Números apontam a Bahia como o estado mais violento do Brasil

In Geral, Política

O estado lidera o ranking por possuir os quatro municípios mais perigosos do país e, só em 2022, registrou quase 7 mil mortes por assassinato.

Sara Helane

A Bahia lidera o ranking nacional dos municípios mais violentos, segundo dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Os números são de 2022 e o estudo levou em conta apenas municípios com mais de 100 mil habitantes. As cidades baianas que lideram a lista são, respectivamente: Jequié, Santo Antônio de Jesus, Simões Filho e Camaçari.

O estudo levou em consideração o número de mortes violentas e intencionais em cada município. Essas mortes estão relacionadas à homicídios dolosos e qualificados, como feminicídios, além de lesões no corpo que ocasionam óbitos, latrocínios (o roubo seguido de morte), mortes de policiais e os assassinatos cometidos por eles.

Violência na Bahia

Quando se fala de violência no Brasil, muitos pensam em Rio de Janeiro e São Paulo como os estados mais violentos. Porém, de acordo com o relatório, em 2022, tais estados não ocuparam protagonismo no índice de violência. Itaguaí é a cidade carioca mais violenta e se encontra na 16ª colocação do ranking. Já as cidades paulistas nem aparecem na lista das 50 mais perigosas. A Bahia possui 12 municípios entre os 50 mais violentos e o Rio de Janeiro possui apenas seis.

Para entender melhor, em 2022 a Bahia registrou 6.659 mortes intencionais e violentas. Jequié, lidera com a taxa de 88,8 em mortes para cada 100 mil habitantes. As outras três cidades que seguem Jequié têm taxa superior à 80,0. Segundo os dados do relatório, o estado ainda registrou mais de 10 estupros por dia, somando 4,5 mil vítimas no ano. 

O coordenador da Rede de Observatórios da Segurança Pública na Bahia, Eduardo Ribeiro, contou ao podcast “O Assunto”, que organizações criminosas enxergam a região baiana como um ponto estratégico para a circulação de produtos ilegais. “[O mercado do narcotráfico] enxerga o Brasil e particularmente o Nordeste como um ponto importante de distribuição para a Europa e para o continente africano”, explica.

Com relação à Bahia, o ponto estratégico que o coordenador fala, está ligado ao fato de que o estado faz divisa com as regiões Nordeste, Sudeste e Norte. Além disso, o território baiano é banhado a leste pelo oceano Atlântico, o que facilita a exportação e importação de produtos ilegais pelo mar.

Ribeiro ressaltou ainda que estas organizações criminosas utilizam a localização dessa região para a migração de grupos ligados ao comércio de drogas e de armas do Sudeste para o Nordeste. “Isso tem colaborado e ampliado a intensificação dos conflitos que já existiam”, completa. 

Mesmo liderando o número de mortes violentas em 2022, houve uma queda de 9% no número de mortos por homicídio. Em 2021, o  Anuário Brasileiro de Segurança Pública contabilizou 7.069 assassinatos no estado.

Jequié

Márcio Silva Lima é coordenador de jornalismo na rádio 93FM em Jequié e conta que mesmo com a cidade estando no ranking como a mais violenta do país, ele nota que a violência está relacionada à quantidade de operações policiais que são feitas no combate ao crime. “Vivenciamos uma disputa pelo tráfico de drogas no município. Os índices referem-se a isso e a atuação da PM no combate à criminalidade. O número de mortes de inocentes é baixo”, relata.

Lima ressalta que, apesar de não sentir a violência ser tão forte na cidade onde mora, ele evita deixar os vidros do carro aberto e procura não transitar por lugares pouco movimentados para preservar a própria segurança. O jequieense ainda diz que a segurança pública da cidade atende a população de maneira satisfatória. 

Com relação às notícias relacionadas à violência, Lima relata que vê excessos em alguns dos veículos que produzem e distribuem informações da cidade. “Penso que muitos veículos acabam propagando tais notícias sem um ‘filtro’, não defendo que se omitam as informações, mas que se divulguem sem sensacionalismo. Infelizmente a notícia trágica dá mais audiência, talvez seja por isso que muitos agem com excessos”, completa.

You may also read!

Dengue e Covid: os diferentes sintomas das doenças

Febre e dor de cabeça são sintomas comuns, e especialistas apontam quais devemos nos alertar.  Davi Sousa O Brasil

Read More...

Como as microssonecas afetam nossa saúde

As “inofensivas” sonecas que duram apenas segundos podem significar uma péssima rotina de sono. Nicoly da Maia As microssonecas

Read More...

Governo lança programa com investimentos de R$ 700 milhões para Amazônia

A parceria com 70 municípios prevê a redução de desmatamentos e incêndios zero até 2030 na Amazônia. Elinelma Vasconcelos

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu