Seis anos de impunidade: Mulheres cobram justiça em Brumadinho e Mariana

In Geral

Mulheres se unem a lutas sociais em prol do Estado de Minas Gerais.

Fernanda Reis

O rompimento das barragens de Brumadinho e Mariana completa seis anos em 2021, e mulheres questionam as relações afetivas, sociais, de pertencimento e empregabilidade perdidas na tragédia.

No primeiro semestre deste ano, foi selado um acordo pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais com a VALE no total de 37 bilhões de reais em repasse para reparação das famílias, obras de infraestrutura e socioambiental no prazo de 10 anos no estado mineiro. No entanto, até o momento o que tem inquietado os moradores é o projeto da  construção de um Rodoanel Metropolitano, previsto para o início em Março de 2023 com prazo de término para 2028, que visa desafogar o tráfego de áreas urbanas e impulsionar o desenvolvimento econômico.

O que seria uma obra para favorecer a população não tem sido bem vista no estado mineiro. “O rodoanel nada mais é do que um favorecimento das mineradoras, principalmente a Vale, que não tem nada para beneficiar o povo”, afirma Lilian, moradora de Contagem. A mineira percorre todos os dias 43 km até Brumadinho, cerca de 30 a 40 minutos para chegar ao trabalho, pois a cidade ainda se encontra com dificuldades de locomoção. 

Sobre a saída dada pelo governo, ela afirma: “O rodoanel vai trazer consequências imprevisíveis ao meio ambiente e ao povo, por onde ele passar. Sempre o povo pobre perde. Os ricos e os grandes empreendimentos ganham.”

Hoje a antiga moradora de Brumadinho escolheu ficar perto dos filhos, pois “a situação do município é complicada. A sensação é que o município pertence à Vale e ao Executivo Municipal. Inconformada com o descaso do governo com a população local, Lilian diz queDepois do rompimento e com a pandemia, o poder público local vai se esquivando de fazer concursos há décadas. Manda e desmanda, e são coniventes com a Vale”, ressalta. 

As mulheres em Minas Gerais são as grandes responsáveis pelas famílias, tomando  a frente das lutas, da proteção aos filhos, e  atuam também na pesca com os demais familiares  como forma de subsistência.

A cidade de Baixo Guandu, no Espírito Santo, também afetada pela tragédia, ainda encontra-se sem o ressarcimento da empresa. A Vale ficou de repassar entre 23 e 94 mil reais aos atingidos que dependiam da pesca para sobreviver. “Nossa assessoria técnica ainda está no papel, ainda estamos à   mercê do sistema judiciário. Esse acordo foi firmado sem participação ativa dos atingidos, ainda não foi traduzido para nós”, afirma a pescadora Regiane Soares.

No município, a pesca já está liberada, no entanto os peixes estão sendo comercializados contaminados e a mineradora patrocina as análises da água do rio Doce e tem afirmado que já está própria para o consumo humano, mas os pescadores garantem que não está.

Mulheres na linha de frente

Diante da situação, Lilian e Regiane têm buscado refúgio no MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens) que funciona  como um suporte às mulheres, vítimas dentro da reprodução do modelo capitalista, patriarcal e machista. Conforme o MAB, nesse caso específico de mulheres atingidas por barragens, tem-se um agravante: o fato das desigualdades de classe e nas relações de gênero.

Regiane, atuou por um  ano e meio em Brumadinho com o movimento. “O MAB foi que nos abriu os olhos sobre o que éramos atingida”, afirma. 

Uma das conquistas foi a garantia da igualdade das mulheres em Brumadinho, pois o recebimento do auxílio financeiro emergencial foi dado por núcleo familiar. O cartão era em posse do chefe da família, no caso, o homem. As mulheres tinham direito a 20% de um salário mínimo que era entregue ao companheiro.

Com intuito de dialogar, traçar estratégias e compartilhar experiências, o MAB tem organizado reuniões com mulheres usando a técnica da Arpillagem que denuncia a violência através do bordado. “As mulheres sentem necessidade de tecer a própria história. Essa é a dinâmica. Enquanto tecem, tecem também através das reuniões, das discussões, a sua luta como atingidas”, confirma Lilian.

You may also read!

Dia dos Pais é comemorado neste fim de semana

8 ideias para você comemorar o Dia dos Pais com o seu paizão

Saiba como celebrar com seu pai nesse dia especial Lucas Pazzaglini O Dia dos Pais está chegando e talvez

Read More...
Dependentes de Nicotina recebem ajuda do SUS

SUS proporciona campanha de tratamento para dependentes de nicotina

Promovido pelo Ministério da Saúde e Instituto Nacional do Câncer, o projeto visa auxiliar a comunidade dependente por meio

Read More...
Rodada do paulista de Flag Football foi no UNASP

UNASP recebe rodada do Campeonato Paulista de Flag

As partidas de Flag contaram com 16 times no total, nas categorias  masculinas e femininas, movimentando torcedores das equipes

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu