Hipersonia pode provocar sonolência excessiva

In Geral, Saúde

Será que dormir demais pode trazer problemas?

Gabrielle Ramos Venceslau 

Dormir por mais horas ocasionalmente é normal, afinal, passar a madrugada acordado pode fazer as pessoas dormirem mais no dia seguinte. Ou seja, ter dias mais cansativos que outros não é um problema. Contudo, se essa sonolência ultrapassar a normalidade e for rotineira é possível que a explicação para isto seja um distúrbio do sono conhecido como hipersonia.

O especialista em sono, Leonardo Rodrigues, que trabalha com vendas e análises de colchões terapêuticos, adverte que “o excesso de sono é um sinal de alerta de perigo”. Por isso, é necessário ficar atento e procurar um médico quando alguém estiver dormindo mais que o recomendado para a faixa etária. 

A recomendação de sono não é precisa, mas pode dar uma base do que seria necessário. Confira:

  • Recém-nascidos: 16-18 horas.
  • Bebê de 4 a 11 meses: 12-15 horas.
  • Crianças de um a cinco anos: 10 a 14 horas
  • Crianças e adolescentes de seis a 13 anos: 9 a 11 horas
  • Adolescentes de 14 a 17 anos: 8 a 10 horas
  • Adultos: 7 a 9 horas
  • Idosos: 7 a 8 horas.

Hipersonia: o que é e quais as causas?

De acordo com o estudo “Relação entre cronótipo e ansiedade em estudantes universitários”, publicado pela Brazilian Journal of Health Review, “a  sonolência é uma função biológica, definida como uma probabilidade aumentada para dormir”. Contudo, quando a sonolência acontece de forma excessiva em período anormal do dia ou quando vem acompanhada de mudança de humor e fadiga, afetando a rotina diária do indivíduo é motivo de preocupação.

Na maioria das vezes, esses sintomas estão relacionados com um um distúrbio do sono conhecido como hipersonia e estão ligados à ansiedade, depressão ou outros transtornos psiquiátricos. De acordo com o estudo,  “em um levantamento de várias cidades americanas, 40% dos entrevistados relataram insônia e 46,5% dos que relataram hipersonia preenchiam os critérios para doença mental segundo o DSMIII-R [Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais]”. 

Segundo o artigo “Sonolência excessiva”, publicado na Revista Brasileira de Psiquiatria em 2005, dentre as principais causas para essa sonolência excessiva estão a privação crônica de sono, a Síndrome da Apnéia e Hipopnéia Obstrutiva do Sono (SAHOS), a narcolepsia, a Síndrome das Pernas Inquietas/Movimentos Periódicos de Membros (SPI/MPM), Distúrbios do Ritmo Circadiano, uso de drogas e medicações.

Quando se preocupar?

Segundo o artigo, o principal sintoma da hipersonia é a sonolência fora do normal durante o dia, podendo estender-se por longos períodos de sono à noite. Mas para realizar o diagnóstico correto é preciso levar outros sintomas em consideração, como falta de energia, raciocínio lento e lapsos de memória. 

Dessa forma, deve-se procurar um especialista qualificado para realizar o diagnóstico. “Alguns procedimentos podem ser utilizados para a investigação adequada da sonolência excessiva (SE), entre eles: avaliação clínica, diário de sono, medidas subjetivas e objetivas”, afirma o artigo.

Dentre as consequências, estão o prejuízo no desempenho nos estudos, no trabalho, nas relações familiares e sociais, alterações neuropsicológicas e cognitivas  e risco aumentado de acidentes. Por isso, cada caso requer um tratamento específico para tratar a quantidade inadequada de sono com medidas de higiene do sono ou medidas gerais como perda de peso, evitar álcool e sedativos, dentre outros.

You may also read!

Comida é recurso para lidar com problemas emocionais: entenda os riscos

Pesquisa revela que a maioria dos brasileiros acredita que comer em excesso melhora a saúde mental.

Read More...

Votação na Câmara aprova privatização da Sabesp

Elinelma Santos A Câmara Municipal do Estado de São Paulo aprovou nesta quarta-feira (17) a privatização da Sabesp (Companhia

Read More...

Excesso de proteína aumenta o risco de doenças cardiovasculares

Proteínas devem ser consumidas com equilíbrio, segundo especialistas. Késia Grigoletto  O excesso do consumo de proteínas aumenta o risco

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu