Físicos falam sobre a descoberta do Trappist-1 e porque isso é importante

In Ciência e Tecnologia, Mundo

Novo sistema planetário precisa ser discutido

Lia Costa

Recentemente foi descoberto um novo sistema planetário. A TRAPPIST-1 é uma estrela anã-vermelha com apenas 8% da massa solar e temperatura em torno de 2500 Kelvin. Isso significa que é cerca da metade da temperatura solar. A estrela anã “superfria” foi observada pela primeira vez nos anos 90. Em 2015, foram observados três planetas orbitando TRAPPIST-1 e desde então as observações continuaram com telescópios na terra e no espaço. Depois mais quatro planetas entraram para a conta, totalizando sete. São eles: TRAPPIST-1 B, C, D, E, F, G, e H.

O mestre em ensino de astronomia e coordenador de divulgação da ONG “The Planetary Society”, José Costa, conta que a estrela tem cerca de meio bilhão de anos. Se for comparado com o Sol que tem cerca de 5 bilhões parece pouco. Se houver vida, muito provavelmente sejam apenas micróbios. “Casos como o de TRAPPIST-1 indicam que descobertas espetaculares vão continuar nos surpreendendo”, revela com animação.

Chrystian Pereira e Jéssica Eidam são físicos e explicam que a importância dos exoplanetas (planetas que orbitam uma estrela que não seja o sol) está na tentativa de compreender o Universo. De acordo com eles, o Sistema Solar terrestre pode ser ainda melhor compreendido com o conhecimento de detalhes que vem da observação de outros sistemas planetários. “Até mesmo observar o desenvolvimento da vida em suas fases iniciais. Por mais que essa vida seja uma bactéria primitiva”, revelam. Essa simples bactéria seria um sinal de que há possibilidade de a vida se desenvolver em outros sistemas, como aconteceu na Terra.

José vê maior profundidade na descoberta. Inicialmente isso não tem benefício prático para a sociedade e seus problemas cotidianos. Ele compara essa situação com as equações do matemático escocês James Maxwell, que em pleno século 19 relacionavam a eletricidade com o magnetismo. “Não havia qualquer retorno prático para a sociedade daquela época. Hoje ninguém fala ao celular, vê TV ou acessa a internet sem fio se não fosse por aquelas equações”, ensina.

Embora a descoberta seja empolgante, não significa que seria possível mudar de planeta em alguns anos ou resgatar recursos como água. Uma viagem ao Sistema de TRAPPIST-1, que está a 39,5 anos-luz (ou seja, 373 trilhões de quilômetros), levaria 161 mil anos. Ainda são necessários mais estudos acerca do assunto. Os planetas denominados TRAPPIST-1 “D”, “E” e “F” estão em uma região considerada Zona Habitável. “A região entre o planeta e a estrela que propicia a existência de água na forma líquida”, explicam os físicos.

No entanto, para saber se esses planetas são habitáveis, é preciso saber a composição da sua atmosfera, a temperatura superficial média e a pressão atmosférica. Segundo José, TRAPPIST-1 será um excelente laboratório para testar e obter novos conhecimentos. “Mas a intenção da comunidade científica não é enviar naves tripuladas por eles. Pelo menos não neste século”, conta.

A expectativa é de que em 2018 o Telescópio Espacial James Webb seja lançado para detectar elementos essenciais como água, metano e oxigênio. “Até o lançamento do James Webb, os Telescópios Espaciais Hubble e Kepler continuarão as observações com a finalidade de refinar os dados e até mesmo adicionar novos planetas nessa lista”, revelam Chrystian e Jéssica.

Além disso não aconteceria nada como nos filmes Interestelar ou Star Wars. De acordo com Chrystian, a possibilidade de existir vida extraterrestre é grande. “Mas pode ser simplesmente uma bactéria ou com alguma sorte organismos multicelulares”, explica. Isso quer dizer nada de guerra por sobrevivência. Ao menos não fora da Terra. O mestre José Costa cita Carl Sagan, cientista que influenciou sua carreira profissional, ao dizer: “em algum lugar, alguma coisa incrível está esperando para ser encontrada”.

 

 

Link: https://goo.gl/IGY3hR

 

 

You may also read!

Estrangeiros vieram mais ao Brasil

Entrada de estrangeiros no Brasil é 60% maior que em 2021

Embratur indica que as viagens de estrangeiros no Brasil e na América Latina devem voltar aos níveis pré-pandemia até

Read More...
buraco atacama

Buraco de 200 metros de profundidade surge no deserto do Atacama

Autoridades começaram as investigações de um buraco gigante que surgiu em uma região de mineração no norte do Chile.

Read More...
Jô Soares morre

Jô Soares morre aos 84 anos

O apresentador Jô Soares foi internado para tratar uma pneumonia e faleceu na madrugada desta sexta-feira Paula Orling O

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu