REDES SOCIAIS X VIDA PROFISSIONAL

In Geral

Emanuele Fonseca

Uso incorreto das redes sociais pode gerar demissões, diz especialista

Demissões envolvendo publicações em redes sociais têm sido tema recorrente nos últimos dias. Recentemente, o caso de uma concessionária de motos do interior de São Paulo veio a público depois que a empresa demitiu um funcionário que “curtiu” no Facebook os comentários ofensivos à própria instituição. A concessionária recorreu à Justiça e o Tribunal Regional Trabalhista (TNT) que, por sua vez, validou a ação.

Outro caso aconteceu no mês passado. Um estagiário da Cantareira Construtora e Imobiliária foi demitido após fazer posts machistas também no Facebook. A empresa se manifestou e deixou claro que as opiniões do estagiário não refletem a visão da corporação. “Nós não podemos responder pelas opiniões particulares de um funcionário. O problema é que ele estava uniformizado no canteiro de obras. Para nós, é importante esclarecer que esse não é o posicionamento de nenhum dos sócios”, informou a assessoria de imprensa ao E+.

De acordo com a Advogada Fernanda Stinchi, especialista em Contratos de Transferência em Tecnologia pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, o número de processos envolvendo redes sociais cresceu muito nos últimos anos. “Questões de ética de funcionários existem mesmo antes da Internet e das redes sociais. Toda empresa deve procurar fazer um trabalho preventivo e contínuo para esclarecer aos funcionários quais são as regras de comportamento esperadas de todos os colaboradores”, afirma.

As empresas analisam cada caso segundo a jurisprudência. Caso o empregado use a rede da empresa, o e-mail pessoal não pode ser acessado. Se houver uma publicação maldosa e o empregado acidentalmente deixar a página aberta no computador, gera orisco de algum colega de trabalho notar. Nessa situação, a advogada explica que o ideal seria exigir que o funcionário excluísse o post rapidamente para diminuir a repercussão do assunto.

Se o conteúdo se tornar viral, o empregado deve fazer algum esclarecimento e se desculpar pelo ocorrido. “Caso o ato cometido pelo funcionário seja mais grave do que um simples comentário desastroso, a empresa pode tomar providências”, recomenda. Algumas empresas já proíbem o uso de redes sociais no trabalho. Por outro lado, há companhias que usam essa ferramenta de mídia nas suas atividades diárias.

O professor de história Gilmar Santos foi demitido por expor sua opinião contra partidos políticos de esquerda e por falar do material didático utilizado por escolas. Segundo Gilmar, o diretor não o demitiu por ele não se encaixar no perfil de professor, mas por não concordar com tudo o que o seu superior queria. “A maioria dos alunos me apoiavam muito. Tenho liberdade de expressão e posso usá-la. Sei que não posso falar mal da instituição onde trabalho, porém tenho a minha opinião geral sobre o assunto e não me calei. Se está errado, vou falar que está certo? ”, argumenta.

Atualmente, Gilmar está na posição de empregador. “Por já ter passado por isso, vou aceitar sim questionamentos e críticas construtivas, pois dessa forma vou saber em quais aspectos posso melhorar. Não posso ser o ditador e querer tudo da minha forma”.

 

Link da imagem: https://goo.gl/gsVILW

You may also read!

Estrangeiros vieram mais ao Brasil

Entrada de estrangeiros no Brasil é 60% maior que em 2021

Embratur indica que as viagens de estrangeiros no Brasil e na América Latina devem voltar aos níveis pré-pandemia até

Read More...
buraco atacama

Buraco de 200 metros de profundidade surge no deserto do Atacama

Autoridades começaram as investigações de um buraco gigante que surgiu em uma região de mineração no norte do Chile.

Read More...
Jô Soares morre

Jô Soares morre aos 84 anos

O apresentador Jô Soares foi internado para tratar uma pneumonia e faleceu na madrugada desta sexta-feira Paula Orling O

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu