ONGs e pessoas se mobilizam para ajudar o Rio Grande do Sul

In Geral

Produtos de limpeza, galochas e mão de obra são a maior necessidade, afirmam os mobilizadores.

Gabrielle Ramos

As enchentes no Rio Grande do Sul (RS), devido ao aumento do nível do Guaíba e intenso volume de chuvas, afetaram cerca de 90% do estado. Segundo a Agência Brasil, o governador do RS, Eduardo Leite, anunciou o aporte de mais R$30,3 milhões em um conjunto de medidas do governo estadual para fortalecer a rede de saúde e qualificar os abrigos públicos do estado. 

Além dessas medidas, organizações não governamentais (ONGs), empresas e pessoas têm se mobilizado para ajudar as vítimas das enchentes no RS. Dentre as ações estão: resgates de pessoas e animais, arrecadação de itens essenciais e limpeza de domicílios.

Resgate de vítimas

O Corpo Voluntário de Socorro e Resgate do Rio Grande do Sul (CVSR-RS), com sede em Gravataí, atua voluntariamente, por meio da Brigada de Buscas e Salvamento Voluntário, em desastres, como é o caso das enchentes no Rio Grande do Sul. Com 70 voluntários ativos no grupo, o CVSR-RS começou sua atuação de resgate às vítimas em 30 de abril. “Estamos completando hoje (20/05) 20 dias de atuação, 24 horas por dia”, explica Deisson Pimentel, presidente do CVSR-RS.

O presidente compartilha que durante uma pausa para se alimentarem após diversos resgates, foram abordados por um senhor com um bebê recém-nascido. Ele explicou que a mãe entregou o bebê pedindo para que ele salvasse a criança e prometeu buscá-la depois. “Por essas e outras histórias seguiremos incansáveis nesta missão, junto com todos aqueles que se unem a nós a cada dia para fazer o bem”, destaca.

Arrecadação de itens essenciais  

O presidente do CVSR-RS explica que o período dos serviços de busca, salvamento e resgate de vítimas que estavam em meio às enchentes praticamente se encerrou. “Desde o dia 13 ou 14, mais ou menos, nós entramos com a segunda etapa, que é a etapa de recolher todos os mantimentos donativos”, enfatiza.

Para ajudar nessa missão, a fábrica de fantasias “Bonecos e Mascotes” de São Paulo se transformou em um ponto de arrecadação de itens para ajudar o RS. “Nós mandamos mensagem para a comunidade, clientes, e parentes para que separassem roupas e sapatos para doar, e está sendo muito lindo porque as pessoas também estão doando água, produtos de higiene e limpeza”, explica Sandy Mel Freitas, responsável pelo setor social da empresa.

Empresa de brinquedos de São Paulo fez campanha para ajudar vítimas. Foto: Arquivo Pessoal

A iniciativa teve origem ao sentir solidariedade pelas vítimas dessa tragédia. “Imagina: a pessoa está dentro da casa dela, a casa enche de água e ela tem que sair com a roupa do corpo. Então tudo que uma pessoa precisa no dia a dia para sobreviver é o que eles estão precisando”, reflete Sandy.

Além dos itens essenciais já conhecidos, a representante da Bonecos e Mascotes explica que estão precisando de galochas, pois as pessoas ainda estão tendo muito contato com as águas da enchente, que estão contaminadas.

Por meio dessas doações, a empresa conseguiu encher um caminhão com itens que serão destinados à São Jerônimo, uma das cidades afetadas no RS.

A responsável pelo setor social da empresa afirma que a campanha de doação somente vai parar quando as pessoas não estiverem precisando mais. “A gente espera que tudo se resolva em breve, mas não sabemos ainda quanto tempo eles vão precisar dessas doações”, ressalta.

Limpeza das casas

Graças ao trabalho voluntário de diversas pessoas, os abrigos do RS estão bem abastecidos, afirma Deisson Pimentel. Por isso, no momento, a maior demanda é por apoio dentro dos abrigos, que envolve ajudar na organização e distribuição dos mantimentos. “Estamos encaminhando, digamos que para a fase final, que é a parte da limpeza. Então, estamos conseguindo voltar aos poucos para dentro dos bairros, nos municípios, e entender na verdade qual é a demanda que essas casas precisam”, relata.

O CVSR-RS pretende encerrar a fase final de atuação da Brigada de Buscas e Salvamento com apoio de voluntários do Mato Grosso do Sul depois dos próximos três meses. Mas, se for necessário, estenderão o prazo de atuação. Por isso, o presidente afirma que é  importante apoiar as instituições que estão realizando esses trabalhos com doações, a fim de manter o serviço ativo e recuperar recursos gastos nas operações de apoio. 

Grupo voluntário no Rio Grande do Sul.
Grupo de voluntários que atuam no Rio Grande do Sul. Foto: Arquivo Pessoal

Nesse sentido, qualquer tipo de ajuda é válida. “A maior força do nosso estado e que a população precisa entender é a força voluntária, não existe força maior do que essa […]; essa comunidade, esse estado que se une, que olha para o lado, que consegue apoiar o próximo”, enfatiza o presidente do CVSR-RS.

Saiba como ajudar:

Endereço: R. Alcides Alves – Casa Verde Alta, São Paulo – SP, 02555-030

Telefone: (11) 98029-1046

Endereço: R. General Câmara, 200 – Parque dos Eucaliptos, Gravataí – RS, 94130-500

Plantão Brigada de Busca e Salvamento: (51) 99290-3092

PIX: 04.430.425/0001-91 

A Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais está atuando no RS por meio de ações assistenciais às pessoas atingidas pela tragédia.

Telefone: 51 3434-3174

PIX: sos@adra.org.br.

You may also read!

Empresas obrigam retorno ao trabalho presencial

Funcionários que já se adaptaram ao home office têm dificuldade com a medida. Gabrielle Ramos Durante a pandemia do

Read More...

“Memórias Póstumas de Brás Cubas” faz sucesso nos EUA

O livro se encontra em primeiro lugar nas vendas da Amazon de literatura latina após viral na internet. Davi

Read More...

Japão: o centro da convergência cultural entre oriente e ocidente

Série Xógum retrata relações conflituosas no Japão antigo que permanecem preocupações econômicas e políticas no Japão contemporâneo.  Paula Orling

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu