Quem escolhe o parto é a mãe

In Saúde

Cesarianas se tornaram uma pandemia, e a América Latina é uma das regiões com a maior taxa do mundo desse tipo de parto

Kawanna Cordeiro

Dados do Ministério da Saúde (MS) revelam que 55% das crianças que nascem no Brasil são por meio de parto cirúrgico. No sistema privado o número aumenta para 84%. Mas, para a Organização Mundial de Saúde (OMS), somente de 10% a 15% das cesarianas são justificadas por motivos médicos. O restante faz parte de um fenômeno que se tornou pandemia e se espalha pela América Latina e Caribe e, segundo um estudo da revista científica Plos One, são as regiões com a maior taxa de cesarianas do mundo.

A doula e fundadora da ONG Parto Normal em Fortaleza Priscilla Rabelo explica que o processo se tornou um problema cultural. “As coisas se inverteram, a cesárea é tratada como regra e o parto normal como exceção. Tem médicos que dizem logo que não fazem parto normal e tem os que ficam adiando o assunto”, revela. Existem as mulheres que iniciam o pré-natal desejando parto normal e esse número vai diminuindo. Há um desestímulo ao longo das consultas, e um dos principais motivos de cesáreas desnecessária no Brasil é a alegação de que o cordão umbilical está enrolado no pescoço do bebê e que isso coloca sua vida em risco no parto normal. Não há um estímulo ao parto normal, as mulheres são convencidas pelo médico a optar pela cirurgia.

O obstetra Antonio Carlos Oliveira culpa a baixa remuneração, paga pelo SUS e pelos convênios de saúde e a falta de qualidade e estrutura das maternidades disponíveis. “Não é difícil entender que num sistema originalmente falho, os caminhos encontrados pelos diversos atores nele envolvido, sejam também, igualmente falhos,” desabafa. A ginecologista Juliana Sá Ferraz concorda com Oliveira no quesito da falta de remuneração, que aliada à diferença de tempo entre uma cesariana e um parto vaginal, acaba fazendo com que os médicos não acreditem que “vale a pena” o tempo gasto com a assistência ao parto normal que pode durar até 18hrs. “Muitas mulheres são, assim, submetidas à cesariana eletiva por falta de opção ou por serem induzidas a essa escolha”, explica.

Além disso, muitas grávidas têm medo da dor, de não conseguir, de ser vítima de violência obstétrica, de não ter acompanhamento adequado e ocasionar danos ao bebê. A cesárea se tornou um problema cultural. Segundo o Ministério da Saúde, a cesariana “é sempre um procedimento de dor e sofrimento” que, quando não indicado corretamente, traz inúmeros riscos, como aumento da probabilidade de surgimento de problemas respiratórios para o recém-nascido e grande risco de morte materna e infantil. Além disso, afirma que a ideia de que ela é mais segura que o parto normal é um mito e não deve ser feita indiscriminadamente.

É necessário saber que os benefícios do parto normal tanto para a mãe como para o bebê sejam do conhecimento de todos. É obrigação do médico apresentar os riscos e os benefícios das vidas de nascimento e também de toda a sociedade. De acordo com a OMS, as principais recomendações para casos específicos para a realização do método cirúrgico são:

– A operação cesariana não é recomendada como forma de prevenção da transmissão vertical em gestantes com infecção por vírus da hepatite B e C;

– A operação cesariana programada é recomendada para prevenir a transmissão vertical do HIV;

– A operação cesariana é recomendada em mulheres que tenham apresentado infecção primária do vírus Herpes simples durante o terceiro trimestre da gestação;

– A operação cesariana não é recomendada como forma rotineira de nascimento de feto de mulheres obesas;

– A operação cesariana é recomendada para mulheres com três ou mais operações cesarianas prévias;

– O trabalho de parto e parto vaginal não é recomendado para mulheres com cicatriz uterina longitudinal de operação cesariana anterior, casos em que há maior comprometimento da musculatura do útero, aumentando o risco de sua ruptura no trabalho de parto.

*Foto: https://goo.gl/mSWyVs

You may also read!

Como são medidos os terremotos?

Os sismógrafos são os instrumentos que registram as ondas sísmicas provocadas pelo movimento das placas tectônicas. Davi Sousa Dois

Read More...

Você conhece a Síndrome de Wendy?

Quando o cuidado excessivo se torna uma armadilha. Nicoly da Maia No dia a dia, muitas pessoas colocam as

Read More...

Enxaqueca aura: entenda como funciona e como tratar

Dentre os três tipos de enxaqueca, a com aura é a que se caracteriza pelas alterações sensoriais.

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu