancha de maquiagem, use creme de barbear na parte afetada e deixe agir por alguns minutos. Enxágue com água fria e depois faça de novo com água quente! Remover manchas é a especialidade do manual “Loved Clothes Lasts” da Fashion Revolution

Por último, mas não menos importante… Apresentamos o Upcycling! Essa é a reutilização criativa. Pode ser que aquela peça realmente não funcione em seu formato original, mas ela ainda pode fazer você feliz. Caso precise de inspiração, indicamos designers como Annika Victoria e April Yang. Priya Ahluwalia e Bethany Williams  também são opções de inspiração para dar vida a uma peça através do reaproveitamento. Elas criam coleções de moda usando tecidos que já eram considerados perdidos. Faça você também!

You may also read!

Votação na Câmara aprova privatização da Sabesp

Elinelma Santos A Câmara Municipal do Estado de São Paulo aprovou nesta quarta-feira (17) a privatização da Sabesp (Companhia

Read More...

Excesso de proteína aumenta o risco de doenças cardiovasculares

Proteínas devem ser consumidas com equilíbrio, segundo especialistas. Késia Grigoletto  O excesso do consumo de proteínas aumenta o risco

Read More...

Jovens se sentem mais felizes sem o celular, diz pesquisa

Entenda como os adolescentes lidam com o tempo de tela. Luiza Strapassan O uso do celular entre os jovens

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu