Brasil tem aumento de saneamento básico mas enfrenta desafios

In Saúde, Sem categoria

Em 2010, 64,5% da população tinha acesso ao saneamento básico de acordo com o censo.

Maria Eduarda Tomaz 

75,7% dos brasileiros têm acesso ao saneamento básico atualmente, o que mostra um aumento em relação a 2010, de acordo com os dados do Censo Demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O levantamento considera que os métodos de saneamento feitos pelo Plansab são adequados para a situação sanitária do país.

Conforme especialistas, maiores aplicações de recursos públicos, o ganho de renda da população e o aumento dos investimentos privados, impulsionam esses avanços. Sob outra perspectiva, a estatística ainda está longe das metas do Marco do Saneamento, aprovado em 2020, como apontou Luana Pretto, presidente-executiva do Instituto Trata Brasil, em entrevista para o Correio Braziliense.

Por esse motivo, 24,3% dos brasileiros vivem em residências sem estruturas de saneamento. E a maioria dessas pessoas utilizam fossas rudimentares e buracos. 

O Norte é a região com o menor percentual de saneamento do país, somente 46,4% das pessoas têm acesso corretamente. As cidades de Rondônia, Maranhão e Pará possuem o pior cenário de saneamento, de acordo com o censo de 2022.

 O censo revelou ainda que pessoas de cor ou raça preta, parda e indígena obtiveram proporções menores de acesso ao saneamento básico, o que explica a situação do Norte do que apresenta os maiores percentuais de pessoas pardas do país (73,4%).

O analista Bruno Perez diz que, “entre os serviços que compõem o saneamento básico, a coleta de esgoto é o mais difícil, pois demanda uma estrutura mais cara do que os demais. O Censo de 2022 reflete isso, mostrando expansão do esgotamento sanitário no Brasil, porém com uma cobertura ainda inferior à da distribuição de água e à da coleta de lixo”.

O sudeste é a região mais atendida por rede de esgoto

A região sudeste foi a que apresentou maior porcentagem da população em domicílios com coleta de esgoto (86,2%), e o estado em destaque é São Paulo com (90,8%), segundo Agência IBGE Notícias. 

Mesmo com um saneamento básico bom, a região sudeste enfrenta desafios em sua rede sanitária. Um exemplo desta situação é Mário Pimenta, que mora em Teresópolis(RJ). Sua casa está localizada em uma área mais afastada da cidade em que ele mora. Ele diz que o sistema de fossa não atrapalha a rotina da casa, mas o uso dela causa problemas na saúde.“A falta de saneamento tem um preço alto na saúde pública”, diz.

Segundo Bruno, a presença da rede de esgoto está relacionada ao total de habitantes de cada município, e que há uma tendência de municípios com mais de 500.000 habitantes terem rede de esgoto mais desenvolvida. “Isso ocorre, em parte, devido à dificuldade de implementação do serviço em locais com menor densidade populacional, sendo necessária uma rede mais extensa para chegar ao mesmo número de pessoas de um município maior”, completa.

O presidente do Instituto Brasileiro de Estudos Jurídicos da Infraestrutura (IBEJI), Augusto Neves Dal Pozzo, diz em entrevista para Correio Braziliense: “Precisamos enfrentar o problema do acesso ao saneamento básico com coragem e urgência. Sem isso, a população mais pobre e carente não tem seus direitos básicos, garantidos pela Constituição, respeitados.”

You may also read!

Como as microssonecas afetam nossa saúde

As “inofensivas” sonecas que duram apenas segundos podem significar uma péssima rotina de sono. Nicoly da Maia As microssonecas

Read More...

Governo lança programa com investimentos de R$ 700 milhões para Amazônia

A parceria com 70 municípios prevê a redução de desmatamentos e incêndios zero até 2030 na Amazônia. Elinelma Vasconcelos

Read More...

A luta de Duna contra a inteligência artificial

Saga de Duna, escrita por Frank Herbert, mostra superação das máquinas e da inteligência artificial em favor da humanização

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu