Viagens na América Latina: o que mudou após a pandemia

In Cultura, Geral, Mundo

Pesquisa revela as principais tendências no setor de viagens para 2024.

Gabrielle Ramos Venceslau

Após a pandemia, o setor de viagens sofreu com transformações e busca se recuperar do período marcado pelo isolamento social. Segundo o novo relatório de pesquisa “Tendências globais de viagem para 2024”, da Visa, viajar é uma prioridade para os consumidores, apesar da alta nos preços. Dentre os brasileiros e mexicanos pesquisados, apenas 2% deles planejam reduzir a frequência das viagens.

Além disso, o estudo revela as principais tendências que devem influenciar o setor de viagens na América Latina em 2024. Confira quais são!

Busca por novas aventuras

A retomada de viagens após o período do COVID-19 é liderada pela busca por boas experiências. Para os mexicanos, os principais motivos para viajar são: relaxar (46%), explorar algo novo (34%) e viver aventuras (31%). Já no Brasil, os viajantes da geração Z fizeram 22% mais viagens de lazer do que as outras gerações, por mais que a renda deles seja menor.

Esse desejo tem impulsionado o setor de viagens após a pandemia. “As pessoas parecem estar buscando uma reconexão com a natureza e consigo mesmas após este período de confinamento, valorizando experiências ao ar livre e destinos turísticos com a família ou sozinhos”, explica Vanessa Oliveira, mentora de milhas e CEO da Experien Tur.

A tendência, conhecida como slow travel, na qual o viajante passa mais tempo num lugar para estabelecer conexões mais profundas, é vivenciada por Dianny Aguilar, influenciadora que compartilha dicas de viagens e como tirar boas fotos com o celular. “O que eu tenho procurado muito com as experiências de viagem é que eu não quero mais conhecer os lugares com tanta rapidez”, salienta. 

Flexibilidade

Nesse contexto, a flexibilidade surgiu como um fator-chave a fim de possibilitar viagens mais imersivas. “Com a crescente adoção do trabalho remoto, percebemos um maior interesse em opções que permitem aos viajantes equilibrar suas responsabilidades profissionais com o prazer de explorar novos lugares”, ressalta a CEO da Experien Tur.

De acordo com a pesquisa, 65% dos viajantes brasileiros preferem evitar a compra de pacotes de viagem para terem mais autonomia em sua jornada. “Já aconteceu da gente fazer coisas grandiosas de manhã e trabalhar à tarde. Então você trabalha nas nuvens, porque acabou de realizar um sonho e isso é muito legal”, conta Letícia Trindade que visita um país por mês, com seu marido e um cachorro. 

Consciência ambiental

O relatório afirma que mais da metade dos consumidores têm optado por viagens ecológicas, dentre os mexicanos e brasileiros, desde que essa opção esteja disponível por um preço igual ou menor que as outras. “Quando estou fazendo alguma busca, eu dou preferência para lugares que tenham algum selo eco-friendly. Então para alguns lugares eu faço questão de não ir. Espero que isso seja uma tendência e que as pessoas busquem e se preocupem com as questões ambientais”, reflete Dianny.

Crescimento do digital

Em meio às inovações digitais, as viagens têm cada vez mais ferramentas e recursos à disposição que facilitam desde o planejamento delas e a hora de efetuar um pagamento, por exemplo. Dentre os adultos da geração Z, 62% afirmam usar a tecnologia para economizar nas viagens. Outros 71% dizem sempre utilizar carteiras digitais em suas jornadas, muitas vezes por terem dificuldade com o dinheiro físico. 

Dianny comenta que tem usado o cartão físico principalmente em viagens internacionais, pois tem se tornado mais fácil em virtude dos bancos digitais. Entretanto, a depender do país ainda utiliza espécie. “Nas viagens nacionais e tenho usado o PIX em tudo que é lugar, acho que em todo o Brasil essa ferramenta realmente deu muito certo”, reforça.

Influência da mídia

As redes sociais têm inspirado a escolha dos destinos dos viajantes, segundo a pesquisa. Afinal, muitos lugares se tornam interessantes por meio da influência de outras pessoas. “A gente acaba vendo aquelas experiências, as fotos bonitas, as dicas e com certeza isso influencia muito nas minhas viagens e nas de muita gente, apesar de não ser a única motivação”, expõe a influenciadora que compartilha dicas de fotos.

Letícia também enfatiza que as redes sociais auxiliam a entender melhor os destinos de suas viagens. “Desde dicas do que é preciso levar até dicas de qual momento do ano é melhor para visitar vai ajudando a gente a ter uma experiência melhor e mais tranquila assim que chegamos no nosso destino”, explica.

Além disso, o interesse dos viajantes brasileiros por destinos dentro do país ou por localidades mais próximas também se intensificou por meio das redes e do custo mais econômico. “Antigamente eu só pensava em viajar para o exterior, mas hoje em dia eu não penso mais assim. Eu comecei a viajar pelo Brasil e tem muitos destinos que desejo muito conhecer”, comenta Dianny. 

Acompanhe as tendências

Para quem quer viajar no próximo ano e se adequar às novas tendências, planejar é essencial. “Sugerimos um mix de conforto, facilidade, segurança e uma boa dose de natureza. Assim, fazer no próximo ano um capítulo completo para cada viajante”, enfatiza Vanessa Oliveira. 

Nesse sentido, a CEO expõe quatro dicas para planejar uma viagem econômica que resulte em uma experiência incrível:

  1. Antecipação é chave: Planeje com antecedência para aproveitar tarifas mais baixas em passagens aéreas e hospedagem. A reserva antecipada geralmente oferece as melhores ofertas.
  2. Flexibilidade nas datas: Seja flexível nas datas de viagem. Às vezes, mudar um dia ou dois pode resultar em tarifas consideravelmente mais baixas.
  3. Economia local: Coma onde os locais vão. Restaurantes fora das áreas turísticas costumam ter preços mais amigáveis ​​e pratos mais autênticos.
  4. Atividades gratuitas: Descubra atividades gratuitas ou de baixo custo no destino. Muitas cidades oferecem museus gratuitos em determinados dias da semana.

You may also read!

Dengue e Covid: os diferentes sintomas das doenças

Febre e dor de cabeça são sintomas comuns, e especialistas apontam quais devemos nos alertar.  Davi Sousa O Brasil

Read More...

Como as microssonecas afetam nossa saúde

As “inofensivas” sonecas que duram apenas segundos podem significar uma péssima rotina de sono. Nicoly da Maia As microssonecas

Read More...

Governo lança programa com investimentos de R$ 700 milhões para Amazônia

A parceria com 70 municípios prevê a redução de desmatamentos e incêndios zero até 2030 na Amazônia. Elinelma Vasconcelos

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu