Brasil tem aumento de saneamento básico mas enfrenta desafios

In Saúde, Sem categoria

Em 2010, 64,5% da população tinha acesso ao saneamento básico de acordo com o censo.

Maria Eduarda Tomaz 

75,7% dos brasileiros têm acesso ao saneamento básico atualmente, o que mostra um aumento em relação a 2010, de acordo com os dados do Censo Demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O levantamento considera que os métodos de saneamento feitos pelo Plansab são adequados para a situação sanitária do país.

Conforme especialistas, maiores aplicações de recursos públicos, o ganho de renda da população e o aumento dos investimentos privados, impulsionam esses avanços. Sob outra perspectiva, a estatística ainda está longe das metas do Marco do Saneamento, aprovado em 2020, como apontou Luana Pretto, presidente-executiva do Instituto Trata Brasil, em entrevista para o Correio Braziliense.

Por esse motivo, 24,3% dos brasileiros vivem em residências sem estruturas de saneamento. E a maioria dessas pessoas utilizam fossas rudimentares e buracos. 

O Norte é a região com o menor percentual de saneamento do país, somente 46,4% das pessoas têm acesso corretamente. As cidades de Rondônia, Maranhão e Pará possuem o pior cenário de saneamento, de acordo com o censo de 2022.

 O censo revelou ainda que pessoas de cor ou raça preta, parda e indígena obtiveram proporções menores de acesso ao saneamento básico, o que explica a situação do Norte do que apresenta os maiores percentuais de pessoas pardas do país (73,4%).

O analista Bruno Perez diz que, “entre os serviços que compõem o saneamento básico, a coleta de esgoto é o mais difícil, pois demanda uma estrutura mais cara do que os demais. O Censo de 2022 reflete isso, mostrando expansão do esgotamento sanitário no Brasil, porém com uma cobertura ainda inferior à da distribuição de água e à da coleta de lixo”.

O sudeste é a região mais atendida por rede de esgoto

A região sudeste foi a que apresentou maior porcentagem da população em domicílios com coleta de esgoto (86,2%), e o estado em destaque é São Paulo com (90,8%), segundo Agência IBGE Notícias. 

Mesmo com um saneamento básico bom, a região sudeste enfrenta desafios em sua rede sanitária. Um exemplo desta situação é Mário Pimenta, que mora em Teresópolis(RJ). Sua casa está localizada em uma área mais afastada da cidade em que ele mora. Ele diz que o sistema de fossa não atrapalha a rotina da casa, mas o uso dela causa problemas na saúde.“A falta de saneamento tem um preço alto na saúde pública”, diz.

Segundo Bruno, a presença da rede de esgoto está relacionada ao total de habitantes de cada município, e que há uma tendência de municípios com mais de 500.000 habitantes terem rede de esgoto mais desenvolvida. “Isso ocorre, em parte, devido à dificuldade de implementação do serviço em locais com menor densidade populacional, sendo necessária uma rede mais extensa para chegar ao mesmo número de pessoas de um município maior”, completa.

O presidente do Instituto Brasileiro de Estudos Jurídicos da Infraestrutura (IBEJI), Augusto Neves Dal Pozzo, diz em entrevista para Correio Braziliense: “Precisamos enfrentar o problema do acesso ao saneamento básico com coragem e urgência. Sem isso, a população mais pobre e carente não tem seus direitos básicos, garantidos pela Constituição, respeitados.”

You may also read!

Os encantos históricos de Siwa: uma alternativa tranquila aos destinos turísticos tradicionais

Paula Orling O Egito é famoso por suas atrações turísticas tradicionais que enchem os olhos dos visitantes. Realmente é

Read More...

Como são medidos os terremotos?

Os sismógrafos são os instrumentos que registram as ondas sísmicas provocadas pelo movimento das placas tectônicas. Davi Sousa Dois

Read More...

Você conhece a Síndrome de Wendy?

Quando o cuidado excessivo se torna uma armadilha. Nicoly da Maia No dia a dia, muitas pessoas colocam as

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu