Livraria especializada busca fomentar a literatura negro-brasileira no país

In Cultura, Geral

Criada em 2013, a livraria Africanidades reúne um acervo de apenas narrativas pretas.

Rayne Sá

A Livraria Africanidades, criada em 2013, em São Paulo, é o resultado de uma inquietação da bibliotecária Ketty Valencio, que percebia a ausência de narrativas de pessoas pretas no mercado literário.

No acervo, que conta com mais de 210 títulos escritos por autoras negras, é possível encontrar obras de Angela Davis, Bell Hooks, Jarid Arraes, Maria Firmino de Jesus, entre outras. 

“É algo indispensável a importância da existência de um empreendimento como o meu e além de significar muitas coisas, como a história é fragmentada, apagada, distorcida e plural, que a população preta merece ser reconhecida, assim como também as pessoas não brancas no contexto geral”, defende a bibliotecária. 

Além de livraria, o espaço funciona como um “equipamento” cultural, com encontros, oficinas, rodas de conversas, lançamentos e clubes de leitura, com o intuito de valorizar e disseminar a literatura afro-brasileira. Para a proprietária, a ação, além de poder ser vista como algo revolucionário e um instrumento político, também evidencia “algo muito grave por trás”. 

“Por isso que eu, tantas outras pessoas e/ou iniciativas temos que evidenciar habitantes que construíram o país, contudo a sua dizimação faz parte de um projeto nacional”, continua explicando.

Importância da literatura negro-brasileira

A pesquisadora e poeta gaúcha, Ana dos Santos, diz que “a literatura negro-brasileira é uma vertente que vem alimentar a sede e a fome de representatividade da população negra no Brasil”, mas, que não somente tem importância para os leitores negros, como é a grande perspectiva crítica das letras brancas brasileiras. 

Ana chama a atenção ainda para a raiz do processo da formação de leitores, que muitas vezes, ocorre na escola com pouco sucesso devido à desvalorização da educação brasileira. De acordo com ela, as crianças e adolescentes negros não se veem retratados nos romances, novelas, contos e poemas do cânone literário das aulas de português e literatura.

“Quando aparecem, são personagens negros descritos por autores brancos, eles carregam os estereótipos racistas que inferiorizam e desumanizam o povo negro”, conta. Sobre a existência dos espaços especializados, Ketty Valencio também acredita que a literatura e a educação são como “um oásis no meio do deserto” e avalia que a literatura negra desempenha um papel de letramento, fortalecimento e de sobrevivência na educação e no empoderamento da comunidade negra.

You may also read!

Como as microssonecas afetam nossa saúde

As “inofensivas” sonecas que duram apenas segundos podem significar uma péssima rotina de sono. Nicoly da Maia As microssonecas

Read More...

Governo lança programa com investimentos de R$ 700 milhões para Amazônia

A parceria com 70 municípios prevê a redução de desmatamentos e incêndios zero até 2030 na Amazônia. Elinelma Vasconcelos

Read More...

A luta de Duna contra a inteligência artificial

Saga de Duna, escrita por Frank Herbert, mostra superação das máquinas e da inteligência artificial em favor da humanização

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu