OMS aprova vacina contra a malária para crianças em risco

In Geral, Saúde

Em uma decisão significativa, a OMS libera a vacinação contra a malária em áreas com alta transmissão da doença.

Sara Helane

Em uma coletiva de imprensa realizada na quarta-feira, dia 06 de outubro, em Genebra, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, declarou a liberação da vacina contra a malária para crianças que se encontram em áreas de risco. Essa aprovação é fruto da análise dos resultados das pesquisas de um programa piloto que teve duração de 30 anos. 

Ainda na coletiva de imprensa, Ghebreyesus comemorou ao fazer o anúncio. “Essa é uma conquista histórica. A tão esperada vacina contra malária é um avanço para a ciência, para a saúde infantil e para o controle desta doença”, declarou.

Segundo a OMS, a vacina deve ser fornecida em quatro doses para crianças a partir dos cinco meses de idade. O uso do imunizante RTS,S irá beneficiar, primeiramente, a região da África Subsaariana onde a malária é a principal causa de mortes e adoecimentos entre as crianças. Os números são expressivos, já que, anualmente, 260 mil crianças com menos de cinco anos morrem de malária nesse local.

De acordo com o site da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), esse programa de vacinação pode reforçar os impactos que essa vacina pode ter nessas regiões. “O Programa de Implementação de Vacinas da Malária está gerando evidências e experiência sobre a viabilidade, impacto e segurança da vacina RTS,S na vida real.”

A vacina começou a ser desenvolvida em 1987 pela farmacêutica britânica GSK, mas o estudo só passou a ser testado em humanos a partir do ano 2000. A fase final do estudo foi realizada entre 2011 e 2015 e  teve a participação de 15 mil crianças da região da África Subsaariana e os resultados comprovaram que o imunizante era eficaz. 

Por ter o total de 4 doses de aplicação, a OMS teme que o uso dessa vacina possa afetar na eficácia de outros imunizantes já oferecidos na mesma faixa de idade para as crianças.

Para acabar com essa insegurança, a OMS lançou o projeto piloto em que as quatro doses foram aplicadas em quase 800 mil crianças. Em seus resultados, a vacina foi considerada de boa segurança, preveniu 40% dos casos e ainda diminuiu em 30% os tipos mais fortes da doença.

Segundo o site oficial do Ministério da Saúde, a maior parte dos casos de malária no Brasil se encontra na região que compreende os estados do Acre, Amazonas, Amapá, Roraima, Rondônia, Pará, Mato Grosso, Maranhão e Tocantins.

Ainda de acordo com o Ministério da Saúde, a malária não é uma doença contagiosa, pois a pessoa só é contaminada por meio da picada da fêmea do mosquito Anopheles, conhecido como “mosquito prego” e isso só ocorre quando a fêmea está infectada por um tipo de protozoário chamado Plasmodium. Apesar disso, o Brasil provavelmente ficará de fora dos países que irão efetuar a vacinação contra a malária, já que o país registrou 30 óbitos em 2020.

You may also read!

buraco atacama

Buraco de 200 metros de profundidade surge no deserto do Atacama

Autoridades começaram as investigações de um buraco gigante que surgiu em uma região de mineração no norte do Chile.

Read More...
Jô Soares morre

Jô Soares morre aos 84 anos

O apresentador Jô Soares foi internado para tratar uma pneumonia e faleceu na madrugada desta sexta-feira Paula Orling O

Read More...
Censo atingirá milhões de brasileiros

Censo 2022 tem início e atingirá mais de 70 milhões de domicílios

Recenseadores começaram o trabalho no dia 1º de agosto e o serviço tem previsão de término até o início

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu