Cerca de 10% dos adolescentes brasileiros sofrem de transtornos alimentares

In Geral, Saúde
transtornos alimentares fazem parte da adolescência

Mídias sociais, pandemia e pressão social são os principais fatores para a decorrência do quadro.

Lana Bianchessi

Cerca de 4,7% dos brasileiros sofre de algum transtorno alimentar, no entanto, na adolescência esse número chega a 10%, segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde). Esse número se explica principalmente pela influência das redes sociais, constante pressão social familiar e situações de ansiedade causadas pela pandemia. 

A adolescente de 18 anos que preferiu não se identificar, foi diagnosticada com anorexia aos 12 e explica sobre sua experiência. “Por ser uma fase de muitas mudanças, e também por sermos influenciados facilmente, principalmente por coisas que a gente vê na televisão ou redes sociais. Nós, adolescentes, caímos  na ideia de ter uma vida ideal e perfeita, que muitas vezes gira em torno de ter o corpo ideal”, expõe. 

Tipos de transtornos alimentares

Transtornos alimentares são comportamentos alimentares irregulares, preocupação com o peso ou a forma do corpo e sofrimento grave que afeta negativamente a saúde. De acordo com a professora Magda Ramos e o psicólogo Breno Sanvicente-Vieira, os principais transtornos são:

  • Anorexia: se caracteriza por restrição de alimentos que o paciente considera muito calórico e por distorção de imagem; 
  • Bulimia: acontece quando a pessoa ingere a comida e depois induz o vômito. Porém, existem também outras maneiras que o paciente encontra de eliminar a comida, como laxantes, diuréticos ou prática excessiva  de exercícios  físicos;
  • Compulsão Alimentar: os sintomas são: consumir grande quantidade de alimentos em razão de problemas emocionais como ansiedade e estresse. 
  • Transtorno Alimentar Restritivo Evitativo (TARE), a negação de consumir certos alimentos por motivos de textura, cor, odor e temperatura. 

Principais Causas

A professora do curso de Nutrição na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Magda Ramos, explica que as principais causas desse aumento se resumem no:

  • Medo da transformação do corpo associada a mídia, que está constantemente mostrando um padrão de beleza inalcançável;
  • Na cultura da beleza imposta pela sociedade e pelos pais, juntamente com a pressão social;
  • E na pandemia, que também foi um fator relevante, pois com os adolescentes em casa, eles perderam a referência de corpo saudável e isso prejudicou a autoestima.

A estudante fala um pouco sobre o papel da mídia social em seu caso. “Com 12 anos foi a idade em que eu comecei a ter redes sociais e acompanhava com frequência blogueiras que passavam a imagem de ter a vida ‘perfeita’ e o ‘corpo perfeito’. Também foi uma época que eu comecei a assistir desfiles de moda e ver que só mulheres magras eram consideradas bonitas e desejáveis”, conta. 

O doutor em psicologia, professor da PUC-Rio e coordenador do Laboratório de Pesquisa em Diferenças Individuais e Psicopatologia (LaDIP), Breno Sanvicente-Vieira comenta que o ambiente familiar, em geral, tem maior importância para essas condições do que a mídia. “Nós sabemos que os modelos de beleza e aceitação são principalmente impostos pela cultura que nós nos encontramos e grande parte disso acaba sendo repercutido através de canais de comunicação”, explica.

Com o acesso ao Instagram, é visto corpos expostos o tempo todo e demonstrando felicidade, isso cria supostos estereótipos  do que o jovem precisa. Eles instintivamente  associam características  físicas  com o sucesso e a alegria das outras pessoas. “Os jovens têm  um fator de aprendizagem social muito forte, a mídia  acaba sendo o canal de multiplicação e transmissão, não tanto de imposição de padrões”, acrescenta Breno.

Como identificar os sinais

A nutricionista oferece algumas dicas para que as pessoas possam identificar os sintomas. “Observar se há perda  de peso, obsessão por modelos e padrões corporais, desejo de seguir uma dieta e procura de receitas de comida. É importante observar se a pessoa come na frente da família ou se vai ao banheiro logo depois”, explica. 

Já a estudante conta que desconfiou que tinha desenvolvido o transtorno alimentar a partir do momento que notou estar obcecada por contar as calorias de tudo que comia. “Notei quando coloquei na minha cabeça que eu não podia comer carboidratos de nenhum tipo, não podia beber refrigerante e cortei todo tipo de guloseima do meu dia-a-dia”, relata. 

“Na anorexia, o adolescente para de comer porque ele coloca um valor muito grande na comida e no que ela pode se transformar em seu corpo. Não é saudável ter um relacionamento dessa forma com a comida”, alerta o psicólogo.

A nutricionista explica que o transtorno alimentar exige o tratamento correto para cada tipo de condição e ter um acompanhamento por uma equipe especializada no assunto. É importante estar alerta, o transtorno é uma doença psicológica que sempre tem chance de haver uma recaída e reiniciar seu ciclo de novo.

You may also read!

Cientistas fazem divulgação no Twitter

Cientistas brasileiros usam o Twitter para popularizar conhecimento especializado

Além de proporcionar entretenimento, o acesso à ciência nas redes sociais auxilia no combate à desinformação. Mariana Santos A

Read More...
Mulher Hulk será lançado hoje.

Mulher Hulk surpreende críticos e batalha pela risada dos fãs

A nova série da Marvel quer resgatar o público com boa atuação e diálogos cômicos. Lucas Pazzaglini A Marvel

Read More...
Continência ao Amor traz reflexões sobre o SUS.

Continência ao amor: o sucesso da Netflix e a celebração ao SUS 

O filme traz reflexões sobre o tratamento de diabetes, o que nos leva a pensar em como o Brasil

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu